Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

LIDO COM INTERESSE – 51

  

Angelina e Raul Brandão, quadro de Columbano

 

Título: SE TIVESSE DE RECOMEÇAR A VIDA

Autor: Raul Brandão

Editora: Contexto Editora, Lisboa

Edição: 1995

 

 

Poesia em prosa ou apenas prosa poética, eis uma arte de que já não me lembrava e de que este autor – em que só agora me estreei – dá magníficos exemplos neste livrinho em formato de bolso e apenas com 70 páginas.

 

Dá gosto transcrever o que nos diz sobre a mulher:

 

Qual é a força extraordinária que possuis? – pergunto muitas vezes a mim mesmo. Dois ou três princípios cristãos inabaláveis – e por trás milhares de seres que desapareceram ignorados, cumprindo a vida ignorada. Nem sequer se debateram. Entregaram-se. Confiaram. A mulher portuguesa comunica ao lar a ternura com que os pássaros aquecem o ninho. Sua vida dá luz para alumiar os outros. Foi assim, com tão pequenos meios, que me ensinaste. Com uma palavra e mais nada, com um simples olhar, com silêncio e mais nada. Uma atitude fazia-me pensar. E mal sabes tu que quando os teus dedos ágeis trabalhavam a meu lado, teciam ao mesmo tempo o pano grosso de casa e a nossa vida espiritual.

E, como tu, milhares de seres têm cumprido a vida em silêncio, aceitando-a sem exageros. Nas mãos das mulheres, até as coisas vulgares que se fazem na aldeia – cozer o pão, lançar a teia – assumem um carácter sagrado. Elas passam desconhecidas e dispõem dum poder extraordinário. Mantêm a vida ordenada com um sorriso tímido. A mulher está mais perto que nós da Natureza e de Deus.

Cada vez me aproximo mais de ti. O que há de puro em mim a ti o devo. És limpidez e ternura.

Eu exagero sempre a dor, tu nunca te queixas. Andas nas pontas dos pés. Mal respiras e estás sempre presente. Tens uma capacidade para a dor que eu não possuo.

Tudo em ti se faz naturalmente, tão naturalmente que ninguém dá por isso. A tua bondade não é um esforço. E é-te tão fácil partilhar a desgraça e as penas dos que se aproximam de ti… Ninguém te vê e fazes-te sentir em toda a casa. Aquece-la. Estás em toda a parte, e ao mesmo tempo, a meu lado. És como o ar que respiro.

Qual é a fonte escondida da tua vida, só o sei agora. Nunca pensas em ti – pensas sempre nos outros, ocupada num dever a cumprir, não como dever mas como instintiva compreensão da Vida.

 

Outro exemplo que me parece digno de realce tem a ver com a homenagem que Raul Brandão presta ao boi doméstico, esse que era o grande companheiro do homem na faina da terra:

 

É com bosta que se estruma o campo, que se barra o forno e o pipo da água-pé, é com bosta que se acrescenta a eira para secar o pão. Por isso o boi faz parte da família: vale mais que o homem e é melhor tratado que a mulher. Tem a cama quente e limpa e comida escolhida e farta. O boi e o milhão, o estrume e o pão são divindades para o lavrador. O vinho é acessório. Chove na casa, a corte é abrigada. Sem boi não se faz o carreto, sem boi não se pode lavrar o campo nem fabricar o esterco. Este bicho paciente e dócil, quase majestoso, com a venta molhada pela baba, olha para a gente com doçura. Anos depois de vendidos, quando passam pela estrada, voltam o focinho para o sítio e mugem com saudades da casa, dos campos e talvez do homem.

(…)

Tudo aqui está ligado pelas mesmas raízes, o alpendre remendado com velhas tábuas, o casebre de lascas grosseiras, a eira de lajedo, a terra, o homem e os bois, e tudo tem o carácter das coisas e dos seres essenciais e remotos e foi cimentado pelos anos. Dura há séculos – e nunca mais acaba.

 

Mas, por muito que possa custar ao autor lá no além, acabou.

 

E a este propósito, ignorava por completo o pensamento exotérico de Raul Brandão que ao longo de todo este livrinho vai evocando os mortos que o rodeiam sentados à lareira nas noites invernosas. E também me espantaram algumas frases revolucionárias ao melhor estilo de 1975, tantos anos depois da morte do autor: ele, senhorio, proclamava que a terra deveria pertencer a quem a trabalha; ele, senhorio engravatado, cobrava rendas aos caseiros esfarrapados mas ambicionava pela chegada do dia em que cessasse a exploração do homem pelo homem…

 

Duas frases, para concluir:

 

Sejamos humildes porque a gente chega ao fim da vida sem ter entendido nada deste mundo, quanto mais do outro.

(…)

O futuro é Jesus no alto da montanha.

 

Lisboa, Setembro de 2010

 

Henrique Salles da Fonseca

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contador


contador de visitas para site

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D