Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

Caturrices 24

Ah, Malvados! Então isso faz-se? - II

 

 

v      Chegados a este ponto, será que consegui convencê-lo, Leitor, de que:

-             Os investidores institucionais são como os génios da lâmpada – existem para satisfazer, tant bien que mal, os desejos dos seus clientes quanto a segurança (a preservação do capital investido) e retorno (o rendimento líquido obtido)?

-             Os clientes dos investidores institucionais somos nós - ou é gente como nós?

-             Notações de risco (ratings) credíveis (mas não necessariamente as actuais Agências de Rating) são essenciais à transparência e ao funcionamento responsável dos mercados financeiros?

-             Especulação não é manipulação – os especuladores arriscam na esperança de um ganho legítimo, cientes de que a realidade lhes pode trocar as voltas e infligir-lhes perdas?

-             A manipulação, essa, nunca corre riscos - excepto o de ir para a cadeia, nos regimes jurídicos que a criminalizam?

-             Em condições normais, o diminuto (na proporção) stock de Dívida Soberana portuguesa torna a especulação nestes títulos muito mais arriscada, por serem títulos com pouca liquidez no mercado secundário?

 

v      No mundo da Dívida Soberana (e das Obrigações, em geral), as coisas passam-se sem sobressaltos – se tudo correr bem, naturalmente. Cada emissão, uma vez colocada (mercado primário), percorre sucessivamente três etapas (mercado secundário):

(1) negociada activamente, nos primeiros meses (na gíria, “on-the-run”);

(2) negociada ocasionalmente, no que faltar até ao final do primeiro ano, ano e meio do respectivo prazo (“off-the-run”);

(3) negociada muito raramente até final (“off-off-the-run”).

 

v      E quem investe no mercado primário, nem sempre o faz para manter em carteira até ao vencimento a totalidade dos títulos que subscreve. Aposta, sim, na possibilidade de a cotação subir acima do preço de emissão e proporcionar umas mais-valias a curto prazo. Especula - mas, a priori, nada garante que as contas não venham a sair-lhe furadas.

 

v      Uma vez estabilizada a cotação no mercado secundário (as etapas off-the-run e off-off-the-run), os títulos de uma dada emissão de Dívida Soberana só são transaccionados:

(1) ou por razões específicas dos investidores institucionais (condicionalismos de tesouraria, por exemplo);

(2) ou em resposta às contingências da política monetária (alteração das taxas directoras ou das condições de acesso à liquidez do Banco Central).

 

v      Mas é o que se passar com o Estado emitente que faz com que a Dívida Soberana volte à etapa on-the-run:

(1) umas vezes por boas razões, quando, aos olhos do mercado, a sua situação financeira melhora (o que não é tão infrequente assim);

(2) as mais das vezes por más razões, ao generalizarem-se as dúvidas sobre se ele vai ser, ou não, capaz de pagar.

 

v      Três notas, antes de prosseguir:

-             Os Regulamentos dos Fundos são, regra geral, taxativos quanto ao risco de crédito a que podem estar expostos (“nada abaixo do rating tal”). E os títulos de uma emissão cujo rating deixe de ser compatível com o Regulamento têm de ser imediatamente vendidos, com as consequentes menos valias (para Bancos e Seguradoras, a questão coloca-se mais em termos do rombo que as menos valias provoquem nos Capitais Próprios).

-             No mercado secundário, os títulos de Dívida Soberana são transaccionados pela respectiva cotação – e não, como se ouve e lê, pela taxa de juro. Assim, quando se diz que os juros no mercado secundário estão a subir, isso não significa que o Estado Português esteja a pagar juros mais elevados nas emissões aí transaccionadas. Significa, apenas, que a cotação está abaixo do preço de emissão. E como a Dívida Soberana portuguesa é emitida com taxas de juro fixas: (1) quem compra exige uma taxa de retorno superior àquela com que a emissão passou no mercado primário para correr o risco de as dificuldades financeiras do Estado Português se agravarem (ou, no limite, de este se declarar incapaz de pagar); (2) quem vende aceita suportar uma menos valia para se ver livre desse risco (na gíria, consolida a perda).

-             Quando se diz que a taxa de juro da Dívida Soberana portuguesa atingiu, no mercado secundário, 7%, isso significa que esses títulos foram negociados com uma menos valia de 12% (aprox.) relativamente ao respectivo preço de emissão. Menos valia que salta para os 15% (aprox.) se essa pseudo taxa de juro for de 8%.

 

v      Para o comum dos mortais, investir em Dívida Soberana é sinónimo de manter os títulos em carteira, receber os juros e recuperar o seu capital a tempo e horas - gentileza do Orçamento do Estado devedor, ponto final. Sob este ângulo, nenhum investidor assumiria um comportamento tipicamente especulativo.

 

v      Contudo, a Dívida Pública (em boa verdade, quaisquer títulos, como as acções cotadas) pode também proporcionar ao investidor outro tipo de ganhos, obtidos agora no mercado secundário, à custa, não do Estado devedor, mas de outros investidores. As mais valias na etapa on-the run, acima referidas, são disso um bom exemplo.

 

v      Outro exemplo é quando a situação financeira do Estado devedor dá sinais de se degradar, mas não ao ponto de ser já um default evidente. Uns investidores pensarão que se degradará ainda mais. Parecerá a outros que os problemas são, apenas, passageiros, tudo se recompondo em breve. Outros ainda hesitarão entre estes dois cenários.

 

v      Para quem crê que a situação financeira do Estado devedor só pode piorar, e que a cotação da sua Dívida Soberana não parará de cair, faz sentido efectuar vendas “a descoberto” (short selling):

(1) pedir emprestado um lote [q] desses títulos a quem não pense assim, ou esteja obrigado a mantê-los em carteira (por vezes, acontece);

(2) vender o lote ao preço do mercado à vista [p0];

(3) esperar que a cotação caia ainda mais; (4) recomprar um lote idêntico (são títulos fungíveis) a um preço mais baixo [p1<p0], restituir os títulos que pedira emprestado e encaixar o ganho [=q.(p0-p1)].

 

 

v      É claro que se a cotação desses títulos nunca descer abaixo do preço a que os títulos sejam inicialmente vendidos [p0], o prejuízo numa operação de short selling pode ser substancial. A especulação é isto mesmo: corre o risco de perder (e paga, à cabeça, uma comissão a quem emprestar os títulos) na mira de obter um ganho jeitoso.

v      O apetite por estas operações de venda “a descoberto” é tanto maior:

(1) quanto mais acomodativa for a política monetária (taxas directores muito baixas, liquidez abundante);

(2) quanto maior for a diferença entre as taxas directoras e as rentabilidades que alguns investidores institucionais (Seguradoras “Vida” e Fundos de Pensões) contratam com os seus clientes;

(3) quanto mais problemática for a situação financeira do Estado devedor.

 

v      Malvado especulador é, então, aquele que toma a iniciativa de vender “a descoberto”? Nem por sombras. Quem compra o lote não é menos especulador, pois aposta na subida da cotação a breve trecho – e não é malvado, antes evita que a cotação, pelo menos nesse momento, caia ainda mais. E quem vende mais tarde para permitir o fecho da operação será, quando muito, um especulador desiludido que renuncia ao valor temporal da emissão.

 

v      Visto isto, diga-me Leitor: se eu lhe devesse uma quantia que excede em muito o meu rendimento disponível; se para receber de mim o que eu já devo tivesse de continuar a emprestar-me; se mesmo para eu pagar os juros só com mais dinheiro emprestado; se, para mais, soubesse que sem mais dinheiro ainda eu não sobreviveria – continuaria a tratar-me como se eu fosse um devedor de confiança?

 

v      É que o nosso maior problema não reside na Dívida Soberana acumulada (que é enorme). Reside, sim, em não sabermos ainda onde arranjar o dinheiro que é necessário para pagar os juros que entretanto se vencerem e os deficits orçamentais que estão previstos.

 

v      Afinal, os malvados somos nós - que deveríamos ter tido mais juízo (leia-se: sido melhor governados) todos estes anos.

 

(FIM)

 

 A. Palhinha Machado

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D