Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

O PRISIONEIRO ESPANHOL

 

 

O melhor que se pode dizer da Irlanda neste momento é que felizmente há poucas. Por si só, não pode prejudicar assim tantas perspectivas da Europa. O mesmo se pode dizer da Grécia ou de Portugal, em geral considerado a próxima peça do dominó. O problema é a Espanha. Os outros são tapas; a Espanha é pièce de résistance.

 

O mais extraordinário, do ponto de vista dos Estados Unidos, é a semelhança da história de Espanha com a nossa. Tal como os Estados Unidos, ali houve uma bolsa imobiliária de grande escala, acompanhada por uma subida em flecha da dívida do sector privado. Tal como nos Estados Unidos, a Espanha entrou em recessão com o esvaziamento dessa bolha e com isso houve um aumento em grande escala do desemprego. Além disso, tal como nos Estados Unidos, Espanha viu a sua dívida pública aumentar devido à queda do rendimento e aos custos habitualmente associados à recessão.

 

No entanto, ao contrário dos Estados Unidos, Espanha está à beira de uma crise de endividamento. O nosso governo não está a ter dificuldade em financiar o défice, com taxas de juro a longo prazo para a dívida federal abaixo dos 3%. Já o custo da dívida de Espanha nas últimas semanas subiu muito, reflectindo os receios de incumprimento.

 

Porque é que a Espanha está em maus lençóis? Numa palavra, por causa do euro. Espanha esteve entre os países que adoptaram o Euro com mais entusiasmo, em 1999, quando a moeda foi criada. Durante algum tempo as coisas pareceram correr bem: os fundos europeus entravam em Espanha, estimulavam o consumo privado e a economia teve um crescimento rápido.

 

A propósito: durante os anos bons o governo espanhol foi um modelo de responsabilidade fiscal e financeira; ao contrário do que aconteceu com o grego, apresentou superavites e, ao contrário do que aconteceu com o irlandês, tentou (embora com êxito apenas parcial) regular os seus bancos.

 

No final de 2007, a dívida pública espanhola não ultrapassava metade da da Alemanha, e mesmo os seus bancos não estão em situação nem de longe semelhante aos da Irlanda.

 

No entanto, sem que ninguém se apercebesse, os problemas cresciam. Durante o boom, tanto os preços como os salários aumentaram mais depressa que no resto da Europa, o que ajudou a alimentar um enorme défice comercial. Depois, quando a bolha rebentou, Espanha ficou com custos que tornaram o país menos competitivo. E agora? Se ainda tivesse a velha moeda, como os Estados Unidos – ou como o Reino Unido, que tem várias características em comum com Espanha -, podia voltar a tornar a sua indústria competitiva. No entanto, estando presa ao euro, essa possibilidade não está em aberto. Pelo contrário, tem de conseguir uma desvalorização interna: cortar salários e preços até os seus custos ficarem alinhados pelos dos seus vizinhos.

 

Ora a desvalorização interna não é fácil. Para começar é lenta: em geral são precisos anos a fio de desemprego para baixar salários. Além disso, a descida dos salários representa uma descida dos rendimentos, enquanto a dívida se mantém. Isto significa que a desvalorização interna agrava o endividamento do sector privado.

 

O que isto representa para Espanha são más perspectivas económicas para os próximos anos. A recuperação da América tem sido decepcionante, especialmente em termos de emprego - mas pelo menos tem havido algum crescimento, com o PIB a regressar aproximadamente a valores semelhantes aos anteriores à crise e é razoável prever que o défice voltará a ficar controlado. Espanha, por outro lado, não recuperou nada e a falta de recuperação faz recear pelo futuro fiscal do país.

 

E se tentasse sair da ratoeira abandonando o euro e regressar à Peseta? Estará a preparar-se para o fazer? A resposta a ambas as perguntas é que provavelmente não. Espanha estaria melhor se nunca tivesse adoptado o euro, mas tentar sair criaria uma enorme crise bancária, porque os depositantes correriam aos depósitos noutras moedas. A não ser que de qualquer maneira essa crise aconteça, o que parece plausível, na Grécia e cada vez mais na Irlanda, mas menos provável ou até impossível em Espanha, é difícil imaginar um governo espanhol disposto a correr o risco que representaria sair da moeda única. O país está de facto prisioneiro do euro, sem grandes alternativas.

 

Nos Estados Unidos temos a sorte de não termos sido apanhados numa ratoeira semelhante. Continuamos com a velha moeda, com a flexibilidade que isso permite. A propósito, isto também acontece no Reino Unido, com défices e dívida pública comparáveis com os de Espanha, mas sem que os investidores pressintam a possibilidade de incumprimento.

 

O nosso problema está em que há uma facção política poderosa a tentar manietar a Reserva Federal. Na realidade, a tentar anular a única vantagem que temos sobre os pobres espanhóis. Os ataques dos republicanos ao Fed – com as exigências de que pare de promover a recuperação económica e em vez disso se concentre em fortalecer o dólar e em combater os perigos imaginários de inflação – equivalem a uma exigência de que nos encerremos voluntariamente na prisão espanhola. Esperemos que o Fed não lhes dê ouvidos. As coisas nos Estados Unidos estão mal, mas podiam estar muito pior. Se a facção dura conseguir o que quer, é o que acabará por acontecer.

 

  PAUL KRUGMAN

Nobel da Economia, 2008

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2004
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D