Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

A ARTE DE SE TORNAR INDISPENSÁVEL

  (*)

 

Bismarck nunca aceitou que a política fosse uma Ciência; tratou-a sempre como Arte. O suprassumo desta Arte - a sua - consistia na capacidade de se tornar indispensável. Colocado perante um conflito, a última coisa que lhe poderia passar pela cabeça seria a ideia de o resolver. Em vez disso, procurava criar empatia em qualquer das partes e não perdia uma ocasião de inspirar e dilatar respeito a todos os empenhados na contenda, qualquer que fosse a respetiva posição. Apercebeu-se da vantagem de tal atitude logo que, ainda jovem, entrou na política. No velho Reino da Prússia, desenhava-se então (segundo quartel do século XIX) um braço de ferro entre a Coroa e o recém-constituído Parlamento para decidir a quem cabia a tutela do Exército. (Naquele Reino, dado o estilo da cultura local, o Exército era e foi sempre importante - senão mesmo a principal - fonte do poder).

 

Bismarck, latifundiário junker - a classe que fornecia a oficialidade do Exército - especializou-se no Parlamento em matéria de fiscalização da despesa militar o que lhe conferiu autoridade no processo de obtenção de autorização para adiantamentos de verbas ao Exército. Como esta carência é perpétua, Bismarck tornou-se indispensável à Coroa, aos generais e ao próprio Parlamento. A partir de então, Bismarck passou a montar sistematicamente situações que mostrassem a sua indispensabilidade. Para tanto servia-se de tudo, até dos sentimentos públicos. Exaltava-os, atiçava-os ou adormecia-os conforme as suas conveniências do momento. A cultura militar era útil na medida em que inspirava aos alemães o nacionalismo indispensável à unificação económica e política do antiquíssimo Sacro Império Romano do Povo Germânico (vulgo, Alemanha).

 

Mais tarde, já como chanceler (primeiro ministro) e dominando o Exército, convinha ao seu poder tornar o exército indispensável. Decidiu que a melhor maneira de tornar o Exército indispensável era a guerra. Realizou também que se pode fazer a guerra sem incomodar o Parlamento; basta autofinanciá-la mediante saque e imposição de reparações ao inimigo vencido. Aos soldados combatentes, compensou-os de duas maneiras: deu-lhes armas que permitiam liquidar os inimigos antes que estes pudessem usar as suas (glória a baixo risco) e criou a pensão perpétua para antigos combatentes. Os industriais não se queixaram pois iam enriquecendo com as encomendas de armamentos. Ludibriou a Áustria prometendo-lhe um ducado dinamarquês.

 

O Imperador austríaco - então dominante no espaço alemão e sempre sequioso de acesso ao Mar do Norte - aceitou. Sem apoio do Imperador austríaco, os outros reizinhos, incluindo o da Baviera, e os Grandes Eleitores desistiram de se opor ao chanceler prussiano. Mesmo assim, havia sempre a hipótese de a França se intrometer, como era do seu uso. Sucederam-se as campanhas militares que terminariam com a derrota da França, a unificação da Alemanha sob égide prussiana - leia-se Bismarck - e a expulsão da Áustria do antigo espaço alemão. Os ducados dinamarqueses tornaram-se prussianos; a Áustria manteve-se contudo amiga pois os Habsburgos ficaram, a partir de então, dependentes do apoio militar de Berlim. E assim acabou a espiritualidade, o romantismo, a fantasia, a humanidade e outros notáveis impulsos artísticos que se materializaram nas catedrais góticas do Reno, nas pinturas de Grünewald e Dürer, na poesia de Schiller, Goethe, e Heine, na música de Beethoven, Schubert e multidão de génios de tempos anteriores. Luís Frederico da Baviera, construtor de delirantes castelos de fadas, afogou-se no Lago dos Cisnes. Sonhar era proibido; quedou-se apenas o ritmo irresistível e o perfeccionismo formal sintetizados na arte de J.S. Bach. Para o bem ou para o mal, a Alemanha rendeu-se à prosaica cultura prussiana nascida nas planuras arenosa, quase estéreis que se estendem, a Norte, até à beira do Báltico. Isto aconteceu porque Bismarck, quando vivo, soube tornar-se indispensável e, no processo, acabou por tornar o Exército indispensável à Prússia e esta indispensável à Alemanha.

 

Até quando?

 

Voltaremos ao assunto.

 

Estoril 17 de Janeiro de 2011

 

 Luís Soares de Oliveira.bmp Luís Soares de Oliveira

 

(*) http://www2.needham.k12.ma.us/nhs/cur/Baker_00/2001_p2/baker_lg_bp_pd.2/otto%20von.gif

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D