Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CATURRICES 08

 

 

LIGADOS À MÁQUINA - VI

 

 Já desde 2002 que era evidente a estratégia dos Bancos portugueses:

1º) Endividar-se por atacado e a curto prazo nos mercados interbancários europeus (MMIX; onde não eram tantos assim os Bancos que lhes davam troco);

2º) Lutar por quota de mercado cá dentro (pela via da facilidade, obviamente: crédito pessoal para aquisição de casa própria, para consumo e para extravagâncias; crédito ao sector público para mais consumo e mais extravagâncias);

3º) Aproveitar todas as oportunidades para fazer, lá fora, umas quantas operações de titularização que atenuassem o mismatch (isto é, o desequilíbrio no tempo entre pagamentos certos e cobranças incertas) em que viviam e dessem algum alívio ao sufoco do roll over (a necessidade de renovar, renovar sempre as dívidas no MMIX).

 

 Quando a quota de mercado é, para accionistas, analistas e tutti quanti, o critério supremo da excelência de um Banco - o modo como ele se endivida, o nível do seu endividamento e o risco a que está exposto são minudências a que ninguém liga. E, por cá, ninguém ligava.

 

 Tudo começou quando ficou assente que Portugal seria um dos Estados fundadores da União Monetária. A partir desse instante, desaparecido o cheiro a risco cambial, que até então afugentara os investidores estrangeiros, duas vontades uniram-se com entusiasmo: (1) a de emprestar, protagonizada por alguns Bancos lá de fora;

(2) e a de pedir emprestado, que agitava os nossos Bancos.

 

 Lá fora, no MMIX, a liquidez era mais que muita, e os juros baixos. Cá dentro, vivia-se um longo período de seca e os juros eram puxadotes. Daí, o entusiasmo:

- Os Bancos lá de fora passavam a escoar mais alguma liquidez com melhor retorno e sem terem de afectar Capitais Próprios a estas novas oportunidades de negócio (singularidades do Acordo de Basileia de 1988);

- Os nossos Bancos entravam numa época de afluência como nunca tinham conhecido

- liquidez, praticamente a que quisessem, e margens de intermediação (ou seja, a diferença entre os juros que praticavam e os juros que tinham de pagar) de fazer inveja (recordo-me bem do que, por esses dias, os Bancos estrangeiros comentavam sobre o “paraíso português” – aliás, foi esse o único oásis que por cá se viu).

 

 Para os nossos Bancos, esta forma de se financiarem nem sequer era novidade. Desde a 2ª Carta do FMI (1983 -85) que já dependiam da liquidez que o BdP cedia com parcimónia, mas sem exigir garantias específicas. No MMIX foram encontrar o mesmo método, mas com volumes incomparavelmente maiores e bem longe de uma ou outra pergunta mais indiscreta que, por desfastio ou birra, o BdP entendesse fazer.

 

 E o Bdp? Ah! Como se orgulhava da facilidade com que os nossos Bancos se financiavam lá fora! “Que não havia quaisquer dificuldades no financiamento externo da economia” era o seu santo e a sua senha, quando olhava de soslaio para os crescentes deficits da BTC.

 

 Escapava-lhe, é certo, que os nossos Bancos, ao privilegiarem o financiamento por grosso (no MMIX e através das operações de titularização), faziam-no em prejuízo da Base de Depósitos, instalavam um cartel de facto que abolia a concorrência (se os principais Bancos se financiavam todos às mesmas taxas, porquê competirem em preço no crédito e nos depósitos; e os restantes, sem Capitais Próprios para aventuras, e demasiado pequenos para terem acesso directo ao MMIX, iam a reboque) - e acabavam aos poucos com os motivos para aforrar. O resultado iria aparecer, como era fatal, sob a forma de deficits crescentes da BTC.

 

 Obviamente, as preocupações “macro” do BdP iam noutro sentido: o desequilíbrio orçamental, o desequilíbrio orçamental é que nos afastava do paraíso que os Bancos estrangeiros (ou porque eram míopes, ou porque queriam mostrar-se simpáticos, vá-se lá saber) diziam avistar por estas bandas.

 

 As quotas de mercado que todos os nossos Bancos perseguiam com denodo davam assim lugar a uma corrida para ver quem conseguia emprestar mais por minuto, mas sem grandes diferenças no custo total para o devedor (a inovação dos nossos Bancos ia toda para arredondar o seu retorno, através de comissões e débitos vários).

 

 Emprestar, emprestavam eles:

(1) de preferência, a quem apetecesse comprar e não tivesse no bolso dinheiro para tanto, nem fizesse grande questão sobre quanto isso lhe custaria;

(2) com algum finca-pé, a quem quisesse produzir para saciar esta febre de compras;

(3) nem pensar, àqueles que empreendessem essa actividade eminentemente arriscada que é produzir para exportar (“E por lá? Também há quem empreste para comprar, assim, a rodos, como cá dentro?” interrogar-se-iam os nossos avisados Bancos).

 

 Não sem razão, reconheço. A grande maioria das empresas portuguesas estava (e continuou a estar) endividada até aos cabelos, pagava (e continuou a pagar) mal aos fornecedores cá dentro (os lá de fora exigem cartas de crédito), exibia (e continuou a exibir) capitais que só existiam na imaginação fértil dos contabilistas – enfim, entrava na era da liquidez abundante e do crédito fácil debilitada por falta de capital e muitas dívidas.

 

 Então, porque não se capitalizaram elas para aproveitar a conjuntura expansionista, desencadeada por uma bolha de crédito bancário em que todos viam virtude? Porque (é aqui que entram os Governos):

(1) entre nós, a fiscalidade premeia o endividamento e penaliza a capitalização;

(2) em vez de exigirem às empresas mais capital, os Governos iam-lhes oferecendo linhas de crédito generosas para elas se endividarem ainda mais (“Que é isso de autonomia financeira?” pensariam os nossos governantes “Nós somos óptimos, a inveja da estranja, e vivemos a crédito também”).

 

 A realidade estava, porém, à vista: desde 1997-98 (e, seguramente, a partir de 2001) que cavalgámos uma bolha de crédito que o MMIX financiava. Uma bolha que encharcava de liquidez a construção civil, as obras públicas, a distribuição e as empresas na órbita do OGE – tudo actividades que não só não geram “Euros externos”, como os absorvem em grande quantidade. Disso se queixava a BTC, mas ninguém lhe dava ouvidos.

 

 Esta bolha de crédito bancário reservava, porém, outras (más) surpresas.

 

 Ao nível da execução orçamental, os Governos não percebiam que o crescimento das receitas fiscais era causado, não tanto pela maior eficiência da máquina fiscal, mas mais pela expansão acelerada do Sector de Bens não Transaccionáveis (SBnT: a construção civil, as obras públicas e a distribuição, entre outros) que representava, de longe, a maior fatia da matéria colectável e onde os nossos Bancos faziam desaguar a maior parte da liquidez que pediam emprestado lá fora.

 

 Dito de outro modo: com o nível que a Despesa Pública tinha atingido, os deficits orçamentais só não eram incomensuravelmente maiores porque o crédito bancário inflacionava as receitas fiscais. Imagine-se para onde irá o deficit orçamental quando a bolha esvaziar (o que terá de acontecer, mais tarde ou mais cedo).

 

 Ao nível “macro”, todos fingíamos não ver que a bolha estava a moldar, de maneira dificilmente reversível, a economia portuguesa:

(1) pelo lado da oferta, centrando-a no SBnT (o tal que não gera “Euros externos”);

(2) pelo lado da procura, criando a ilusão de que todas as intenções de consumo poderiam ser concretizadas.

 

 A teoria “macro” que, na verdade, interessa para o caso reza assim: nas economias “seguidoras” (como a portuguesa) é o SBnT que determina os Custos Unitários do Trabalho (CUT) – e os CUT são um dos factores mais decisivos da competitividade externa.

 

 Entre nós, empolado por uma bolha do crédito bancário com tão frágeis alicerces, o SBnT:

(1) cresceu desmesuradamente;

(2) fez crescer o PIB (para grande contentamento dos analistas);

(3) inflacionou as receitas fiscais (idem);

(4) em dez anos, deu um piparote de 30% aos CUT - enquanto na Alemanha caíam cerca de 15% (isto passou-lhes ao lado);

(5) e deu cabo da BTC (que consideravam perfeitamente financiável ad aeternum).

 

 Perguntam, tantos de nós, como foi possível que tudo isto acontecesse? Foi assim.

 

(cont.)

 

  A.PALHINHA MACHADO

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D