Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

SOLUÇÃO DESPREZADA

 

 

Os economistas estão de acordo. Isto em si mesmo deve ser celebrado. O interesse é ainda maior pois o consenso situa-se no assunto mais grave e influente da vida pública, a crise nacional. Existe uma unanimidade estrutural dos diagnósticos e em grande medida das terapêuticas. Claro que há contestatários, como se impõe na sociedade mediática, mas aqueles que interessa ouvir dizem o mesmo.

 

Nos últimos meses, além de múltiplas entrevistas e declarações, foram publicados vários trabalhos de fundo de eminentes economistas e instituições, explicando e resolvendo a grave situação da nossa economia. Embora diferentes no estilo e argumentos o quadro que traçam é bastante consistente. Como afirma talvez o melhor, o caminho a seguir é

 

«a) Restaurar a competitividade;

b) Redireccionar o investimento público e os incentivos ao investimento privado a favor do sector transaccionável;

c) Redireccionar os incentivos à produção, também a favor deste sector; e

d) Flexibilizar o funcionamento da economia e nomeadamente do mercado de trabalho (...)

Complementarmente, é necessário reduzir a procura interna para um nível mais sustentável»

(Vítor Bento (2009) Perceber a crise para encontrar o caminho, bnomics, p.101-102).

 

Se temos diagnóstico e terapêutica, que falta? Alguém que lhe ligue. De facto, lendo discursos oficiais, reportagens jornalísticas e discussões políticas, tudo parece alheio a este caminho. Nos debates da televisão ou conversas de cafés só se fala de professores e saúde, fiscais e polícias, funcionários, escutas e sucatas. As atenções continuam bem centradas nas questiúnculas do sector não transaccionável, aquele que não tem relações externas e aumenta a dívida. Só nos preocupam direitos adquiridos e pensões, férias e ambiente, estradas e construção.

 

Entretanto, as exportações oprimidas, défice externo, dívida crescente, falta de competitividade, são temas omissos ou meramente incómodos. Afinal, vivemos há tanto tempo com o buraco na balança de pagamentos sem problemas, porquê perder tempo com ele? Notam-se os seus sintomas no desemprego, pobreza, recessão. Esses seriam resolvidos se o desequilíbrio estrutural fosse tratado, mas acabam por escondê-lo.

 

As medidas e planos políticos apresentados, centrando-se nas tais actividades que agravam o endividamento, ainda impõem novas restrições reduzindo a flexibilidade económica. Além de continuar a pressão política do sector da construção nos sonhos de comboios e aeroportos. Os responsáveis insistem na via que nos enfiou no buraco, o que nem surpreende, sendo eles quem nos trouxe aqui.

 

A única proposta remotamente relacionada com as medidas necessárias é a sempre adiada consolidação orçamental. Essa ao menos reduziria a insustentável procura interna. Mas centrando atenções no défice errado acaba ineficaz. O Governo anterior é prova disso. O nosso desequilíbrio vem de vivermos acima das nossas posses pois a competitividade não permite despesa tão alta. A manifestação directa está na balança externa, sendo o Orçamento do Estado apenas parte do mal. Por isso dominar esse défice aumentando a pressão fiscal sem reduzir os gastos reduz a sangria pública mantendo a hemorragia externa, como se viu nos últimos anos.

 

Isto mostra porque a subida de impostos não é caminho aconselhável. Tem, é verdade, a vantagem de limitar a despesa das famílias e empresas, contribuindo para colmatar o desfasamento. Aliás, a crise internacional está a ter o mesmo efeito e a poupança privada começou a subir. Mas há séculos que a democracia em Portugal tem um problema: aumentar receitas do Estado apenas confirma a despesa, que depois sobe mais um patamar. Estes anos também confirmam isso.

 

A situação financeira nacional está longe de ser desesperada, até comparando bem com parceiros próximos. Os níveis ainda são razoáveis, embora cresçam assustadoramente. As boas notícias é que ainda vamos a tempo, o diagnóstico está feito, é claro e simples. Temos a dieta pensada e remédios para anestesiar o processo. Só falta quem.

 

 João César das Neves

http://www.google.pt/images?rlz=1T4SUNA_enPT292PT293&q=jo%C3%A3o%20c%C3%A9sar%20das%20neves&um=1&ie=UTF-8&source=og&sa=N&hl=pt-BR&tab=wi&biw=967&bih=415

 

In Diário de Notícias, 7 de Dezembro de 2009

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contador


contador de visitas para site

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D