Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CATURRICES 21

  (*)

 

SAIR DA CRISE A NAVEGAR E A VOAR - XVIII

 

 Como assim? Num momento como este, de sufocante aperto financeiro, quando parece que nada saiu certo nestes últimos vinte anos, vir defender o NAL, um óbvio “elefante branco”? É mais um que a crise ensandeceu!

 

 Calma, Leitor, eu explico. Mas terá de ter a paciência de me acompanhar numa longa caminhada.

 

 Com a Conferência de Berlim (1885), o mundo passou a ter, pela primeira vez na História, um único centro de gravidade: a Europa Ocidental. A 1ª GG (com a ajuda da Grande Depressão de 1929-33) vai deslocá-lo mais para o Ocidente, para o Atlântico Norte – nada de mais. E por lá se manteve até ontem.

 

 Mesmo com o surgimento económico do Japão, nos anos ‘60, e, mais recentemente, dos Tigres Asiáticos, o epicentro do mundo continuava a ser o Atlântico Norte:

(1) era para lá que confluía o capital financeiro;

(2) era de lá que partiam os grandes fluxos de investimento;

(3) era a procura aí gerada que justificava tecnologias e absorvia excedentes.

 

 A entrada em força da China (e, em menor escala, da Índia) no comércio mundial e a crise financeira de 2007/2009 puseram fim a este estado de coisas – apanhando de surpresa Europa Ocidental e EUA, que tinham a situação de privilégio por imutável e eterna.

 

 É banal afirmar, agora, que está em gestação um mundo multipolar. Mas já terá interesse investigar o que é que isso significa para nós, portugueses. E, como veremos, significa muitíssimo.

 

 Desenham-se presentemente quatro pólos geoestratégicos caracterizados pelas manchas de maior intensidade na movimentação de capitais, mercadorias e serviços (mas não tanto, de pessoas):

- O que vem do passado, o Atlântico Norte – e que continuará a ter o inglês como língua franca;

- O Pacífico Norte, que promete ser o mais pujante no futuro próximo – também com o inglês (aqui made in USA) como língua franca;

- O Índico Oriental, que se encontra ainda em embrião, a aguardar que a Índia desponte em força – de novo, o inglês (ou, talvez, o “Hinglish”) como língua franca;

- O Atlântico Sul, envolvendo a África Ocidental e praticamente toda a América do Sul – que ainda hesita entre o inglês e o português (falta à língua castelhana uma presença forte na África Ocidental para ser um candidato a língua franca com hipóteses).

 

 Nesta nova arquitectura mundial:

(1) os EUA continuarão a dominar - já que serão a única potência a integrar dois pólos (o Atlântico Norte e o Pacífico Norte) e a ter um outro (o Atlântico Sul) ao alcance do braço;

(2) e a Rússia, uma super-potência do passado recente, será remetida, de novo, para uma posição periférica. Mas é o pólo do Atlântico Sul que aqui interessa (pelo menos tanto quanto interessa ao Governo dos EUA).

 

 O Atlântico Sul tem por alicerces “naturais” o Brasil (a Ocidente) e Angola (a Oriente). Com dois arquipélagos (Cabo Verde e São Tomé e Príncipe) a servirem de barreira de contenção (numa espécie de cobertura à zona) a outros candidatos ribeirinhos bem posicionados para determinar a geometria deste pólo: Senegal, Guiné/Conakri e, principalmente, Nigéria (pela dimensão populacional e pela riqueza em combustíveis fósseis).

 

 A África do Sul encontra-se demasiado distante do Atlântico Norte e do Pacífico Norte, e não conseguiria dar resposta economicamente satisfatória ao problema da movimentação de mercadorias de e para o interior do continente africano.

 

 Angola, Brasil, Cabo Verde e S.Tomé, países de língua portuguesa. Senegal e Guiné/Conakri (com fracos argumentos a favor, até porque estão localizados muito a Norte), de língua francesa (com nulas hipóteses para se tornar a língua franca deste pólo). Nigéria, cuja língua oficial é o inglês - que se imporá, fatalmente, como língua franca, caso seja este país, e não Angola, a economia dominante na margem oriental do Atlântico Sul.

 

 Neste pólo, o Brasil tem lugar cativo:

(1) nenhum outro país lhe disputa a dominância na margem ocidental do Atlântico Sul (a Argentina está demasiado a Sul);

(2) dispõe de uma base industrial importante, inovadora, competitiva e muito dinâmica;

(3) é rico em minerais e em combustíveis fósseis (ainda que de difícil acesso e com custos de extracção muito altos);

(4) acima de tudo, domina como ninguém a agricultura e a pecuária tropicais (ou de “cerrado”) - o que lhe permite produzir grandes volumes de excedentes alimentares exportáveis e o torna parceiro privilegiado no desenvolvimento dos países da África a Sul do Sahara.

 

 Angola:

(1) também é excepcionalmente rica em combustíveis fósseis e numa vasta gama de minérios (diamantes, ferro, prata, areias finas, etc.);

(2) tem bons portos naturais;

(3) dispõe de excelentes pesqueiros;

(4) possui o que são, talvez, as últimas grandes extensões de solos férteis ainda por cultivar;

(5) e, mais que tudo, tem em abundância a água que falta ao cone sul de África.

 

 Mas tem contra ela o facto:

(1) de ser deficitária em bens de toda a ordem (sobretudo, alimentares) que tem de importar;

(2) de se encontrar numa fase muito preliminar de um processo de desenvolvimento económico que tem sido gerido de forma algo inconsequente;

(3) de carecer de base industrial;

(4) de, por lá, ser ainda ténue a segurança jurídica. Nada disto é irresolúvel, mas vai demorar o seu tempo a resolver.

 

 Outros alicerces possíveis para o pólo do Atlântico Sul, no caso de Angola não oferecer condições suficientes, são:

(1) a Nigéria – que lhe proporcionaria uma configuração típica, onde predominariam os hubs de transporte marítimo de mercadorias;

(2) a Zâmbia – que, por ser um país interior, descaracterizaria o Atlântico Sul como verdadeiro pólo geoestratégico, ficando, então, tudo como até agora (os países do Atlântico Sul manteriam ligações de periferia com os dois pólos já em actividade: Atlântico Norte e Pacífico Norte).

 

 Apesar de todas as suas fragilidades, Angola tem um trunfo forte para jogar: a sua localização geográfica – ideal para a concentração e distribuição de pessoas (transporte aéreo) e mercadorias (transporte marítimo) em viagens intercontinentais.

 

 Os seus portos marítimos são incontornáveis para as economias do interior do continente africano a Sul do Equador, até mesmo para a ligação da África do Sul ao Atlântico - assim existam ferrovias fiáveis. E na região do Golfo da Guiné, são vários os portos candidatos a desempenhar essa função em benefício das economias circunvizinhas.

 

 A sorte do Atlântico Sul como pólo geoestratégico depende, então, da capacidade de Angola criar um hub intercontinental para o transporte aéreo de passageiros – que pode ser: em Luanda, em Huambo (antiga Nova Lisboa) ou em Saurimo (antiga Henrique de Carvalho). Seria o hub da margem oriental do Atlântico Sul – de par com Rio de Janeiro e S. Paulo, na contra-margem.

 

 É aqui que entra em cena o NAL.

 

(cont.)

 

 

  A.PALHINHA MACHADO

 

 

(*)http://g.imagehost.org/0681/1055229.jpg

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D