Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

PORTUGAL CONFIANTE

 

 

Era preciso dizer ao Governo que a coisa não está a resultar. Era bom alguém informar o Parlamento que já ninguém acredita. Era conveniente avisar as autoridades que estão a destruir-se a si próprias. Não vale a pena repetir cerimoniais pomposos de dignidade, fundamento e justificação se a credibilidade se esfumou. Não serve de nada compor retóricas elegantes e juras indignadas, porque ninguém as leva a sério. É inútil representar uma comédia que perdeu a graça. Podem convencer-se a si mesmos e aplaudir correligionários, mas o público já nem sequer se indigna. Limita-se a bocejar.

 

A patética desorientação dos oito meses do Governo Sócrates é excruciantemente evidente. Às garantias que tudo vai bem seguem-se jactos de medidas drásticas, que asseguram que tudo vai ficar bem, e todos tomam como provisórias. Perante a gravidade da crise a improvisação diz-se estratégica. Já nem se dão ao trabalho de fingir planeamento coerente e lógica de suporte. O País dói-se da desorientação.

 

Será isto assim tão grave? Afinal, sem tirar nada ao grotesco, a circunstância é típica de fim de ciclo. Não é a apoteose da corrupção, nem sequer o estertor da democracia. Por caricata e degradante que seja, tudo se esvairá com nova orientação. À penosa inanidade da sociedade americana no segundo mandato de Bush seguiu-se sem interrupção a euforia extática da eleição de Obama. Mesmo com crise financeira, todos esqueceram o que tanto os afligia semanas antes.

 

Alguns políticos têm a lucidez de evitar a dolorosa agonia. Cavaco Silva não se recandidatou em 1995 porque: "Tenho de ter a sabedoria de retirar-me antes que os Portugueses se cansem excessivamente de mim" (Autobiografia Política II, Círculo de Leitores, 2004, p. 485). António Guterres demitiu-se em 2001 para "evitar que o País caia num pântano político".

 

Infelizmente existem também aqueles que insistem em continuar um mandato zombie, confundindo teimosia com persistência. Chega-se com demasiada frequência à situação-limite do clássico ataque parlamentar de Leo Amery a Neville Chamberlin a 7 de Maio de 1940, citando uma referência com três séculos: "Isto foi o que Cromwell disse ao Long Parliament quando pensava que esse já não era capaz de conduzir os assuntos da nação: "Esteve demasiado tempo aqui para qualquer bem que possa ter feito. Parta, e livre-nos de si. Em nome de Deus, vá-se embora!"" O Governo caiu.

 

Entretanto, as consequências do impasse são graves. No meio da crise do euro, em que Portugal ocupa um papel delicado, a vacuidade do nosso Executivo tem de ser muito prejudicial. Mesmo assim, a coisa está longe de ser dramática, pois os aspectos mais ridículos não ressoam fora do nosso burgo e os mercados atendem mais a indicadores que a tolices. É pior que um Governo acossado seja um bónus para os grupos instalados, que negoceiam benesses em troca de balões de oxigénio. Mas o verdadeiro perigo está noutro lado.

 

Como nos alcoólicos anónimos, é a nossa antiga experiência democrática que pode tornar maligna a infecção. Portugal viveu décadas de vida política decadente, no liberalismo e Primeira República. Os governos sucediam-se, todos piores que a própria caricatura. O povo arrastava o descrédito de uma elite que actuava para si mesma, sem soluções, estratégia ou até vergonha. Os arroubos de novidade, como o que estabeleceu o regime de que celebramos o centenário, rapidamente se esvaíam num marasmo pior. As esperanças, sempre iludidas, traziam mais amargura que alívio.

 

Esses tempos podem parecer-se com os últimos meses, mas não podemos esquecer que a revolução de Abril quebrou o velho enguiço. Pela primeira vez na nossa história temos uma democracia a funcionar. A delirante persistência de Sócrates não chega para destruir este sucesso estrutural. Além disso, temos hoje uma sociedade aberta, ao contrário de há cem anos, e pacificada, ao contrário da Grécia. Para vencer esta fase difícil sem cicatrizes duradouras só nos falta uma coisa: confiança social no regime que nos tem servido bem há 36 anos.

 

 JOÃO CÉSAR DAS NEVES

 

DN - 28 de Junho de 2010

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contador


contador de visitas para site

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D