Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

O PRIMEIRO-MINISTRO DOS ÚLTIMOS DIAS

 

O

 Partido Socialista pôs alguns tenores a criticar “falta de isenção” do Presidente da República e a tentar condicionar a sua acção. Deviam ter mais cautela. Se o Presidente não mandar José Sócrates para casa mais cedo, mostra pelo PS e pelo Governo uma consideração que este mostrou não merecer.

O Presidente não tem só o poder de demitir o primeiro-ministro “para assegurar o regular funcionamento das instituições democráticas” (artigo 195º, nº 2 da Constituição). O Presidente tem, acima de tudo, o dever positivo de garantir o “regular funcionamento das instituições democráticas”, dever que integra a própria definição constitucional do seu cargo (artigo 120º).

Ora, Sócrates acabou da pior forma, escancarando absoluto desrespeito institucional. E gera enormes inquietações quanto à capacidade para assegurar, com dignidade, patriotismo e espírito de serviço, as tarefas de um governo de gestão.

Por isso, ao ouvir hoje os partidos políticos e, depois, o Conselho de Estado, o Presidente da República deve auscultá-los não só sobre a dissolução da Assembleia e as eleições, mas também quanto à demissão compulsiva do primeiro-ministro e à possível formação de um governo de gestão interino.

 

N

a véspera do PEC IV, o governo já mostrara desrespeitar a Assembleia. Exibiu igual desdém pelos partidos, ao recebê-los sobre a Cimeira de 11 de Março, escondendo-lhe o essencial da posição portuguesa. Foi idêntico o desprezo pelos parceiros sociais. E violou o dever constitucional de “informar o Presidente da República acerca dos assuntos respeitantes à condução da política interna e externa do país” (artigo 201º).

Anteontem, Sócrates confirmou a falta de respeito ao ausentar-se do debate parlamentar, mandando-nos notícias pela televisão com a noite entrada. Nada fora por acaso. O desprezo institucional é linha política, estilo e convicção.

O caso é ainda mais sério no plano nacional. Lembremos as afirmações de Jean Claude Juncker, no início da semana: “é claro que há compromissos assumidos por Portugal [a 11 de Março] e não podemos afastar-nos de compromissos assumidos [no PEC  IV], que foram “endossados pela Comissão Europeia e pelo Banco Central Europeu”. E isto tem um grave significado: Sócrates, na cegueira e sofreguidão do seu póquer político terminal, não hesitou em comprometer externamente Portugal sem para isso estar minimamente habilitado.

Juncker não é um qualquer porta-voz. Não é carregador de malas do Presidente da Comissão, nem alguém ao modo “porreiro, pá”. É primeiro-ministro, um líder europeu, o líder do Eurogrupo. Quando sublinhou aquilo e que as posições do governo foram assumidas como boas não só pelo Conselho, mas também pela Comissão e pelo BCE, Juncker pôs a nu toda a gravidade do procedimento institucional de Sócrates.

A seguir a isto, se o episódio não for suficientemente higienizado, um futuro primeiro-ministro não pode surpreender-se se, numa reunião do Conselho, comprometendo-se num quadro europeu com medidas portuguesas, lhe for pedido uma acta notarial para aferir da capacidade para vincular o Estado português. Sócrates, que – já sabíamos – desrespeita a sua palavra, desrespeitou a palavra de Portugal. Pode – e deve – ser sancionado por isso.

 

F

ace à velocidade da crise e à linha afirmada por todos os partidos, a margem de acção do Presidente reduziu-se muito. Cavaco esteve bem ao chamar a atenção para essa “velocidade”. E bem também ao retardar a aceitação da demissão do primeiro-ministro para depois do Conselho Europeu. Mostrou, entre outras coisas, ser o estadista que Sócrates fez questão de querer mostrar não ser.

Mas Cavaco Silva tem mais coisas essenciais a assegurar, coisas do interesse de todos.

Primeiro, como pedia António Barreto, o Presidente deve garantir, com o Banco de Portugal e outras instituições, a informação objectiva e detalhada aos portugueses sobre o estado real das nossas finanças. Tão cedo quanto possível e bem antes das eleições.

Segundo, deve poder assegurar que o governo de gestão actue com o patriotismo, a isenção, a dedicação e a competência que são exigidas pela dureza financeira do momento. Quando Portugal tem de colocar até Junho quase 9 mil milhões de euros de dívida e cumprir uma gestão orçamental rigorosíssima, bem como favorecer o financiamento da economia, o pior que pode acontecer-nos é ficarmos entregues a um governo em campanha eleitoral, como o discurso de Sócrates e doutros ministros e dirigentes do PS são o sinal inequívoco.

Em 2009, Sócrates e o governo enganaram redondamente o país quanto à real dimensão do défice e prolongaram o regabofe financeiro do Estado. Em 2009, o aparelho socrático não hesitou em usar o Taguspark para pagar 750 mil euros a Luís Figo e associá-lo a um pequeno-almoço de campanha eleitoral. Outros factos, agravados por estas faltas de respeito pela Constituição e pelas instituições, permitem recear o pior. E Portugal não pode suportá-lo. Isto não é uma brincadeira.

Compreendo que é difícil e duro demitir o primeiro-ministro, definindo um outro quadro seguro para o governo de gestão. Mas, se Sócrates não for demitido depois do que fez, o rasto do desrespeito institucional extremo não será apagado. E a desonra externa da palavra de Portugal ficará gravada na memória do Conselho, da Comissão e do BCE.

Se Sócrates continuar, apesar dos antecedentes de 2009 e dos perigos nacionais de 2011, é bom que o Presidente da República se certifique que essa é a vontade positiva dos partidos e a opinião do Conselho de Estado. É que é seu – e de mais ninguém – o dever de garantir o regular funcionamento das instituições democráticas.

 

  José Ribeiro e Castro

 

In Jornal i

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D