Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

LIDO COM INTERESSE – 50

 

 

Título: O SANTO CONDESTÁVEL – ALEGAÇÕES DO CARDEAL DIABO

 

Autor: Tomás da Fonseca

 

Editor: ANTÍGONA – Lisboa

 

Edição: 1ª (desta editora), Outubro de 2009

 

 

Título: NUNO ÁLVARES PEREIRA

 

Autor: Jaime Nogueira Pinto

 

Editor: A esfera dos livros – Lisboa

 

Edição: 1ª, Junho de 2009

 

 

Entre o Zénite e o Nadir, tentemos equilibrar-nos algures ali pela linha do Equador. Por outras palavras: a Fé não se discute.

 

O livro de Jaime Nogueira Pinto deve ter sido escrito de 2007 a 2009 se bem que por certo com muita investigação anterior; o livro de Tomás da Fonseca corresponde a uma palestra que o Autor proferiu em 1932 e que agora foi trazido aos escaparates sem a clandestinidade em que navegou nas edições anteriores.

 

Tomás da Fonseca, erudito anarquista e Nogueira Pinto, erudito de direita, fazem-nos percorrer o mesmo tema a partir de perspectivas opostas o que permite ao leitor abarcar todo o horizonte do tema.

 

E bastaria um parágrafo de Nogueira Pinto para resumir a palestra de Tomás da Fonseca: «Os críticos – na sua maioria não religiosos – não deixaram de acentuar, em nome do humanismo e da paz, o métier de guerreiro de D. Nuno Álvares Pereira, a riqueza acumulada, o perfil autoritário e alguma irascibilidade do candidato [a Santo], quando contrariado.» (pág. 283 e seg.)

 

Com a erudição e algum humor que lhe eram característicos, Tomás da Fonseca transporta-nos ao ambiente republicano típico de finais do século XIX – princípios do século XX em que predominava um claro antagonismo com a Casa de Bragança que os republicanos acusavam de se comportar como «dona» de Portugal e geradora de problemas em vez de se constituir como parte das soluções que consideravam necessárias e urgentes. Na opinião do Autor, a canonização do «Pai» da Casa de Bragança tem como objectivo a recuperação do prestígio da família reinante durante a quarta dinastia e deve ser entendida no âmbito de um processo visando a retoma do regime monárquico. Esta palestra foi, pois, um remake de «comício republicano».

 

O livro de Nogueira Pinto poderia ser uma tese de doutoramento mas como o Autor já é Doutor, constitui um livro muito interessante, cenário da interdependência entre a História de Portugal e a da Idade Média europeia, explicação geral (não maçuda nem apenas superficial) dos usos, costumes, literatura e lendas medievais que inspiraram Nun’Álvares e, na opinião do Autor, lhe traçaram o perfil de vida.

 

Como Guerra Junqueiro dizia, Tomás da Fonseca era «um Santo que não acredita em Deus»; Jaime Nogueira Pinto consta ser homem de Fé.

 

Mas como a Fé não se discute, fiquemo-nos pelo prazer de leitura erudita e creia quem quiser.

 

Lisboa, Setembro de 2010

 

Henrique Salles da Fonseca

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contador


contador de visitas para site

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D