Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Caturrices 24

Ah, Malvados! Então isso faz-se? - II

 

 

v      Chegados a este ponto, será que consegui convencê-lo, Leitor, de que:

-             Os investidores institucionais são como os génios da lâmpada – existem para satisfazer, tant bien que mal, os desejos dos seus clientes quanto a segurança (a preservação do capital investido) e retorno (o rendimento líquido obtido)?

-             Os clientes dos investidores institucionais somos nós - ou é gente como nós?

-             Notações de risco (ratings) credíveis (mas não necessariamente as actuais Agências de Rating) são essenciais à transparência e ao funcionamento responsável dos mercados financeiros?

-             Especulação não é manipulação – os especuladores arriscam na esperança de um ganho legítimo, cientes de que a realidade lhes pode trocar as voltas e infligir-lhes perdas?

-             A manipulação, essa, nunca corre riscos - excepto o de ir para a cadeia, nos regimes jurídicos que a criminalizam?

-             Em condições normais, o diminuto (na proporção) stock de Dívida Soberana portuguesa torna a especulação nestes títulos muito mais arriscada, por serem títulos com pouca liquidez no mercado secundário?

 

v      No mundo da Dívida Soberana (e das Obrigações, em geral), as coisas passam-se sem sobressaltos – se tudo correr bem, naturalmente. Cada emissão, uma vez colocada (mercado primário), percorre sucessivamente três etapas (mercado secundário):

(1) negociada activamente, nos primeiros meses (na gíria, “on-the-run”);

(2) negociada ocasionalmente, no que faltar até ao final do primeiro ano, ano e meio do respectivo prazo (“off-the-run”);

(3) negociada muito raramente até final (“off-off-the-run”).

 

v      E quem investe no mercado primário, nem sempre o faz para manter em carteira até ao vencimento a totalidade dos títulos que subscreve. Aposta, sim, na possibilidade de a cotação subir acima do preço de emissão e proporcionar umas mais-valias a curto prazo. Especula - mas, a priori, nada garante que as contas não venham a sair-lhe furadas.

 

v      Uma vez estabilizada a cotação no mercado secundário (as etapas off-the-run e off-off-the-run), os títulos de uma dada emissão de Dívida Soberana só são transaccionados:

(1) ou por razões específicas dos investidores institucionais (condicionalismos de tesouraria, por exemplo);

(2) ou em resposta às contingências da política monetária (alteração das taxas directoras ou das condições de acesso à liquidez do Banco Central).

 

v      Mas é o que se passar com o Estado emitente que faz com que a Dívida Soberana volte à etapa on-the-run:

(1) umas vezes por boas razões, quando, aos olhos do mercado, a sua situação financeira melhora (o que não é tão infrequente assim);

(2) as mais das vezes por más razões, ao generalizarem-se as dúvidas sobre se ele vai ser, ou não, capaz de pagar.

 

v      Três notas, antes de prosseguir:

-             Os Regulamentos dos Fundos são, regra geral, taxativos quanto ao risco de crédito a que podem estar expostos (“nada abaixo do rating tal”). E os títulos de uma emissão cujo rating deixe de ser compatível com o Regulamento têm de ser imediatamente vendidos, com as consequentes menos valias (para Bancos e Seguradoras, a questão coloca-se mais em termos do rombo que as menos valias provoquem nos Capitais Próprios).

-             No mercado secundário, os títulos de Dívida Soberana são transaccionados pela respectiva cotação – e não, como se ouve e lê, pela taxa de juro. Assim, quando se diz que os juros no mercado secundário estão a subir, isso não significa que o Estado Português esteja a pagar juros mais elevados nas emissões aí transaccionadas. Significa, apenas, que a cotação está abaixo do preço de emissão. E como a Dívida Soberana portuguesa é emitida com taxas de juro fixas: (1) quem compra exige uma taxa de retorno superior àquela com que a emissão passou no mercado primário para correr o risco de as dificuldades financeiras do Estado Português se agravarem (ou, no limite, de este se declarar incapaz de pagar); (2) quem vende aceita suportar uma menos valia para se ver livre desse risco (na gíria, consolida a perda).

-             Quando se diz que a taxa de juro da Dívida Soberana portuguesa atingiu, no mercado secundário, 7%, isso significa que esses títulos foram negociados com uma menos valia de 12% (aprox.) relativamente ao respectivo preço de emissão. Menos valia que salta para os 15% (aprox.) se essa pseudo taxa de juro for de 8%.

 

v      Para o comum dos mortais, investir em Dívida Soberana é sinónimo de manter os títulos em carteira, receber os juros e recuperar o seu capital a tempo e horas - gentileza do Orçamento do Estado devedor, ponto final. Sob este ângulo, nenhum investidor assumiria um comportamento tipicamente especulativo.

 

v      Contudo, a Dívida Pública (em boa verdade, quaisquer títulos, como as acções cotadas) pode também proporcionar ao investidor outro tipo de ganhos, obtidos agora no mercado secundário, à custa, não do Estado devedor, mas de outros investidores. As mais valias na etapa on-the run, acima referidas, são disso um bom exemplo.

 

v      Outro exemplo é quando a situação financeira do Estado devedor dá sinais de se degradar, mas não ao ponto de ser já um default evidente. Uns investidores pensarão que se degradará ainda mais. Parecerá a outros que os problemas são, apenas, passageiros, tudo se recompondo em breve. Outros ainda hesitarão entre estes dois cenários.

 

v      Para quem crê que a situação financeira do Estado devedor só pode piorar, e que a cotação da sua Dívida Soberana não parará de cair, faz sentido efectuar vendas “a descoberto” (short selling):

(1) pedir emprestado um lote [q] desses títulos a quem não pense assim, ou esteja obrigado a mantê-los em carteira (por vezes, acontece);

(2) vender o lote ao preço do mercado à vista [p0];

(3) esperar que a cotação caia ainda mais; (4) recomprar um lote idêntico (são títulos fungíveis) a um preço mais baixo [p1<p0], restituir os títulos que pedira emprestado e encaixar o ganho [=q.(p0-p1)].

 

 

v      É claro que se a cotação desses títulos nunca descer abaixo do preço a que os títulos sejam inicialmente vendidos [p0], o prejuízo numa operação de short selling pode ser substancial. A especulação é isto mesmo: corre o risco de perder (e paga, à cabeça, uma comissão a quem emprestar os títulos) na mira de obter um ganho jeitoso.

v      O apetite por estas operações de venda “a descoberto” é tanto maior:

(1) quanto mais acomodativa for a política monetária (taxas directores muito baixas, liquidez abundante);

(2) quanto maior for a diferença entre as taxas directoras e as rentabilidades que alguns investidores institucionais (Seguradoras “Vida” e Fundos de Pensões) contratam com os seus clientes;

(3) quanto mais problemática for a situação financeira do Estado devedor.

 

v      Malvado especulador é, então, aquele que toma a iniciativa de vender “a descoberto”? Nem por sombras. Quem compra o lote não é menos especulador, pois aposta na subida da cotação a breve trecho – e não é malvado, antes evita que a cotação, pelo menos nesse momento, caia ainda mais. E quem vende mais tarde para permitir o fecho da operação será, quando muito, um especulador desiludido que renuncia ao valor temporal da emissão.

 

v      Visto isto, diga-me Leitor: se eu lhe devesse uma quantia que excede em muito o meu rendimento disponível; se para receber de mim o que eu já devo tivesse de continuar a emprestar-me; se mesmo para eu pagar os juros só com mais dinheiro emprestado; se, para mais, soubesse que sem mais dinheiro ainda eu não sobreviveria – continuaria a tratar-me como se eu fosse um devedor de confiança?

 

v      É que o nosso maior problema não reside na Dívida Soberana acumulada (que é enorme). Reside, sim, em não sabermos ainda onde arranjar o dinheiro que é necessário para pagar os juros que entretanto se vencerem e os deficits orçamentais que estão previstos.

 

v      Afinal, os malvados somos nós - que deveríamos ter tido mais juízo (leia-se: sido melhor governados) todos estes anos.

 

(FIM)

 

 A. Palhinha Machado

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D