Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

DA CRISE SOBERANA

 

Três depoimentos e uma conclusão

 

I

 

George Soros diz no Financial Times (21 Março 2011) o que adiante se resume:

 

A Alemanha tem estado a resgatar os países altamente endividados como forma de proteger o seu próprio sistema bancário. No início do Euro, os bancos alemães foram obrigados a deter dívida soberana por necessidade de reduzir níveis de liquidez interna. Isto produziu um tsunami de crédito nos países periféricos que decidiram fomentar o consumo: - viver à grande, gastar à tripa forra. Sonho de pobre. O resultado foi um crise bancária que pôs em risco sobretudo os bancos alemães. Tornar sacrossanta a dívida soberana interessa antes do mais aos financeiros alemães. É a forma de se salvarem.

 

Os diferentes Estados da Eurolândia formaram opiniões bastante diferentes da crise e as suas políticas reflectem mais essas opiniões do que uma visão do interesse nacional e, menos ainda, interesse colectivo europeu. A Alemanha tem sido hábil ao fazer esquecer que a crise não é apenas soberana mas sobretudo cambial e bancária. O problema porém é que as diferenças de opinião persistem e, a seu tempo, degeneram em conflito.

 

Soros propõe:

 

1- Colocar os bancos em pé de igualdade como os Estados e submetê-los também a fiscalização central europeia.

 

2 - Permitir os eurobonds, como solução de emergência. Assim os países deficitários não serão imediatamente asfixiados e poderão - mediante trabalho e austeridade - sair do buraco em que caíram.

 

II

 

Hans Werner Sinn presidente do International Financing Office, em declarações ao Económico de 20 de Março dizia:

 

" Claro. O problema está nos dois lados. O fluxo de capital ia da Alemanha para a periferia. Irlanda, Portugal, Espanha e Grécia faziam parte dos países que investiam e consumiam o crédito que vinha da Alemanha. Este fluxo de crédito criou um ‘boom' e um défice externo nesses países. A Alemanha ficou para trás. As importações foram esmagadas, os preços e os salários cresceram pouco e isso trouxe um excedente nas contas externas. Este processo está a chegar ao fim".

 

III

 

Em entrevista ao PUBLICO (17 corrente), Amartya Sem, Nobel da Economia põe a claro com total simplicidade e relevância que o erro da abordagem regeneradora reside no timing da acção: o «médico» entrou a matar quando o doente estava debilitado; em vez disso, deveria ter fixado objectivos e dilatado o prazo para a sua execução.

 

+++

 

Temos pois que "o facto de estarmos errados não significa que os outros estejam certos".

 

 Luís Soares de Oliveira.bmp Luís Soares de Oliveira

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D