Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

OLHAR EM FRENTE - 2

 

 

Como confeccionar uma crónica…

 

Faz tempo em que cozinhar uma crónica era algo de muito complicado. Por vezes sinuoso, dadas as “fintas” que era necessário fazer para escapar ao grosso e censurante lápis da respectiva Comissão.

 

Nessas malhas algumas vezes caí. Uma delas por ter tentado abordar a especulação petrolífera, a propósito de súbita alteração de preços com base no exercício de chantagem que os produtores do Golfo resolveram ensaiar. Claro que o ensaio passou a prática comum…Estávamos então em 1973.

 

Depois, os cronistas respiraram de alívio. Podia dizer-se tudo quanto se quisesse. E houve um período em que, sem exageros, a Comunicação Social era respeitada e se respeitava. Pegava-se no facto. Se possível fresco, de interesse público, que possuísse contornos suficientes para motivar a atenção do leitor. Comentava-se com seriedade, noticiava-se com verdade e ninguém insultava ninguém. Contenção na palavra escrita, responsabilidade nos debates, elegância nas relações, mesmo entre adversários políticos. Hoje, primeiro que tudo, cria-se o facto. Se não houver à mão, inventa-se. O órgão de comunicação precisa de vender, de ter espectadores, de interessar ouvintes. E nesta selva informativa, em que muitas vezes se não distingue o comentário da notícia, o ouvinte, o leitor ou o espectador – dependendo da sua formação ou cepticismo – voga perdido num mar de vagas cruzadas, numa tempestade informativa que o confunde e desmotiva.

 

A realidade não é absoluta, depende de quem a difundiu.

 

Hoje, que não há Censura, as condições de confecção de uma crónica alteraram-se de tal maneira que não reconheço nenhum dos condimentos então utilizados. Que eram, necessariamente, o interesse público, o evitar os ataques pessoais, o uso de termos apropriados e sem obscenidades, honestidade nas posições, reconhecimento das razões entre quem concorda ou quem discorda.

 

A situação difícil que se vive em Portugal fez aumentar, entre outras inseguranças, o clima de insegurança verbal, na perca de prestígio da maior parte dos comentadores e cronistas de serviço, rendidos, uns e outros, aos interesses de quem lhe paga ou aos benefício que espera cobrar um dia.

 

Enquanto jornalista, agora retirado mas não amordaçado, sempre adoptei a máxima de que posso não concordar com as ideias de qualquer adversário…mas defenderei, até ao impossível, o seu direito de as expor.

 

Assim, nesta série de crónicas ou noutras que por aí vou subscrevendo, enquanto o universo de leitores se mantenha em volume que o justifique, continuarei a manter estes princípios e esta vontade.

 

Só assim poderei continuar a olhar em frente.

 

 Luís de Melo e Horta

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D