Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

ALENTEJANANDO – 6

 

Foi ao passar por S. Miguel de Machede na estrada do Redondo para Évora que me lembrei de Endovélico, o Deus lusitano cujo santuário principal fica algures ali para as bandas de Mérida. Dessa religião há inúmeros monumentos (megalíticos) por todo o Alentejo: sei – mas não conheço – da existência de um santuário de Endovélico na região de Borba e conheço um enorme menir fálico perto de Monsaraz a que ainda hoje as mulheres inférteis se esfregam para que concebam.

 

E quando os romanos conquistaram a Lusitânia não baniram esses símbolos da religião local – apenas rebaptizaram Endovélico passando a chamar-lhe Zéfiro. E adoraram-no enquanto por cá andaram… O povo, mais atento aos ícones do que aos nomes, concordou.

 

A cristianização seguiu a mesma política dos romanos e a Zéfiro chamou S. Miguel, o Arcanjo. Eis por que ainda hoje o menir de Monsaraz cumpre a função para que foi erigido. É claro que quem conhece as Escrituras não vai a Monsaraz esfregar-se no que quer que seja.

 

E os campos continuavam lindos… Até que na cerca duma propriedade vi uma tabuleta para afugentar caçadores e outros intrusos que só na Península Ibérica é credível:

 

CUIDADO!

GADO BRAVO

 

É claro que não parei, por muito bonito que estivesse o campo. E estava!

 

A chegada a Évora é hoje bem diferente da que lá estava quando cursei no Instituto de que anos mais tarde nasceria a Universidade.

 

Rotundas por «dá cá aquela palha» com passagens para peões elevadas de modo a quebrar as suspensões dos carros dos automobilistas mais apressados. E para dar um ar de metrópole progressista, as ignóbeis faixas BUS que são verdadeiras afrontas ao maior contribuinte que existe em Portugal, o automobilista. Quem recebe subsídios do erário público tem assim direitos preferenciais sobre quem paga os impostos que financiam esses privilégios. Evidente inversão de valores. Solução? Muito simples: querem faixa BUS, perdem o subsídio. Optem!

 

É claro que este princípio tanto se aplica a Évora como a qualquer outra cidade que esteja pendurada nos meus impostos.

 

E dali fomos direitos à Praça do Giraldo, o tal que conquistou Badajoz por três vezes, para descermos pela Rua da Moeda até à Cozinha de Stº Huberto, o restaurante em que reserváramos mesa. Tudo bem e sem história especial a não ser que tive que ir estacionar o carro «onde o diabo perdeu as botas» pois tudo é proibido ou reservado restando ao forasteiro ir quase até à periferia para voltar a pé até ao centro. Pode ser eficaz mas não é simpático. Se não tivesse deixado a minha mulher na Praça do Giraldo, teria seguido caminho para outras paragens mais acolhedoras. Lisboa, por exemplo, onde tenho garagem.

 

(*)

Praça do Giraldo, em honra do tri-conquistador de Badajoz

 

Depois do almoço fomos dar uma volta pela zona histórica da cidade mas dá para nos perguntarmos sobre o que é que em Évora não está recheado de História. Sou do tempo em que Túlio Espanca (1) passeava pela cidade com grupos de turistas e outros interessados a explicar o que acontecera em cada local…

 

Évora continua num processo de evolução interessante valorizando o seu património arquitectónico; a Universidade encarrega-se de valorizar o património humano e sem este nada de positivo pode acontecer.

 

E lá estou eu novamente a imaginar o «click» para que aquela cidade voltasse a ter a importância relativa que já teve há séculos. Sim, creio que bastaria criar as condições para que a agricultura pudesse voltar a existir. Até lá, continuará a ser sobretudo um sorvedouro de recursos públicos. Mais um como tantos e tantos outros em Portugal cuja governação só pensa em tributar o trabalho de qualquer formiga para depois subsidiar todos os que não podem trabalhar porque a economia não funciona.

 

Como não haveríamos de cair no buraco em que nos meteram? Felizmente, há cá dentro quem tenha as soluções para sairmos da crise.

 

Sim, se o presente é de desespero, o futuro só pode ser melhor. Haja esperança!

 

Aqui fica a sugestão aos agricultores alentejanos: façam a vossa Bolsa de cereais com operações sobre futuros e digam ao Governo que, se tiver tempo e souber, legisle sobre o facto consumado pela vossa iniciativa.

 

Entretanto, o templo romano continua no local em que o deixara na minha última passagem por Évora e no lintel da porta principal do Tribunal da Inquisição continua a frase por que muitos suaram as estopinhas: EXSURGE DEUS, JUDICA CAUSAM TUAM o que em comum significa LEVANTA-TE DEUS, JULGA A TUA CAUSA.

 

E foi a fazer slalom por entre nuvens negras que regressámos secos a Lisboa.

 

Março de 2011

 

Henrique Salles da Fonseca

 

 

(1)     - http://pt.wikipedia.org/wiki/T%C3%BAlio_Espanca

 

(*)http://www.google.pt/imgres?imgurl=http://www.mapadeportugal.net/.%255CLocalidades%255C7%255C705%255Cevora%255CGiraldo.jpg&imgrefurl=http://www.mapadeportugal.net/localidade.asp%3Fn%3Devora%26c%3D705%26t%3DPontos%2520de%2520Interesse&usg=__e95ZwLoVoP_jKf6v9XEROBn_510=&h=413&w=550&sz=162&hl=pt-pt&start=0&zoom=1&tbnid=z8m9PMFFtjIEgM:&tbnh=154&tbnw=189&ei=kzaUTZ6eOtOq8QPj3agX&prev=/images%3Fq%3D%25C3%2589vora%26um%3D1%26hl%3Dpt-pt%26sa%3DN%26biw%3D1007%26bih%3D681%26tbm%3Disch&um=1&itbs=1&iact=hc&vpx=722&vpy=121&dur=3385&hovh=194&hovw=259&tx=132&ty=127&oei=ZzaUTfz4PIzItAav2dXGCA&page=1&ndsp=12&ved=1t:429,r:3,s:0

 

7 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D