Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

O MUNDO LUSÍADA

 

 

Reverendos Padres (1)

Prezados Companheiros;

Minhas Senhoras e meus Senhores:

 

É com o maior gosto que a todos saúdo nesta quadra natalícia que agora comemoramos.

 

O final do ano é também propício a que façamos um balanço entre o que fizemos e o que ficou por fazer daqui nascendo naturalmente uma perspectiva do que gostaríamos de realizar no ano seguinte. Assim vamos todos cumprindo um rumo, assim vai a sociedade vivendo e a nossa Civilização encontrando motivos para se confirmar e rejuvenescer através da afirmação dos seus fundamentos e da obra nova que vamos produzindo.

 

E se essa obra nova se pode medir pelo número de pontes e calçadas em cada ano edificadas, outra obra nova há que se pode medir de modos mais subtis. Refiro-me à obra cultural, aquela a que nós, Elistas, nos dedicamos pois aqui não somos nem ponteiros nem calceteiros.

 

E é precisamente essa obra cultural que nos pode actualmente abrir caminhos tão largos e longos quantos a largura e o comprimento do mundo. Do mundo lusíada, digo eu.

 

E o que é o mundo lusíada? Ah! Meus Companheiros e Amigos, é o mundo do tamanho do Mundo!!!

 

Já está formalizada a CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) com 8 países e com Macau na qualidade de observador pois é uma Região Administrativa da China mas o mundo lusíada não se esgota neste formalismo. Temos que considerar todas as comunidades lusófonas espalhadas pelo mundo e todas elas, sem excepção, fazem parte do mundo que consideramos nosso, o lusíada. Mas a esse mundo também têm que pertencer por direito próprio todos os que a ele queiram aderir por se reverem nos Valores do humanismo que ao longo da História Portugal lhes legou. Podem já não saber falar português mas dizem-se luso-descendentes e assumem uma atitude de defesa dos nossos Valores que os distingue das comunidades que os rodeiam e em que habitualmente se integram de modo plenamente pacífico.

 

Estou neste instante a recordar-me do Senhor D. Óscar Pareira, descendente do Rajá de Larantuka, capital da Ilha das Flores, arquipélago das Celebes, hoje território indonésio; cito o General Fonseka que há pouco ganhou a guerra civil que grassava no Sri Lanka; refiro os jovens luso-descendentes da região de Paris que constituíram a Associação Cabo Magalhães com o objectivo de fomentarem a ligação dos jovens licenciados franceses ao país de origem dos seus antepassados, Portugal; lembro-me das rádios e televisões em língua portuguesa sedeadas nos EUA e no Canadá; refiro-me à comunidade cabo-verdiana no Havai; não posso nem quero esquecer-me dos descendentes de Pêro da Covilhã e dos outros 400 portugueses que tanto ajudaram a Etiópia a ganhar fronteiras internacionalmente reconhecidas no âmbito dum processo histórico nascido no mítico reino do leite e do mel do Preste João.

 

Eis o mundo lusíada a que o Elismo tem que chegar; eis que cada dia que passa em que não o procurarmos será um dia perdido no resgate desses tantos que se orgulham dum País que mal conhecem (mas em cujos telejornais é diariamente vilipendiado).

 

Sim, Prezados Companheiros, temos uma obra grandiosa pela nossa frente. Cumpre-nos mostrar de que dela somos capazes, por a queremos, dela sendo dignos.

 

E o que foi esta ano conseguido? Várias «coisas» importantes mas uma eu quero realçar muito em especial: recomeçou há poucas semanas o ensino da língua portuguesa às crianças de Damão depois de um interregno de várias décadas. E como também é de realçar, sem o recurso a dinheiros do Estado Português.

 

É pouco? Claro que é pouco! Mas já não será assim tão pouco se nos lembrarmos de que o fundamental é arrancar com a obra para que de seguida ela se consolide e dê os frutos que dela esperamos.

 

E aqui está a questão: que frutos dela esperamos? Desde já avanço com uma proposta de resposta: a reaproximação dessas comunidades connosco, o País que lhes levou os Valores por que eles próprios se batem; e dessa reaproximação que brotem cooperações culturais e económicas; enfim, que nasça a amizade e o desenvolvimento.

 

Prezados Companheiros e Amigos:

 

Não me vou alongar. Espero que em 2011 o nosso Clube ajude Tavira a celebrar o passado com o descerramento da lápide na Porta do Postigo por onde em 11 de Junho de 1239 entrou D. Paio Peres Correia trazendo a cidade definitivamente para o regaço cristão; espero que em 2011 o nosso Clube lidere o processo de dar uma bandeira à Campanha do Analfabetismo Zero; espero que em 2011 todos e cada um de Vós realize os sonhos pessoais no seio do bem-comum e formulando os meus sinceros votos de um feliz Natal para todos, agradeço a atenção que me dispensaram.

 

Muito obrigado!

 

Tavira, 12 de Dezembro de 2010

 

 Bragança_2007-1.jpg Henrique Salles da Fonseca

(palavras proferidas no jantar de Natal do Elos Clube de Tavira)

 

(1) Padre Dinis Faísca e Padre Flávio Martins, respectivamente Párocos de Santa Maria e de Santiago, Tavira

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D