Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

A ESCRAVIDÃO NO BRASIL

 

 

M. Rugendas : Nègres à fond de cale d’un bateau d’desclaves.

Fonte: Wikipédia

 

Pela humanidade execrada, existente desde os primórdios das civilizações, com características inerentes à cultura e motivação dos povos que a exerceram, a escravidão foi um sistema socioeconómico coercivo que utilizava a competência física ou intelectual do homem cativo em guerras e assaltos, pelo seu dono ou senhor, para adquirir algum tipo de bem, seja financeiro ou de prestação de serviços.

 

Com a descoberta do Novo Mundo e a tentativa de fazê-lo economicamente viável, para os povos que tinham terras conquistadas e pouca gente para ocupá-las (portugueses, espanhóis, holandeses, franceses, ingleses) o emprego da escravidão foi a solução primitivamente encontrada. Assim começou a escravidão na América. O tráfico de escravos inicialmente com o monopólio português, logo foi superado pelos concorrentes. Até que os ingleses não o julgaram mais necessário, quando a economia inglesa tomou outros rumos mais eficientes e supostamente humanitários. Era a maquina tomando a vez do trabalho escravo, mas sempre precisando de gente para manipulá-la ou gerenciá-la. Com ela veio outro tipo de escravidão, a que a sociedade industrial desenvolveu.

 

Era basicamente através das Feitorias instaladas nas costas da África (Arguim e São Jorge da Mina), no escambo com os sobas, que os portugueses adquiriam escravos. Pervertidamente estimulados pelas ofertas portuguesas (protecção armada, panos, armas, açúcar, cachaça, enfeites,...), os reis africanos trocavam prisioneiros de guerras tribais ou das caçadas (às vezes ajudados pelos portugueses), pelos bens que aumentavam seu prestígio, vaidade e poder.

 

No Brasil, como a escravidão ameríndia não deu resultados (dificuldades na captura dos índios, alto índice de mortalidade, dificuldade de aculturação de uma sociedade indígena estruturada, protecção da Igreja) a solução portuguesa foi buscar na África material humano para o trabalho. Fisicamente mais resistentes, os africanos suportaram, apesar das muitas perdas de vida, as longas e insalubres travessias, os bárbaros castigos, as duríssimas condições de vida. Socialmente desterrados e desestruturados, pelo Vaticano ignorados como seres sem alma, e sem direito à liberdade, foi mais fácil para os colonos luso-brasileiros utilizá-los. A escravidão africana, no Brasil, propiciou a produtividade (mineração, plantação de cana de açúcar, algodão, tabaco, café, manuseio de gado) e desenvolvimento (mão de obra rural e urbana, serviços gerais), e foi elemento fundamental na formação genética e cultural do povo brasileiro.

 

Mª Eduarda Fagundes 2010.jpg Maria Eduarda Fagundes

 

Uberaba, 24 de Janeiro de 2011

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D