Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

POSTAIS ILUSTRADOS L

 (*)

Libertação do influxo diabólico

 

 

 

Requiem por um sonho. Um País à deriva…

 

 

Convém não perder de vista o essencial.”

A. Palhinha Machado, do artigo sob o título

“DA MÁQUINA PARA O HOSPÍCIO – XV”,

Blogue, “A Bem da Nação”,

14 de Dezembro de 2011

 

Rapaz, aquilo que começou com flores,

vai acabar mal. Apareceram, de repente,

do nada, muitos “antifascistas encartados”

e “democratas de pincel”...

O desenvolvimento, acartado pelo progresso

inevitável, trará sofrimento e desumanidade,

se for feito sem controlo e por oportunistas

incompetentes.”

Pio Santiago

 

 

Eis a grande máxima que, este autor de textos literários, o Dr. Palhinha Machado, nos recorda: “não perder de vista o essencial”. Mas, não há volta a dar-lhe: estamos perdidos!

 

“Remoem hoje, amanhã, sempre, as mesmas palavras vulgares, para não pronunciarem as palavras definitivas.” (1)

 

Estamos perdidos! A nós, como Povo, não nos dizem coisa alguma em definitivo, nem nós temos a coragem de exigir e tomar decisões definitivas.

 

Os adiamentos, os atrasos das decisões essenciais, resultam numa catarse silenciosa e o cheiro pútrido dos gases do sistema político, assalta-nos as narinas.

 

“Aqui não andam só os vivos - andam também os mortos… todos os dias os mortos se misturam à nossa vida” (2)

 

Passámos ao estado vergonhoso da incúria pública e indeterminada por haver responsabilidades e responsáveis sem rosto que vivem da burocracia e da tecnocracia, (irmãs gémeas), que alimentam os incompetentes que vivificam nos serviços públicos e são protegidos pela classe política em troca de um voto miserável, oportunista e sandeu. Refiro-me ao caso dos idosos encontrados nas suas casas já cadáveres. É necessário um produto natural para depurar, aquele produto natural que elimina as gorduras… O Estado está gordo e engorda muita gente…

 

E o tal produto depurante, bem podia ser aquele rasgo popular bem português de 1640! Venham as fiandeiras do Porto com as maçarocas e as pedras, para alertar o Estado, este Ente gastador descontrolado, indisciplinado e alheio às dificuldades concretas do Povo, submetendo-o a taxas, entre Ministérios e Autarquias, que se duplicam todos os dias, apesar de tal prática ser inconstitucional…

 

Restauremos o 25 de Abril de 1974, mas, desta vez, com saneamentos sérios dos comprovadamente corruptos, não saneamentos ideológicos, nem manipulados por votações de braço no ar, (todos temos direito à Liberdade de Pensamento conquistada pelos Militares de Abril e ao segredo do voto.). Usando as maçarocas das fiandeiras do Porto, mocas de Rio Maior e paus de Trás-os-Montes, manuseados por pauliteiros competentes, podemos restaurar a Democracia, a verdadeira, a única tolerável, com Partidos, mas sem ditadura partidocrática.

 

Exijamos a presença e estimulemos a presença de políticos novos, inteligentes e honestos para conduzirem o país e estabeleçamos, logo à partida, a seguinte regra: “Quem estiver em lugares públicos de desempenho político mais de 25 anos, reforma-se e dá lugar a outros”. Uma sugestão aos Ministros do Trabalho e Segurança Social e da Administração Interna: Srs. Ministros, V. Exas. criam uma pareceria com as Autarquias e põem esta gente a trabalhar como voluntários em equipas de contacto de proximidade a apoiar os idosos solitários e, em resultado, chamam à responsabilidade os familiares directos pelo acompanhamento dos seus velhos, propondo a criação, no ordenamento penal português, da figura do crime de abandono de familiar idoso. Se o Sr. Primeiro-Ministro quiser até faço o texto do artigo e não cobro nada por isso.

 

Como escreveu Mário Crespo, esta gente deve-me muito dinheiro. É altura de pagar, saindo da vida pública política da engorda e passando ao trabalho voluntário a bem da comunidade. Se os Srs. Ministros não sabem fazer isso, eu apresento um esquema em projecto ao Sr. Primeiro-Ministro, com exemplos e tudo, e faço de graça.

 

O essencial é não perder o essencial de vista, para não virmos amanhã a cantar uma missa de defunto ao sonho de 1974 e podermos regressar conscientemente à rota do caminho marítimo para a Democracia.

 

Isto que agora temos é que é coisa nenhuma…

 

Fico-me, por aqui, deixando-vos com Winston Churchill: “Os homens tropeçam por vezes na verdade, mas a maior parte torna a levantar-se e continua depressa o seu caminho, como se nada tivesse acontecido.”

 

Luís Santiago(3) Luís Santiago

 

(*)http://www.derradeirasgracas.com/2.%20Segunda%20P%C3%A1gina/As%20Grandiosas%20Ora%C3%A7%C3%B5es/Ora%C3%A7%C3%A3o%20para%20pedir%20a%20Deus%20a%20liberta%C3%A7%C3%A3o%20do%20influxo%20diab%C3%B3lico.htm

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D