Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

DA CRISE SOBERANA

 

Três depoimentos e uma conclusão

 

I

 

George Soros diz no Financial Times (21 Março 2011) o que adiante se resume:

 

A Alemanha tem estado a resgatar os países altamente endividados como forma de proteger o seu próprio sistema bancário. No início do Euro, os bancos alemães foram obrigados a deter dívida soberana por necessidade de reduzir níveis de liquidez interna. Isto produziu um tsunami de crédito nos países periféricos que decidiram fomentar o consumo: - viver à grande, gastar à tripa forra. Sonho de pobre. O resultado foi um crise bancária que pôs em risco sobretudo os bancos alemães. Tornar sacrossanta a dívida soberana interessa antes do mais aos financeiros alemães. É a forma de se salvarem.

 

Os diferentes Estados da Eurolândia formaram opiniões bastante diferentes da crise e as suas políticas reflectem mais essas opiniões do que uma visão do interesse nacional e, menos ainda, interesse colectivo europeu. A Alemanha tem sido hábil ao fazer esquecer que a crise não é apenas soberana mas sobretudo cambial e bancária. O problema porém é que as diferenças de opinião persistem e, a seu tempo, degeneram em conflito.

 

Soros propõe:

 

1- Colocar os bancos em pé de igualdade como os Estados e submetê-los também a fiscalização central europeia.

 

2 - Permitir os eurobonds, como solução de emergência. Assim os países deficitários não serão imediatamente asfixiados e poderão - mediante trabalho e austeridade - sair do buraco em que caíram.

 

II

 

Hans Werner Sinn presidente do International Financing Office, em declarações ao Económico de 20 de Março dizia:

 

" Claro. O problema está nos dois lados. O fluxo de capital ia da Alemanha para a periferia. Irlanda, Portugal, Espanha e Grécia faziam parte dos países que investiam e consumiam o crédito que vinha da Alemanha. Este fluxo de crédito criou um ‘boom' e um défice externo nesses países. A Alemanha ficou para trás. As importações foram esmagadas, os preços e os salários cresceram pouco e isso trouxe um excedente nas contas externas. Este processo está a chegar ao fim".

 

III

 

Em entrevista ao PUBLICO (17 corrente), Amartya Sem, Nobel da Economia põe a claro com total simplicidade e relevância que o erro da abordagem regeneradora reside no timing da acção: o «médico» entrou a matar quando o doente estava debilitado; em vez disso, deveria ter fixado objectivos e dilatado o prazo para a sua execução.

 

+++

 

Temos pois que "o facto de estarmos errados não significa que os outros estejam certos".

 

 Luís Soares de Oliveira.bmp Luís Soares de Oliveira

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D