Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

ALENTEJANANDO – 6

 

Foi ao passar por S. Miguel de Machede na estrada do Redondo para Évora que me lembrei de Endovélico, o Deus lusitano cujo santuário principal fica algures ali para as bandas de Mérida. Dessa religião há inúmeros monumentos (megalíticos) por todo o Alentejo: sei – mas não conheço – da existência de um santuário de Endovélico na região de Borba e conheço um enorme menir fálico perto de Monsaraz a que ainda hoje as mulheres inférteis se esfregam para que concebam.

 

E quando os romanos conquistaram a Lusitânia não baniram esses símbolos da religião local – apenas rebaptizaram Endovélico passando a chamar-lhe Zéfiro. E adoraram-no enquanto por cá andaram… O povo, mais atento aos ícones do que aos nomes, concordou.

 

A cristianização seguiu a mesma política dos romanos e a Zéfiro chamou S. Miguel, o Arcanjo. Eis por que ainda hoje o menir de Monsaraz cumpre a função para que foi erigido. É claro que quem conhece as Escrituras não vai a Monsaraz esfregar-se no que quer que seja.

 

E os campos continuavam lindos… Até que na cerca duma propriedade vi uma tabuleta para afugentar caçadores e outros intrusos que só na Península Ibérica é credível:

 

CUIDADO!

GADO BRAVO

 

É claro que não parei, por muito bonito que estivesse o campo. E estava!

 

A chegada a Évora é hoje bem diferente da que lá estava quando cursei no Instituto de que anos mais tarde nasceria a Universidade.

 

Rotundas por «dá cá aquela palha» com passagens para peões elevadas de modo a quebrar as suspensões dos carros dos automobilistas mais apressados. E para dar um ar de metrópole progressista, as ignóbeis faixas BUS que são verdadeiras afrontas ao maior contribuinte que existe em Portugal, o automobilista. Quem recebe subsídios do erário público tem assim direitos preferenciais sobre quem paga os impostos que financiam esses privilégios. Evidente inversão de valores. Solução? Muito simples: querem faixa BUS, perdem o subsídio. Optem!

 

É claro que este princípio tanto se aplica a Évora como a qualquer outra cidade que esteja pendurada nos meus impostos.

 

E dali fomos direitos à Praça do Giraldo, o tal que conquistou Badajoz por três vezes, para descermos pela Rua da Moeda até à Cozinha de Stº Huberto, o restaurante em que reserváramos mesa. Tudo bem e sem história especial a não ser que tive que ir estacionar o carro «onde o diabo perdeu as botas» pois tudo é proibido ou reservado restando ao forasteiro ir quase até à periferia para voltar a pé até ao centro. Pode ser eficaz mas não é simpático. Se não tivesse deixado a minha mulher na Praça do Giraldo, teria seguido caminho para outras paragens mais acolhedoras. Lisboa, por exemplo, onde tenho garagem.

 

(*)

Praça do Giraldo, em honra do tri-conquistador de Badajoz

 

Depois do almoço fomos dar uma volta pela zona histórica da cidade mas dá para nos perguntarmos sobre o que é que em Évora não está recheado de História. Sou do tempo em que Túlio Espanca (1) passeava pela cidade com grupos de turistas e outros interessados a explicar o que acontecera em cada local…

 

Évora continua num processo de evolução interessante valorizando o seu património arquitectónico; a Universidade encarrega-se de valorizar o património humano e sem este nada de positivo pode acontecer.

 

E lá estou eu novamente a imaginar o «click» para que aquela cidade voltasse a ter a importância relativa que já teve há séculos. Sim, creio que bastaria criar as condições para que a agricultura pudesse voltar a existir. Até lá, continuará a ser sobretudo um sorvedouro de recursos públicos. Mais um como tantos e tantos outros em Portugal cuja governação só pensa em tributar o trabalho de qualquer formiga para depois subsidiar todos os que não podem trabalhar porque a economia não funciona.

 

Como não haveríamos de cair no buraco em que nos meteram? Felizmente, há cá dentro quem tenha as soluções para sairmos da crise.

 

Sim, se o presente é de desespero, o futuro só pode ser melhor. Haja esperança!

 

Aqui fica a sugestão aos agricultores alentejanos: façam a vossa Bolsa de cereais com operações sobre futuros e digam ao Governo que, se tiver tempo e souber, legisle sobre o facto consumado pela vossa iniciativa.

 

Entretanto, o templo romano continua no local em que o deixara na minha última passagem por Évora e no lintel da porta principal do Tribunal da Inquisição continua a frase por que muitos suaram as estopinhas: EXSURGE DEUS, JUDICA CAUSAM TUAM o que em comum significa LEVANTA-TE DEUS, JULGA A TUA CAUSA.

 

E foi a fazer slalom por entre nuvens negras que regressámos secos a Lisboa.

 

Março de 2011

 

Henrique Salles da Fonseca

 

 

(1)     - http://pt.wikipedia.org/wiki/T%C3%BAlio_Espanca

 

(*)http://www.google.pt/imgres?imgurl=http://www.mapadeportugal.net/.%255CLocalidades%255C7%255C705%255Cevora%255CGiraldo.jpg&imgrefurl=http://www.mapadeportugal.net/localidade.asp%3Fn%3Devora%26c%3D705%26t%3DPontos%2520de%2520Interesse&usg=__e95ZwLoVoP_jKf6v9XEROBn_510=&h=413&w=550&sz=162&hl=pt-pt&start=0&zoom=1&tbnid=z8m9PMFFtjIEgM:&tbnh=154&tbnw=189&ei=kzaUTZ6eOtOq8QPj3agX&prev=/images%3Fq%3D%25C3%2589vora%26um%3D1%26hl%3Dpt-pt%26sa%3DN%26biw%3D1007%26bih%3D681%26tbm%3Disch&um=1&itbs=1&iact=hc&vpx=722&vpy=121&dur=3385&hovh=194&hovw=259&tx=132&ty=127&oei=ZzaUTfz4PIzItAav2dXGCA&page=1&ndsp=12&ved=1t:429,r:3,s:0

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D