Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

OLHAR EM FRENTE - 2

 

 

Como confeccionar uma crónica…

 

Faz tempo em que cozinhar uma crónica era algo de muito complicado. Por vezes sinuoso, dadas as “fintas” que era necessário fazer para escapar ao grosso e censurante lápis da respectiva Comissão.

 

Nessas malhas algumas vezes caí. Uma delas por ter tentado abordar a especulação petrolífera, a propósito de súbita alteração de preços com base no exercício de chantagem que os produtores do Golfo resolveram ensaiar. Claro que o ensaio passou a prática comum…Estávamos então em 1973.

 

Depois, os cronistas respiraram de alívio. Podia dizer-se tudo quanto se quisesse. E houve um período em que, sem exageros, a Comunicação Social era respeitada e se respeitava. Pegava-se no facto. Se possível fresco, de interesse público, que possuísse contornos suficientes para motivar a atenção do leitor. Comentava-se com seriedade, noticiava-se com verdade e ninguém insultava ninguém. Contenção na palavra escrita, responsabilidade nos debates, elegância nas relações, mesmo entre adversários políticos. Hoje, primeiro que tudo, cria-se o facto. Se não houver à mão, inventa-se. O órgão de comunicação precisa de vender, de ter espectadores, de interessar ouvintes. E nesta selva informativa, em que muitas vezes se não distingue o comentário da notícia, o ouvinte, o leitor ou o espectador – dependendo da sua formação ou cepticismo – voga perdido num mar de vagas cruzadas, numa tempestade informativa que o confunde e desmotiva.

 

A realidade não é absoluta, depende de quem a difundiu.

 

Hoje, que não há Censura, as condições de confecção de uma crónica alteraram-se de tal maneira que não reconheço nenhum dos condimentos então utilizados. Que eram, necessariamente, o interesse público, o evitar os ataques pessoais, o uso de termos apropriados e sem obscenidades, honestidade nas posições, reconhecimento das razões entre quem concorda ou quem discorda.

 

A situação difícil que se vive em Portugal fez aumentar, entre outras inseguranças, o clima de insegurança verbal, na perca de prestígio da maior parte dos comentadores e cronistas de serviço, rendidos, uns e outros, aos interesses de quem lhe paga ou aos benefício que espera cobrar um dia.

 

Enquanto jornalista, agora retirado mas não amordaçado, sempre adoptei a máxima de que posso não concordar com as ideias de qualquer adversário…mas defenderei, até ao impossível, o seu direito de as expor.

 

Assim, nesta série de crónicas ou noutras que por aí vou subscrevendo, enquanto o universo de leitores se mantenha em volume que o justifique, continuarei a manter estes princípios e esta vontade.

 

Só assim poderei continuar a olhar em frente.

 

 Luís de Melo e Horta

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D