Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CATURRICES 09

 

LIGADOS À MÁQUINA - VII

 

 Se a realidade obedecesse à teoria convencional, os problemas com que hoje nos confrontamos tinham remédio santo (gentileza do FMI): desvalorizar a moeda, reequilibrar as contas públicas e esperar que a inflação acabe por roer o peso da dívida excessiva no rendimento real disponível.

 

 Mas não. Os nossos problemas actuais não encaixam exactamente no cenário que a teoria prevê, pelo que será inútil insistir na litania das mezinhas tradicionais. Explico porquê.

 

 Desde logo, porque o instrumento cambial (a taxa de câmbio) já não está nas nossas mãos, mas nas do BCE. Logo, não podemos mais contar com a desvalorização da moeda nacional para:

 

(1) baixar de supetão os CUT (Custos Unitários do Trabalho);

(2) repor de golpe a competitividade das nossas actividades que ainda geram uns “Euros externos”;

(3) e meter de vez algum bom senso na ilusão de que somos endinheirados.

 

 Depois, porque o sobre-endividamento da nossa desgraça é Dívida Externa (do Estado e da Banca), pelo que a inflação da teoria, um fenómeno exclusivamente doméstico deixá-la-ia intacta. A única inflação que nos poderia valer seria a que se verificasse ao nível da Zona Euro - mas alguém acredita nisso, com a Alemanha ao leme?

 

 Enfim, o reequilíbrio das contas públicas terá de acontecer a partir de uma situação em que uma bolha de crédito bancário empolava as receitas fiscais e, malgrado isso, o deficit orçamental atingia níveis incomportáveis (ou impossíveis de financiar, no que vem dar ao mesmo). Assim, o aperto orçamental terá de ser maior do que aquele que vem nos livros.

 

 Mas não é tudo. Resta ainda o sobre-endividamento externo dos nossos Bancos (sobretudo, no MMIX/mercado monetário interbancário em Euros e, agora, junto do BCE), para o qual a teoria, apanhada de surpresa, não tem remédio “macro” que nos valha. Terapia para isto, de efeitos rápidos, só os prosaicos aumentos (ou entradas) de capital.

 

 E convém pensar, desde já, em aumentos de capital muito, mas mesmo muito substanciais, porque esvaziar a bolha vai dar lugar a crédito malparado em catadupa - que os Capitais Próprios dos Bancos terão de absorver (isto, se não vier alguém com a peregrina ideia de um “bad bank”, para que sejam os contribuintes a pagar também mais esta factura da crise: o crédito malparado).

 

 Assumamos por uma vez: durante mais de dez anos gastámos à tripa forra, por conta do futuro - e o futuro chegou-nos no final de 2009. No ínterim fez história o dito: “Há mais vida para além do deficit”. Claro que há. Mas é só para nos dar uma oportunidade para pagarmos até ao último cêntimo a dívida em que os deficits entretanto se transformaram.

 

 Se fui claro até agora, começa a surgir com nitidez a saída para a crise em que endividamento desregrado face ao exterior nos lançou:

 

 - Reduzir em muito (da ordem dos 16%, como na Letónia) os CUT para, no mínimo, reequilibrar a BTC – mas o que seria desejável era começar a obter superavits para se ir amortizando alguma coisinha da Dívida Externa (só que isto não se consegue da noite para o dia);

- Encontrar o ponto de equilíbrio entre o desendividamento do Estado e a estabilidade financeira do sistema bancário (caminho do qual pouco se conhece e que terá de ser percorrido às apalpadelas);

- Satisfazer internamente todo e qualquer novo acréscimo da Dívida Pública;

- Ir amortizando aos poucos parte da Dívida Pública Externa (sem com isso agravar o desequilíbrio da tesouraria externa dos nossos Bancos, coisa complicada), seja através de superavits orçamentais, seja através da substituição de Dívida Pública Externa por Dívida Pública Interna;

- Convidar (como Don Corleone convidava) os nossos principais Bancos a procederem, sem demora, a aumentos de capital.

 

 Como se vê, descrever a saída para a crise nem sequer é difícil – o próprio diagnóstico nos indica por onde ir. Concretizá-la é outra coisa. Exige ideias claras, capacidade técnica, coragem política e liderança.

 

 A medida mais urgente é, sem sombra de dúvida, travar o endividamento externo do Estado. E isso é possível:

 

- Desenvolvendo instrumentos orientados especificamente para a Dívida Pública Interna (e, por favor, não me falem nos Certificados do Tesouro);

- Fazendo coincidir a taxa de juro das novas emissões de Dívida Pública Interna com a taxa de juro de equilíbrio de longo prazo (à volta dos 4%-5%);

- Organizando um mercado secundário digno desse nome para a Dívida Pública Interna, de modo a conferir-lhe suficiente liquidez;

- Como último recurso (que eu não vejo tão distante assim), lançando “empréstimos patrióticos” de subscrição obrigatória em função dos rendimentos individuais disponíveis, sejam quais forem origem e natureza.

 

 Para estimular o aforro por cá (e contribuir para a conversão da Dívida Pública Externa em Dívida Pública Interna), a cooperação dos Bancos é indispensável: ou repõem de moto próprio a atractividade dos depósitos bancários - ou terão de ser convencidos a fazê-lo, com a introdução de um imposto compensatório (isto é, com taxa variável, de tal modo que o custo final para o Banco Tomador coincida com a taxa de juro de equilíbrio de longo prazo) sobre os fundos captados no mercado interbancário e nos mercados financeiros (aqui, se por prazo igual ou inferior a 2 anos).

 

 Estou em crer que a conjugação de condições atractivas na Dívida Pública Interna com a liquidez proporcionada por um mercado secundário bem organizado acordará, de vez, os nossos Bancos para a importância de gerirem com mais cuidado as suas Bases de Depósitos – e para as virtudes da concorrência. O aforro agradecerá, reconhecido.

 

 É provável que estas duas medidas sejam mais eficazes no reequilíbrio da BTC (por via da redução das importações de bens de consumo e de serviços) do que na eliminação (e digo eliminação, não redução) dos deficits orçamentais. E que a redução de importações contribua ainda mais para a queda das receitas fiscais. Por isso, não há alternativa ao corte das despesas – a começar pelos gastos com as chefias (é aqui, e não no número de funcionários públicos, como é papagueado insistentemente, que está a raiz do mal).

 

 Na vida real, crise rima com insolvências. Por cá, muitas empresas vão cair insolventes e muitos devedores individuais não vão poder pagar (mesmo que vivam 100 anos mais). Não é preciso ser bruxo para prever o rombo que o crédito malparado vai fazer nos Capitais Próprios dos Bancos (aliás, já começou a fazer - e ainda a procissão vai no adro)

 

 Por isso, os Bancos têm de estar convenientemente preparados para os dias difíceis que se aproximam a passos largos – vindos, agora, pelo lado do Activo (as dificuldades de financiamento, essas, atingem o Passivo, como se sabe). O que é dizer, têm de dispor de programas de recapitalização para os próximos 5 anos – credíveis e que entrem já em linha de conta com o surto de crédito malparado que aí vem (melhor, que já cá está).

 

 Se eles não conseguirem recapitalizar-se, teremos nos braços, além das 3 crises que já hoje nos atormentam (a crise de Dívida Externa, a crise de Dívida Pública e a crise orçamental) uma crise bancária –e, então sim, não poderemos dispensar o aconchego do FMI e do Fundo Europeu de Estabilização.

 

 Se um tal momento chegar, esses empréstimos de resgate devem ser encaminhados, preferencialmente, para a recapitalização dos nossos Bancos. Com a vantagem adicional de ser possível reciclar algum desse dinheiro para converter Dívida Pública Externa em Dívida Pública Interna (através de uma sequência de operações que não cabe aqui descrever).

 

 Restam as medidas estruturais para corrigir um Estado disfuncional.

 

(cont.)

 

 A.PALHINHA MACHADO

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D