Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

OLHAR O PASSADO

 

 

Nos últimos dias encontrei dois exemplos antagónicos de lidar com a crise, que merecem ser contados.

 

A meio da semana, um homem de quarenta e poucos anos, com fracas habilitações e especializado em arranjos caseiros queixava-se de lhe ter sido retirado o subsídio de desemprego. Perante este cenário, a reacção foi: "E agora não sei como é que eles querem resolver a situação”.

 

A possibilidade de aceitar um trabalho, ainda que não remunerado de acordo com os antigos critérios ou com um contracto seguro, estava para este homem liminarmente afastada.

 

Poucos dias depois, outra pessoa comentava que quem agora fala de crise não sabe o que foi há 35 anos perder toda uma vida construída em Africa e recomeçar do zero num país longínquo. Para essa pessoa, a crise de que agora falamos é uma crise relativa. Nestes dias, como nos anos 70, temos muito a aprender com estas pessoas que com a sua coragem e determinação ajudaram a reconstruir Portugal. Para estes não houve subsídios nem outras regalias e nem por isso o seu e o nosso futuro ficou hipotecado. Talvez esta crise tenha o mérito de tornar os portugueses mais adultos e responsáveis, porque essa foi uma tarefa que nem o 25 de Abril nem a adesão à Europa conseguiram cumprir por estas bandas.

 

 (*)

Raquel Abecasis

 

RR on-line 17-01-2011 08:20

 

(*) http://www.google.pt/imgres?imgurl=https://1.bp.blogspot.com/_Nb2KSfZleRw/TRuxm62Q-vI/AAAAAAAABDM/wWyyT0-TdTk/s1600/Raquel-Abecasis.jpg&imgrefurl=http://ensgaia.blogspot.com/2010/12/aborto-hora-de-reabrir-discussao.html&usg=__pF4TumQfcqwIVmqsL27oQ7XGxAY=&h=225&w=400&sz=14&hl=pt-pt&start=0&sig2=4-pjyvubbHCEGtwepblnYw&zoom=1&tbnid=Tyt62V5Wr-7FSM:&tbnh=98&tbnw=175&ei=66I6Ta3SIor5sgb7woD1Bg&prev=/images%3Fq%3DRaquel%252BAbecasis%26um%3D1%26hl%3Dpt-pt%26sa%3DN%26biw%3D1007%26bih%3D681%26tbs%3Disch:1&um=1&itbs=1&iact=rc&oei=66I6Ta3SIor5sgb7woD1Bg&esq=1&page=1&ndsp=21&ved=1t:429,r:1,s:0&tx=66&ty=62

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D