Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CATURRICES 20

 

DA MÁQUINA PARA O HOSPÍCIO - XVII

 

 A análise das causas que nos trouxeram à situação actual mostra o que há a fazer:

- Atenuar as consequências de uma “bolha” de crédito bancário que implodiu;

- Desmobilizar as actividades que só prosperariam enquanto perdurassem a “bolha” de crédito bancário e o desgoverno da Despesa Pública;

- Promover a transição para o modelo económico centrado na satisfação da procura externa – do modo mais suave possível, mas que será sempre penoso.

 

 E tudo isto tendo como pano de fundo:

- A redução da Dívida Externa (do Estado e dos Bancos de cá, mais destes que daquele) em valores absolutos;

- A obtenção de excedentes orçamentais primários (isto é, antes dos encargos financeiros com a Dívida Pública) não inferiores a 4% do PIB.

 

 Destaco as seguintes medidas (sem a preocupação de ordenar por grau de prioridade, muito menos de ser exaustivo):

- Instituir uma Bolsa para o retalho (isto é, a negociação de pequenos lotes) dos títulos de Dívida Pública, com custos de transacção simbólicos – para dinamizar o interesse dos pequenos investidores residentes.

- Colocar a Dívida Pública por leilão competitivo (como hoje acontece), mas evitando a “maldição do vencedor” (ou seja, fixando a taxa de juro da emissão na taxa mais alta pedida e que seja satisfeita) – para aumentar a liquidez e reduzir o custo dos capitais oferecidos (por estranho que pareça).

- Traçar um novo quadro jurídico para a insolvência das empresas:

  (1) que não presuma, à partida, a culpa do empresário – para motivar a iniciativa empresarial consciente e honesta;

  (2) que evite que os bens físicos da massa insolvente se degradem até se tornarem lixo – para não transformar uma questão meramente jurídica numa perda de riqueza (a redução do produto potencial);

  (3) cujos trâmites processuais sejam expeditos – para reforçar a segurança jurídica da actividade económica.

- Uma nova Lei do Arrendamento – para facilitar a mobilidade geográfica sem a qual o novo modelo económico (com ou sem FMI/FEEF) nunca sairá do papel.

- Instituir Bolsas Municipais de Imóveis, quer para venda, quer para arrendamento – a fim de:

  (1) dar transparência a um mercado que continuará a ter um peso importante na economia;

  (2) apoiar os Bancos de cá na gestão das suas carteiras de créditos hipotecários numa conjuntura de crise profunda;

  (3) potenciar os efeitos anti-cíclicos da política fiscal.

- Promover activamente a ocupação harmoniosa do território nacional – para evitar os sobrecustos da concentração urbana e a desertificação do interior (reduzindo, assim, alguns dos mais pesados “custos de contexto”).

- Organizar mercados de 1ª transacção de bens alimentares - para que, ao cabo de oito séculos, o risco de mercado deixe de recair por inteiro sobre os produtores.

- Acabar com o prémio fiscal ao endividamento das empresas e, paralelamente, reduzir a taxa de IRC para 10% / 12.5% (as contas são fáceis de fazer) – para:

  (1) atrair, de forma selectiva, IDE;

  (2) desincentivar o sobre-endividamento crónico das empresas portuguesas;

  (3) reduzir o risco implícito na economia portuguesa (e, por arrastamento, ajudar os Bancos de cá a sobreviver ao período de transição).

- Converter o IRC em “imposto de actividade”, com colecta mínima e uma base tributável diferente – para que passe a ser considerado pelas empresas como um custo recorrente e previsível, em razão do ambiente de segurança jurídica que lhes é proporcionado.

- Liquidar o IRS classe de rendimento a classe de rendimento, e não com base no rendimento global – para:

  (1) eliminar a exorbitância de algumas taxas de tributação marginais (quando o rendimento colectável muda de classe);

  (2) contrariar a “greve do contribuinte” (quando este renuncia a um maior rendimento nominal para não ser atingido por uma taxa de imposto mais elevada).

- Instituir um imposto nivelador (em que a taxa do imposto é igual à diferença, se positiva, entre uma taxa nominal de referência e a taxa efectiva da operação em causa) sobre os fundos tomados pelos Bancos nos mercados interbancários – para:

  (1) evitar, ab ovo, novas “bolhas” de crédito bancário;

  (2) gerar receitas fiscais “virtuosas”.

- Eliminar, de vez, a tradicional cumplicidade Supervisor/Supervisionado no sistema bancário e aplicar rigorosamente os princípios prudenciais que Basileia 2 veio consagrar – para que os Bancos de cá sejam, de novo, sólidos, financeiramente estáveis e fiáveis.

- Instituir um esquema de seguro de créditos à exportação que funcione – para que as actividades exportadoras possam competir de igual para igual nos mercados externos.

- Substituir o “Estado produtor” de serviços de interesse público (como os cuidados de saúde e a educação) pelo “Estado financiador e regulador” – para libertar o Governo do fardo que é gerir a oferta (e os asfixiantes problemas de pessoal) e centrá-lo na regulação e na disciplina da procura (não esquecer que se trata de serviços gratuitos, ou com preços simbólicos).

- Atribuir a qualidade jurídica de “funcionário público”, apenas, às tradicionais funções de Soberania, com a restante Administração Pública abrangida pela lei geral – para que, por fim, o contribuinte deixe de ser refém de uma multiplicidade de interesses particulares e corporativos.

- Tornar o aparelho judicial mais eficiente na resolução de conflitos cíveis – para reduzir alguns outros “custos de contexto” que também pesam.

- Mais do que uma revisão profunda das leis laborais, um outro modo de conceber o contrato de trabalho (tema para um próximo escrito, numa outra colecção, “Heresias”);

 

 Infelizmente, não tenho muitas sugestões quanto a actividades exportadoras, para lá de:

- Fazer dos portos marítimos (Sines, Aveiro, Leixões) verdadeiros hubs transoceânicos, com ligações ferroviárias rápidas ao hinterland ibérico e à Europa transpirenaica para o transporte de mercadorias;

 

NOTA 1: Por isso, o absurdo de um TGV cuja finalidade única é transportar pessoas, e não mercadorias, entre Lisboa e Madrid, estação terminal.

 

NOTA 2: O que nenhum Governo espanhol verá com bons olhos, pois tem projectos concorrentes para os portos de Cádis (linhas transatlânticas) e de Málaga (linhas Mediterrâneo/Suez).

 

- Iniciar (fundos marinhos) ou recuperar (pescas) a exploração económica da ZEE alargada (é para protegê-la que são indispensáveis os submarinos - e os actuais dois até são poucos para o efeito; cinco seria o ideal);

- Construir um hub de voos intercontinentais (o NAL, que uma “ponte-que-deveria-ser-túnel” derrotou), sem desactivar o Aeroporto da Portela (porque está orientado para segmentos diferentes da aviação comercial).

 

(cont.)

 

A.PALHINHA MACHADO

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D