Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CURTINHAS Nº 80

 

http://www.google.pt/imgres?imgurl=http://www.bombeirosdealhandra.com.pt/actualidade/fogos_verao/fogo_33.jpg&imgrefurl=http://www.bombeirosdealhandra.com.pt/actualidade_2.htm&usg=__24MI5NzRLwp1sWNJ_ohFULsqpaQ=&h=400&w=595&sz=42&hl=pt-BR&start=0&tbnid=FY4XRjHAueiL4M:&tbnh=133&tbnw=206&prev=/images%3Fq%3Dfogo%2Bflorestal%26um%3D1%26hl%3Dpt-BR%26sa%3DN%26rlz%3D1T4SUNA_enPT292PT293%26biw%3D967%26bih%3D415%26tbs%3Disch:1&um=1&itbs=1&iact=rc&dur=381&oei=hSVlTNOBFNT64AbZkbCxCg&page=1&ndsp=9&ved=1t:429,r:8,s:0&tx=106&ty=54

 

 

AI, QUE DESGRAÇA! NÃO HÁ QUEM NOS VALHA!

 

 

 Se faltasse ainda uma última prova de que para nós, portugueses, não há risco, há fatalidade, os incêndios que, ano após ano, recorrentemente, abrasam os nossos campos aí estariam para a fornecer.

 

 Se houvesse por cá a consciência do risco:

- Não se chegaria ao Verão com massas combustíveis contínuas, do solo às copas e das copas às casas, por toda a parte;

- Não seria só a caminho do fogo que se descobriria que os estradões, afinal, estão intransitáveis ou, simplesmente, desapareceram (se é que alguma vez existiram);

- Não se choraria de impotência perante manchas florestais extensas e homogéneas, onde travar a propagação das chamas é praticamente impossível sem o concurso benigno da meteorologia;

- Não se salpicariam as chamas com uns pingos de água que custam oiro, mas era-se capaz de encharcar as linhas de corta-fogo, as quais estariam certamente mantidas em boas condições, a preços módicos;

- Não se gastariam esforços e meios para apagar os incêndios, porque os incêndios apagam-se por eles próprios, mas agir-se-ia segundo esquemas bem treinados, no sentido de defender aquelas linhas de propagação susceptíveis de causar os maiores danos;

- Não se improvisaria com grande generosidade, mas praticar-se-ia o que se sabe de antemão dar certo.

 

 Helás! Como só conhecemos a fatalidade rezamos para que nada de mal nos atinja.

 

 Mas, se nos atingir, uns quantos sacrifícios expiatórios deixam-nos a alma como nova - até ao ano seguinte (rezar, neste contexto, pode muito bem ser qualquer ritual propiciatório - por exemplo, a publicação no DR de diplomas que ninguém parece ter o dever de fazer cumprir, lá, naquele terreno que amanhã arderá).

 

 É certo que há mais "notícia" na tragédia dos grandes incêndios, que na análise do que esteja pensado para os prevenir.

 

 Tal como é mais apelativo acompanhar bombeiros e populares em combate desigual com as chamas, que acompanhar a acção de quem tem o dever de, a tempo e horas, prevenir a ignição e conter a propagação dos fogos.

 

 Outras sedes têm uma tal obrigação. Mas como já todos sabemos "o que essas casas gastam", peço-lhes, Senhores “Fazedores de Opinião”, que não esqueçam os incêndios na época em que eles ainda não ardem.

 

 Quando estão, apenas, a ser "viabilizados" pelo desleixo de todos nós.

 

 A.PALHINHA MACHADO

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contador


contador de visitas para site

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D