Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

O PRIMEIRO-MINISTRO DOS ÚLTIMOS DIAS

 

O

 Partido Socialista pôs alguns tenores a criticar “falta de isenção” do Presidente da República e a tentar condicionar a sua acção. Deviam ter mais cautela. Se o Presidente não mandar José Sócrates para casa mais cedo, mostra pelo PS e pelo Governo uma consideração que este mostrou não merecer.

O Presidente não tem só o poder de demitir o primeiro-ministro “para assegurar o regular funcionamento das instituições democráticas” (artigo 195º, nº 2 da Constituição). O Presidente tem, acima de tudo, o dever positivo de garantir o “regular funcionamento das instituições democráticas”, dever que integra a própria definição constitucional do seu cargo (artigo 120º).

Ora, Sócrates acabou da pior forma, escancarando absoluto desrespeito institucional. E gera enormes inquietações quanto à capacidade para assegurar, com dignidade, patriotismo e espírito de serviço, as tarefas de um governo de gestão.

Por isso, ao ouvir hoje os partidos políticos e, depois, o Conselho de Estado, o Presidente da República deve auscultá-los não só sobre a dissolução da Assembleia e as eleições, mas também quanto à demissão compulsiva do primeiro-ministro e à possível formação de um governo de gestão interino.

 

N

a véspera do PEC IV, o governo já mostrara desrespeitar a Assembleia. Exibiu igual desdém pelos partidos, ao recebê-los sobre a Cimeira de 11 de Março, escondendo-lhe o essencial da posição portuguesa. Foi idêntico o desprezo pelos parceiros sociais. E violou o dever constitucional de “informar o Presidente da República acerca dos assuntos respeitantes à condução da política interna e externa do país” (artigo 201º).

Anteontem, Sócrates confirmou a falta de respeito ao ausentar-se do debate parlamentar, mandando-nos notícias pela televisão com a noite entrada. Nada fora por acaso. O desprezo institucional é linha política, estilo e convicção.

O caso é ainda mais sério no plano nacional. Lembremos as afirmações de Jean Claude Juncker, no início da semana: “é claro que há compromissos assumidos por Portugal [a 11 de Março] e não podemos afastar-nos de compromissos assumidos [no PEC  IV], que foram “endossados pela Comissão Europeia e pelo Banco Central Europeu”. E isto tem um grave significado: Sócrates, na cegueira e sofreguidão do seu póquer político terminal, não hesitou em comprometer externamente Portugal sem para isso estar minimamente habilitado.

Juncker não é um qualquer porta-voz. Não é carregador de malas do Presidente da Comissão, nem alguém ao modo “porreiro, pá”. É primeiro-ministro, um líder europeu, o líder do Eurogrupo. Quando sublinhou aquilo e que as posições do governo foram assumidas como boas não só pelo Conselho, mas também pela Comissão e pelo BCE, Juncker pôs a nu toda a gravidade do procedimento institucional de Sócrates.

A seguir a isto, se o episódio não for suficientemente higienizado, um futuro primeiro-ministro não pode surpreender-se se, numa reunião do Conselho, comprometendo-se num quadro europeu com medidas portuguesas, lhe for pedido uma acta notarial para aferir da capacidade para vincular o Estado português. Sócrates, que – já sabíamos – desrespeita a sua palavra, desrespeitou a palavra de Portugal. Pode – e deve – ser sancionado por isso.

 

F

ace à velocidade da crise e à linha afirmada por todos os partidos, a margem de acção do Presidente reduziu-se muito. Cavaco esteve bem ao chamar a atenção para essa “velocidade”. E bem também ao retardar a aceitação da demissão do primeiro-ministro para depois do Conselho Europeu. Mostrou, entre outras coisas, ser o estadista que Sócrates fez questão de querer mostrar não ser.

Mas Cavaco Silva tem mais coisas essenciais a assegurar, coisas do interesse de todos.

Primeiro, como pedia António Barreto, o Presidente deve garantir, com o Banco de Portugal e outras instituições, a informação objectiva e detalhada aos portugueses sobre o estado real das nossas finanças. Tão cedo quanto possível e bem antes das eleições.

Segundo, deve poder assegurar que o governo de gestão actue com o patriotismo, a isenção, a dedicação e a competência que são exigidas pela dureza financeira do momento. Quando Portugal tem de colocar até Junho quase 9 mil milhões de euros de dívida e cumprir uma gestão orçamental rigorosíssima, bem como favorecer o financiamento da economia, o pior que pode acontecer-nos é ficarmos entregues a um governo em campanha eleitoral, como o discurso de Sócrates e doutros ministros e dirigentes do PS são o sinal inequívoco.

Em 2009, Sócrates e o governo enganaram redondamente o país quanto à real dimensão do défice e prolongaram o regabofe financeiro do Estado. Em 2009, o aparelho socrático não hesitou em usar o Taguspark para pagar 750 mil euros a Luís Figo e associá-lo a um pequeno-almoço de campanha eleitoral. Outros factos, agravados por estas faltas de respeito pela Constituição e pelas instituições, permitem recear o pior. E Portugal não pode suportá-lo. Isto não é uma brincadeira.

Compreendo que é difícil e duro demitir o primeiro-ministro, definindo um outro quadro seguro para o governo de gestão. Mas, se Sócrates não for demitido depois do que fez, o rasto do desrespeito institucional extremo não será apagado. E a desonra externa da palavra de Portugal ficará gravada na memória do Conselho, da Comissão e do BCE.

Se Sócrates continuar, apesar dos antecedentes de 2009 e dos perigos nacionais de 2011, é bom que o Presidente da República se certifique que essa é a vontade positiva dos partidos e a opinião do Conselho de Estado. É que é seu – e de mais ninguém – o dever de garantir o regular funcionamento das instituições democráticas.

 

  José Ribeiro e Castro

 

In Jornal i

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D