Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Curtinhas LXXXVI

ARBEIT MACHT FREI

 

 

v      Está bem enraizada na mente de todos nós, creio que desde tenra idade, o modo virtuoso, exemplar e, diria mesmo, único como os alemães gerem as suas finanças.

 

v      Ideia que nem o facto de os Orçamentos por lá também derraparem (como em 2002) e de um ou outro Banco Alemão ter passado por maus momentos (o Herstatt Bank, que desencadeou a crise financeira internacional de 1974 e faliu; mais recentemente, do HVB/Hypo Vereinsbank, grande cliente dos “produtos tóxicos” made in USA, que teve de ser salvo não uma, mas duas vezes no lapso de uns poucos meses; para não falar já das peripécias em torno do Dresdner Bank e de alguns Landesbanks) consegue turvar.

 

v      A proeminência alemã é, assim, vista como a feliz conjunção de uma capacidade industrial e científica difícil de rivalizar com uma disciplina férrea em matéria de políticas monetária e orçamental. Disciplina que Frau Merkel quer impor como cartilha à UE (ou, pelo menos, à Zona Euro) - no convencimento de que, qualquer que seja a economia, os resultados serão sempre decalcados dos da ortodoxia alemã: virtuosos, exemplares e únicos.

 

v      Contudo, já nos anos ’90, quando da “serpente europeia” (o European Exchange Rate Mechanism, iniciado em 1979, que fixava as taxas de câmbio centrais entre as principais moedas europeias, permitindo-lhes uma estreita faixa de flutuação; com a saída do Reino Unido e a crise da Stirling Pound, em 1992, deu lugar ao European Monetary System - e, no final da década, ao €) era evidente para alguns que o DMark não se valorizava tanto quanto seria de esperar de tamanho rigor monetário e fiscal. Com o que a indústria alemã, aliás, muito folgava (as políticas sustinham os custos unitários do trabalho; uma moeda nacional não tão forte assim reforçava a competitividade externa).

 

v      Aos olhos mais atentos não passava despercebido:

-             Que outros Estados Membros (a França e a Itália, sobretudo) adoptavam, talvez por hábito, políticas monetárias e orçamentais bem menos ortodoxas (isto é, mais acomodatícias), estimulando assim as respectivas procuras internas e criando mais mercado para as exportações germânicas (a quase ausência de risco cambial associada à “serpente europeia” facilitava as coisas);

-             Que a Alemanha reexportava para a CEE a parte maior dos superavits da sua BTC, ora como investimento directo, ora como investimento de carteira, ora como capitais monetários (empréstimos Banco a Banco);

 

v      Difícil era identificar a causa e o efeito: se era a Alemanha a esterilizar a largesse franco-italiana; ou se eram estas economias a pouparem os alemães às consequências inevitáveis de tão estrita ortodoxia.

 

v      Verdade seja dita que a indústria alemã (potenciada por “Ossies” a preço de saldo e pelo aproveitamento da mão de obra barata, mas bem preparada, nos países do Leste Europeu) foi, no contexto da CEE, a que melhor soube aproveitar de todas as circunstâncias que iam surgindo no processo de integração económica europeia. Mas, tanto uma agricultura eficiente e fortemente subsidiada, como um esquema de seguro de créditos à exportação (Hermes, a maior Agência a nível mundial) com grande músculo financeiro, ajudaram bastante.

 

v      Visto isto, cabe perguntar: “O que acontecerá à Zona Euro se todas os Estados Membros forem, por fim, tão virtuosos quanto a Alemanha?”

 

v      Três cenários são possíveis:

-             Cenário 1 – Todos os países do €, na peugada da Alemanha, conseguem, ano após ano, superávits da BTC com os países fora da Zona Euro. E das duas uma: ou competem entre eles, roubando mercado uns aos outros, tornando o Cenário mais difícil de concretizar; ou cada um tem a sorte de encontrar o seu nicho de mercado, na geografia e na actividade. De qualquer modo, os superavits teriam de dar lugar a exportação de capitais e aos inerentes riscos de toda a ordem (riscos a que a Alemanha tem sido, em larga medida, poupada, graças à UE e Zona Euro). Ficariam por resolver em todos eles: uma agricultura subsidiada e a cobertura dos riscos de crédito na exportação. Ah! E a cotação do € dispararia por aí acima.

-             Cenário 2 – Como que se dá uma divisão de trabalho no interior da Zona Euro: de um lado, as economias que se especializam nas exportações para terceiros países; de outro, as economias que participam nos processos produtivos daquelas, para onde passam a exportar. E os países com BTC superavitárias relativamente ao exterior da Zona Euro começam a partilhar esses saldos com os restantes, não através da exportação de capitais (como acontecia nos tempos da “serpente europeia” e aconteceu no passado recente), mas da importação de bens e de serviços. É certo que as exportações de capitais para outras paragens não seriam muito diferentes das que são hoje, tal como com as pressões sobre o €. Mas duvido que seja isto o que Frau Merkel tem em mente quando argumenta a favor de um “pacto de competitividade”.

-             Cenário 3 – Alguns países não conseguem saltar a “barreira da competitividade” e, aí, o ajustamento entre rendimento real e emprego faz-se por meio da emigração para a Alemanha e outras economias bem sucedidas. Dito de outra maneira, as economias que não descolarem passam a ter gente a mais (consequência a que R. Mundell, o pai das “zonas monetárias óptimas”, e a teoria não deram uma importância por aí além).

 

v      Temos, então, um cenário irrealista (o Cenário 1), um cenário politicamente inadmissível (o Cenário 3) e um cenário que não deixa a Alemanha (nem, em geral, as economias mais competitivas da Zona Euro) de fora das exigências de ajustamento estrutural (o Cenário 2).

 

v      Os números (em 31/12/2010) lançam alguma luz sobre esta discussão. Vejamos:

-             Os Bancos Alemães estão expostos: à Dívida Externa Portuguesa em € 20 mM (€ 6 mM de Dívida Soberana e € 14 mM de Dívida Bancária); e à Dívida Externa Espanhola em € 90 mM (€24 mM de Dívida Soberana e €66 mM de Dívida Bancária)

-             Os Bancos Franceses, por sua vez, estão expostos: à Dívida Externa Portuguesa em € 24 mM (€ 13 mM de Dívida Soberana e € 11 mM de Dívida Bancária); e à Dívida Externa Espanhola em € 78 mM (€37 mM de Dívida Soberana e €41 mM de Dívida Bancária)

-             O BCE está exposto: ao risco Portugal em € 62 mM (€ 21 mM de Dívida Soberana e € 41 mM de Dívida Bancária); e ao risco Espanha em € 65 mM (tudo Dívida Bancária)

-             Os Bancos dos restantes países da Zona Euro correm riscos mais modestos na Dívida Externa Portuguesa (€ 25 mM), mas têm uma exposição já apreciável na Dívida Externa Espanhola (€ 64 mM

 

v      Assim, a situação financeira de Portugal é temida, não tanto pela sua dimensão própria (€ 131 mM), mas por ser o detonador de uma crise financeira em Espanha (€ 297 mM).

 

v      É compreensível, pois, que tanto a França como a Alemanha (cujos sistemas bancários são o epicentro da Zona Euro e o suporte do BCE) tentem tudo para que a desgraça financeira dos países ibéricos não se traduza em fortes rombos (coisa próxima do melt down) nos seus Bancos nacionais.

 

v      Já é mais discutível se a solução encontrada de penalizar unicamente os devedores, deixando incólume quem não soube medir os riscos financeiros a que voluntariamente se expunha e quem não foi competente na supervisão das actividades a que os seus Bancos se dedicavam, respeita um módico de equidade.

 

v      E é totalmente inaceitável que, em plena crise grega, Alemanha e França tenham insistido com a Grécia para que este país recebesse e pagasse o equipamento militar anteriormente encomendado – sem o que, nada feito.

 

v      Como, por cá, está a acontecer com o TGV. Pensa, Caro Leitor, que é só mais uma birrinha do nosso PM demissionário?

Palhinha Machado.jpg A. Palhinha Machado

 

Março 2011

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D