Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A RIQUEZA DO CENTRO-OESTE BRASILEIRO

 

 

http://www.google.pt/imgres?imgurl=http://www.guzeratresirmaos.com.br/imagens/boi.gif&imgrefurl=http://www.guzeratresirmaos.com.br/quem_somos.php&usg=__28UZzfoMoV3kDwmqDo680TdCvss=&h=142&w=181&sz=13&hl=pt-BR&start=8&zoom=1&tbnid=stSfchoXYipUmM:&tbnh=113&tbnw=144&prev=/images%3Fq%3Dboi%252Bzebu%252Bbrasileiro%26um%3D1%26hl%3Dpt-BR%26sa%3DN%26rlz%3D1T4SUNA_enPT292PT293%26biw%3D967%26bih%3D415%26tbs%3Disch:1&um=1&itbs=1&iact=rc&dur=430&ei=4xahTPSxLafT4wbkx63RDQ&oei=zRahTPCaOoLk4gaz07iCDQ&esq=3&page=2&ndsp=11&ved=1t:429,r:5,s:8&tx=76&ty=53

 

 

 

No Parque Fernando Costa, todos os anos no inicio de Maio começa para o público em geral a Exposição de Gado Zebu de Uberaba. Nessa ocasião, a "Cidade Princesinha do Sertão" se engalana para receber gente de todo o país e até do estrangeiro que vem para apreciar, conhecer e negociar o gado do centro-oeste brasileiro.

 

Depois de uma verdadeira epopeia, que começou no inicio da colonização portuguesa com a introdução do gado vacum no Brasil (1534) por Ana Pimentel, esposa e procuradora Martim Afonso de Souza (donatário de S. Vicente), até finais do século XIX e inicio dos XX, com a importação de gado indiano pelos criadores do Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco e centro-oeste, hoje temos o maior rebanho comercial do mundo. Vendemos o nosso gado verde rastreado para mais de 140 países, inclusive para a exigente Comunidade Europeia.

 

País com grande variedade de tipos terra e clima, o Brasil possui desde exemplares de rebanho antigo (já adaptado à rusticidade local) o caracu, ao rebanho indiano (Bos Indicus -perfeitamente adaptado às terras secas e quentes do interior brasileiro) e europeu (Bos taurus- nas terras frias do sul) com suas variantes raciais, fruto de pesquisas, cruzamentos e trabalhos genéticos de especialistas brasileiros.

 

Expostos em baias abertas, escrupulosamente limpas e forradas com serragem, os animais recebem dos seus tratadores atenção VIP nas 24 horas do dia. Alimentação, banho e escovação diária, graxa preta nos chifres, pequenos passeios pela redondeza, até som ambiente para evitar o stress provocado pelo assédio constante dos visitantes. Flâmulas e placas festivas mostram os prémios na categoria, proprietários, origem e dados físico-genealógicos, tudo devidamente registado na ABCZ (Associação Brasileira de Criadores de Zebu). Os grandes reprodutores e matrizes leiteiras têm preços estratosféricos, sendo em geral comercializados o sémen ou parte do animal (produtos), não raras as vezes em consórcios, notificados em jornal. Os leilões nocturnos são verdadeiros shows à parte. Luzes coloridas, palco, purpurinas, holofotes, para o animal que desfila. Whisky, refrigerantes e salgadinhos para os participantes, compradores e convidados. O frenesi dos lances faz vibrar de emoção os leiloeiros e suas atraentes ajudantes.

 

Toda essa movimentação começou quando os fazendeiros do início do século passado conheceram melhor o zebu. Entusiasmados pela rusticidade, precocidade, peso e facilidade de maneio, acreditaram na potencialidade desse gado para a região. Venceram barreiras culturais, políticas, distancias e desconfianças, e importaram numerosos exemplares. Não mediram esforços, investiram em pesquisa e tecnologia. Foram precisos anos de observação, estudo, aprimoramento genético para chegar ao actual plantel . A mansidão do GIR, a resistência do NELORE, a altivez do GUZERA e de seus cruzamentos fazem a riqueza da pecuária do centro-oeste brasileiro.

 

Maria Eduarda Fagundes

Uberaba, 25/09/2010

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D