Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

Curtinhas LXXXVIII

(*)

 

A NECESSIDADE É A MÃE DO ENGENHO

 

 

v      Uma excelente maneira de reflectir sobre a triste situação em que nos encontramos (e não me refiro à falta de dinheiro que, milagre dos milagres, aí está só porque Sócrates foi desfeiteado, nem aos actores políticos com que o destino nos brindou, nem aos comentadores que medram como azedas depois da chuvada, nem...) é admitir, a bem do discurso, que, por uma vez, Louçã e os seus próceres, mais Jerónimo e a sua união sindical, levam a deles à vante.

 

v      Sem mais rodeios, o “bom povo português”, assustado com o futuro que o espera, vota em massa nos partidos de além-esquerda (vá lá, Leitor, pode acrescentar a ala obreirista do PS para que o ramalhete fique mais composto) - que sobem, impantes e prenhes de ideias, os degraus da governação.

 

v      Resultado previsível (se a dura realidade não fizer, entretanto, o turn around das suas duras cabecinhas):

-             O FMI faz as malas e vai prégar para outra freguesia;

-             A Comissão Europeia encomenda uns esconjuros e manda fumigar as cadeiras onde os nossos lídimos representantes habitualmente se sentavam (não vá a moléstia por lá ter ficado);

-             O BCE pega na borracha e apaga o dinheiro que emprestou aos nossos estupendos Bancos que, tendo sido durante anos a inveja da Europa, não sabem agora o que fazer à sua vidinha;

-             Acaba-se-nos de vez o dinheiro, e os vícios (entre os quais a persistência genética das teses progressistas e do Estado Social) que os europeus poupados nos permitiam;

-             E todos nós começamos a frequentar um curso intensivo, e intenso, sobre a economia nas sociedades modernas, pagando por isso umas propinas puxadotas.

 

v      A primeira medida do novo e inovador governo será, aposto, decretar que cada semana terá o seu Dia de Trabalho para a Nação, ao som do Zeca. É claro que, ao decretá-lo, o Governo esquecerá:

-             Que é um imposto mais da ordem dos 20%;

-             Que é um imposto desigual, porque atinge só os que trabalham (corolário perverso, mas com a sua ponta de humor, da consigna “os ricos que paguem a crise”);

-             Que desarticula ainda mais o funcionamento da economia portuguesa;

-             Que talvez sirva para tornar Portugal mais limpo (valha-nos pelo menos isso) - mas que não contribuirá um cêntimo que seja, nem para atenuar a necrose de liquidez em que nos atascámos, nem para equilibrar os pratos do Orçamento.

 

v      E esse será o primeiro case study do tal curso intensivo. Faço votos para que governo e economistas passem a prova com distinção. Teria sido dado um passo importante, a justificar bem as propinas todos pagámos até aí.

 

v      A aflição seguinte dos nossos governantes será procurar bons exemplos por esse mundo fora. Aos mais cultos (por lerem livros e verem filmes) e aos mais viajados (por terem vilegiado, não direi em Myanmar ou na Coreia do Norte) virá talvez à ideia: os cigarros, moeda de troca nos campos de POW, os charutos, no Malecón, ou os Patacones (títulos de dívida transmissíveis por simples entrega) emitidos pelo Governo Federal da Argentina, e por muitas Províncias, entre 1998 e 2002.

 

v      Boa! Dirá, então, quem nos governa. Essa dos Patacones é de mestre! Qual quê! De pós-doutorado! Vamos lá mas é emitir Belecas na nova unidade monetária acabadinha de criar: o Fracturante Português. Retomar o antigo Escudo Português (PTE) cheiraria a reaccionário. E a UE era capaz de não achar muita graça. Fracturante (FPT) é que é - tem boa onda.

 

v      E é possível? Perguntará o governante que hesita sempre (há sempre um ministro hesitante em cada governo, às vezes ele é o PM, porque haveria este de ser a excepção?). Então não é? Os Tratados só proíbem retornar à moeda antiga, mas nada dizem sobre emitir “notas de monopólio” e outras divisas inconvertíveis. Para mais, deixámos de ter o Eurostat à perna. Vamos a isso! E não é que vão?

 

v      Para provar ao mundo que é moderno, bem aconselhado e sabe governar, o governo institui um regime monetário dual em que:

-             Tudo tem o seu preço simultaneamente em € e em FPT;

-             Os rendimentos em € pagam impostos com €; os rendimentos em FPT pagam impostos com Belecas;

-             Empréstimos e depósitos seguem igual modelo, com taxas diferentes, naturalmente;

-             A despesa pública é paga só com Belecas (os impostos cobrados em € são só para servir a Dívida Pública Externa e assegurar as importações de energia e bens alimentares);

-             No mercado do trabalho, há empresas a pagar em € (muito disputadas e, portanto, a pagarem remunerações mais baixas a empregados contentes), outras só com Belecas (a pagarem remunerações com mais zeros a empregados muito descontentes, mas conformados, por terem, ao menos, trabalho), outras ainda a pagarem, parte em €, parte com Belecas (o que sempre lhes permite gerir melhor os custos e o ambiente de trabalho);

-             No comércio local, reinam as Belecas;

-             Bens importados (e férias na estranja) só para os afortunados que abicharem rendimentos em € (o que não será o caso de políticos e funcionários públicos, por uma vez solidários com o grosso da população).

 

v      E assim se vão formando duas economias: uma, em redor das empresas e actividades que facturam regularmente em € (e noutras divisas convertíveis) e orientada para a procura externa; a outra, centrada na actividade orçamental do Estado e na procura interna.

 

v      Com apreciáveis vantagens:

-             Não se sai formalmente do €;

-             Acaba-se por pagar a Dívida Externa (a Pública e a dos Bancos), os credores estrangeiros que tenham paciência, porque somos pobrezinhos, mas honestos;

-             Os Custos Unitários do Trabalho alinham num ápice com a competitividade internacional, sem ser necessário mexer na legislação laboral (o que o governo nunca ousaria);

-             A desvalorização do FPT sempre atrai IDE - pois as ineficiências na Justiça, a rigidez do mercado do trabalho e todos os restantes “direitos adquiridos” de que o governo se sente o Grande Guardião, reflectem-se de imediato na desvalorização do FPT;

-             A despesa pública (incluindo funcionários, fornecedores e subsídios vários) pode ser paga a tempo e horas (seria só imprimir Belecas), para desafogo de tantas e tão martirizadas tesourarias;

-             A cotação do FPT (e a aceitação das Belecas) não passa despercebida nem ao ministro mais distraído (e há sempre vários por governo, porque haveria este de ser a excepção?);

-             O Orçamento encerra sempre equilibrado (uma preocupação a menos), dado que a desvalorização do FPT compensa automaticamente os efeitos de políticas mais mãos largas;

-             Os portugueses, os que votam e os que não votam, sentem na pele, de imediato, os efeitos das promessas eleitorais - excelente terapêutica para as eleições seguintes;

-             Com o rigor típico da além-esquerda, quem tentar o cambão, o cambalacho, o açambarcamento, a “especulação”em geral: Peniche, Caxias, Penamacor, Tarrafal (arrendada a Cabo Verde) com ele.

 

v      Finalmente, únicos. Onde outros países “dollarizaram”, coisa banal, nós avançamos sem hesitar (hélàs! com a abstenção do tal ministro, porque nada é perfeito) para a Belequização total da economia!

 

v      Pensando melhor, querem ver que ainda acabo a votar na além-esquerda?

 

Abril de 2011

 

  A. Palhinha Machado

 

(*)http://www.google.pt/imgres?imgurl=http://perlbal.hi-pi.com/blog-images/504369/gd/128948129694/Medidas-de-Austeridade.jpg&imgrefurl=http://espacoembranco.fotosblogue.com/4/&usg=__meIUkSEaBLYyp01CxF-S-nx50II=&h=448&w=530&sz=91&hl=pt-PT&start=0&zoom=1&tbnid=RyeNM8mCRIRGEM:&tbnh=130&tbnw=154&ei=zsy_TcrOPIeXhQfwxtGuBQ&prev=/search%3Fq%3Dausteridade%26um%3D1%26hl%3Dpt-PT%26sa%3DN%26biw%3D1007%26bih%3D681%26tbm%3Disch&um=1&itbs=1&iact=hc&vpx=457&vpy=213&dur=421&hovh=206&hovw=244&tx=147&ty=119&page=1&ndsp=20&ved=1t:429,r:7,s:0

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D