Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CATURRICES 22

 (*)

SAIR DA CRISE A NAVEGAR E A VOAR - XIX

 

 

 Não restam dúvidas de que o Brasil é, e será, o Estado ribeirinho dominante no Atlântico Sul – onde projecta uma presença assaz discreta, diga-se de passagem. Mas isso não chega para fazer de “el charco” (é assim que os argentinos se referem carinhosamente ao oceano) um pólo geoestratégico. Terá de haver parceiros à altura na margem oposta.

 

 Angola é o primeiro candidato que vem à ideia, apesar das suas actuais debilidades. Mas, para tal, são imprescindíveis:

(1) portos marítimos eficientes ligados ao interior do continente (para Norte, para Leste e para Sul) por ferrovias capazes;

(2) e um hub intercontinental que satisfaça os padrões internacionais da aviação comercial.

 

 Uma possibilidade que desaparecerá se esse hub vier a ser localizado na Zâmbia (Lusaka?). Se isso acontecer, Angola ficará, no melhor dos cenários, como um território:

- Por onde transitam mercadorias;

- Que gera, apenas, procuras de transporte aéreo que aí tenham origem ou destino (designadas por “procuras locais” de transporte aéreo);

- Remetido para a periferia distante dos pólos geoestratégicos, em cujos mercados a sua economia (dos minérios à produção agro-pecuária, a indústria ainda vem longe) terá de competir onerada pela distância;

- Totalmente dependente do que acontecer nos restantes países da SADC (Southern African Development Community).

 

 A oferta de transporte aéreo (passageiros e carga) à roda do Globo está hoje perfeitamente estruturada em torno de 3 Grupos (indico, para cada um deles, as companhias aéreas de referência no Atlântico Sul, apenas): Sky Team (Air France/KLM), One World (British Airways, IBERIA, LanCHILE), Star Alliance (TAP e, em menor escala, Lufthansa).

 

 O que não está ainda completada é a rede mundial de aeroportos, que será formada por hubs intercontinentais, hubs regionais e aeroportos locais (escrevi sobre isto no semanário “O Independente”, entre Janeiro e Março de 2006, e nas Curtinhas 36 a 40 e 42 a 48, entre Abril e Setembro de 2007).

 

 Para atingir a máxima rentabilidade numa rota intercontinental (ou “de longo curso”) é determinante que o tempo de viagem, em condições normais de voo, não exceda 9 ½ horas. Só assim:

(1) uma aeronave poderá fazer diariamente uma rotação completa (ida e volta no mesmo dia), já contando com pequenos imprevistos;

(2) será possível minimizar, simultaneamente, o custo imputado da aeronave e o custo da permanência em aeroportos.

 

 9 ½ horas é o tempo médio de viagem entre S. Paulo (ou Rio de Janeiro) e Lisboa (Portela ou Alcochete). Para Madrid (Barajas) há que adicionar 50-55 minutos - e para Paris (Charles DeGaulle ou Orly) ou Londres (Heathrow ou Gatwick) mais 2 ¼ horas (aprox.).

 

 Uma vez que S. Paulo é (porque reúne todas as condições para ser) o hub intercontinental de referência na América do Sul, a rota transoceânica S.Paulo/Lisboa é a que permite o menor custo por lugar oferecido – um custo significativamente inferior aos das rotas que têm no outro extremo Madrid, Paris ou Londres. E a TAP (sem concorrência nessa rota, após o desaparecimento da VARIG) tem tirado bom proveito disso (com preços exorbitantes, forçoso é reconhecer).

 

 Por outra parte, é de prever que a tecnologia na aviação comercial conheça, no futuro próximo, substanciais avanços nos vectores “fiabilidade”, “capacidade/payload” e “consumo/poluição”, mas não quanto a “velocidade de cruzeiro” – pelo que o raciocínio acabado de expor deve permanecer válido, mesmo com a nova geração de aeronaves.

 

 A rota Lisboa/Luanda (mas poderia se Lisboa/Saurimo ou Lisboa/Huambo) fica confortavelmente aquém das 9 ½ horas (e a TAP faz uma rotação completa/aeronave). Tal como não excedem essa duração limite as rotas Madrid/Lusaka (One World) ou Paris/Lusaka (Sky Team).

 

1ª conclusão (óbvia): um hub intercontinental da África Austral localizado em território angolano só terá vantagens competitivas se existir um hub intercontinental em Lisboa.

 

2ª conclusão (não tão óbvia): o pólo geoestratégico do Atlântico Sul só surgirá se o hub intercontinental da África Austral ficar localizado em território angolano.

 

3ª conclusão (ainda menos óbvia, mas perfeitamente demonstrável): o pólo do Atlântico Sul conferirá à economia portuguesa uma posição de charneira incontornável (entre a Europa a América do Sul e a África Ocidental), tanto para passageiros como para mercadorias (uma espécie de EUA em ponto pequenino, irrepetível noutra qualquer parte do mundo).

 

4ª conclusão (igualmente demonstrável): se o pólo do Atlântico Sul não conseguir ganhar expressão, a economia de Angola perde (remetida como fica a uma posição periférica na SADC) e será mais difícil rentabilizar plenamente o hub intercontinental de Lisboa.

 

5ª conclusão (não menos demonstrável): a maior vantagem que o pólo do Atlântico Sul terá para oferecer ao Brasil consiste no preço das passagens aéreas de e para a Europa Ocidental - pelo que não é de esperar que esta perspectiva lhe desperte um entusiasmo por aí além.

 

6ª conclusão (óbvia): sem o pólo do Atlântico Sul o primeiro perdedor, entre nós, mas longe de ser o único, será a TAP, que terá mais dificuldade para se afirmar como membro proeminente do exclusivo clube dos carriers intercontinentais.

 

7ª conclusão (óbvia): os estudos que fundamentam o NAL, na medida em que colocam a tónica nas procuras locais de transporte aéreo e ignoram a função hub intercontinental, são completamente inúteis para o que interessa decidir.

 

8ª conclusão (também óbvia): Jo’burg não deverá manter a posição de hub intercontinental para a África Austral por muitos mais anos.

 

9ª conclusão (de palpite): Brasil e Angola são dois países unidos pela língua, com interesses comuns em quase todas as actividades económicas (nomeadamente na agricultura e pecuária), mas que o petróleo tende a separar – por isso, o pólo do Atlântico Sul necessita de ser triangular, cabendo ao vértice português, desde logo, assegurar que a ligação (por mar e pelo ar) dessa área à Europa Ocidental seja optimizada.

 

 Resta a pergunta fatal: neste contexto multipolar, o NAL será, ou não, mais um “elefante branco”?

 

 Neste momento, não tenho condições de responder com segurança. Mas, caro Leitor, se quiser ter a resposta, não encomende estudos a consultores de grande prestígio internacional - que só perde tempo e dinheiro:

- Meta-se no avião (de preferência acompanhado por alguém qualificado da TAP);

- Vá à sede da Lufthansa (Star Alliance) e pergunte se lhes interessa dispor de um hub intercontinental em Portugal (isto é, que volume de tráfego preveriam passar por aqui) e em que condições;

- Se a resposta for positiva (como aposto que será), no regresso passe por Paris e faça as mesmas perguntas à Sky Team;

- Baseado nas previsões de tráfego assim recolhidas, estimar as receitas potenciais do NAL está ao alcance de uma simples folha de cálculo – e o custo máximo admissível para o investimento ficará logo claramente determinado;

- Assegurar a cobertura financeira do investimento (sempre que aquele custo máximo seja respeitado), tendo presente as utilizações previstas por Star Alliance e Sky Team, é coisa para uma meia dúzia de telefonemas, não mais – sem que o Estado gaste 1 ¢.

 

 Complicado? Só se o Governo quiser:

- Sobrecarregar o investimento (que pouco terá a ver com as procuras locais de transporte aéreo) com uma ponte exuberante num local pouco apropriado (quando um túnel, um pouco mais a montante do rio, é a solução apropriada).

- E, de caminho, imitar Salazar quando ele decidiu, de dedo em riste: “Quero obra que se veja. Ponte!”. E é assim que hoje nos orgulhamos da Ponte sobre o Tejo.

 

FIM 

 

 A.PALHINHA MACHADO

 

(*)http://www.google.pt/imgres?imgurl=http://www.wings900.com/cms/images/stories/jreviews/32204_TAP01_1227063164.jpg&imgrefurl=http://www.wings900.com/cms/reviews/commercial/herpa-wings-tap-a340-1-500.html&usg=__2Z0i8IVYJgfW395knYIM3hgdlH8=&h=394&w=800&sz=42&hl=pt-pt&start=60&zoom=1&tbnid=n3nQBk6lafFpKM:&tbnh=127&tbnw=258&ei=M9hkTfDMKMKu8gP8neHvBg&prev=/images%3Fq%3Dtap%2Bportugal%26um%3D1%26hl%3Dpt-pt%26sa%3DN%26biw%3D1007%26bih%3D681%26tbs%3Disch:10%2C2757&um=1&itbs=1&iact=hc&vpx=405&vpy=213&dur=171&hovh=157&hovw=320&tx=108&ty=98&oei=DthkTbH7JYLsOYe_-d4F&page=6&ndsp=10&ved=1t:429,r:1,s:60&biw=1007&bih=681

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D