Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

CATURRICES 01

 

https://1.bp.blogspot.com/_Ye7GMSaJ6s0/SZzX6YeTqNI/AAAAAAAAABE/qs0TmcNWZzI/s400/13260908Logo%2520da%2520Vivo.jpg

 

 

 

JOGOS DE SOMBRAS – I

 

 Confuso, caro Leitor, com tudo o que se diz e escreve sobre este novo enfrentamento de Portugal com Castela, que se trava lá longe, nos Brasis, que dá pelo nome propiciatório de VIVO e que parece não haver Tratado de Tordesilhas que o evite?

 

 Como não estar se:

 

- De um lado, a Comissão Europeia maldiz com todas as letras não sei bem se a golden share do Estado Português na PT, se o uso que o nosso Governo lhe veio dar;

 

- Do outro, o Governo reclama a pés juntos que o interesse nacional se confunde com a participação da PT no capital social da VIVO.

 

 São duas teses, e não mais que duas teses, a digladiarem-se. Com cada um dos contendores mais interessado em esgrimir argumentos ideológicos do que em trazer à luz do dia os princípios fundacionais em que se apoia.

 

 Atentemos, primeiro, na golden share. Não é verdade que o Estado de Direito consagra o primado da vontade dos sócios na condução dos negócios de qualquer Empresa – vontade que só tem por limites as normas jurídicas vigentes e as regras que os respectivos estatutos consagrarem? É.

 

 Não é verdade que mesmo essa vontade prevalece sobre o princípio da continuidade da Empresa, podendo muito bem os sócios deliberar liquidá-la? É.

 

 Não é verdade que, numa Empresa, os direitos sociais não têm de ser forçosamente iguais – e, se forem diferentes, devem ficar arrumados por classes de participações bem identificadas e completamente caracterizadas? É.

 

 Não é verdade que os Estados, enquanto instituições, são eles próprios sujeitos jurídicos e, nessa qualidade, não lhes está vedado participar no capital de uma Empresa, nacional ou estrangeira? É.

 

 Não é verdade que os Estados podem ser titulares de acções, seja qual for a classe que essas acções integrem, desde que as adquiram legalmente? É.

 

 Não é verdade que a golden share em causa foi adquirida pacificamente – e publicamente – na sequência do processo de privatização da PT? É.

 

 Não é verdade que os accionistas da PT – quer os que concorreram à privatização, quer aqueles que acorreram aos sucessivos aumentos de capital entretanto realizados, quer ainda os investidores que foram negociando as suas acções em Bolsa – não podiam ignorar a existência de uma golden share na posse do Estado? É.

 

 Não é verdade que a existência desta golden share poderá ter influenciado negativamente, quer o preço das acções da PT na privatização, quer os prémios de emissão nos sucessivos aumentos de capital, quer a cotação destas acções em Bolsa, de tal forma que os investidores tenham vindo a adquiri-las com algum desconto sobre o preço teórico (isto é, o preço que as acções da PT alcançariam se não existisse uma golden share)? É.

 

 Não é verdade que os accionistas da PT nunca questionaram em sede própria (a Assembleia-Geral) a existência da golden share – por exemplo, propondo a sua amortização, ou exigindo a clara definição dos direitos que a consubstanciariam? É.

 

 Não é verdade que, por diversas ocasiões, os accionistas da PT, em especial os accionistas qualificados, contaram com a golden share para levar por diante as estratégias que melhor acautelavam os seus interesses particulares? É.

 

 Não é verdade que o que está em causa é uma deliberação social e, não, a livre disponibilidade das acções da PT pelos respectivos titulares? É [Por exemplo, a golden share nunca poderá impedir que os restantes accionistas vendam as suas acções ao preço que muito bem entenderem, embora possa arrefecer o entusiasmo de eventuais compradores – o que também influencia negativamente o valor em Bolsa].

 

 Se tudo isto é verdade, então onde está a insegurança jurídica – que só isso daria à Comissão Europeia legitimidade para agir?

 

 Porque, nem a livre movimentação de capitais, nem a liberdade de estabelecimento, princípios orientadores do Direito Comunitário, ficam prejudicadas só porque um Estado Membro participa, de forma pública e pacífica, no capital social de uma Empresa privada.

 

 Uma tal participação ofenderá, quando muito, o princípio, não jurídico, mas puramente ideológico, segundo o qual não cabe ao Estado ter sociedade com investidores privados – excepto, talvez, quando isso servir para poupar esses mesmos investidores às agruras que, inevitavelmente, acompanham o desencadear de uma crise financeira.

 

 [Declaração de interesses: Deixo bem claro que alinho por aqueles que não gostam de ver partes sociais em Empresas privadas nas mãos de Governos, por mais probos que estes sejam. E que sou também avesso à amamentação de “campeões nacionais”. Mas tal não me impede de considerar perfeitamente legítima a posição contrária. É tudo uma questão de ideologia – ou, mais prosaicamente, de gostos. E gostos não se discutem.]

 

 Mas a segurança jurídica pode e deve ser discutida – neste caso como em tantos outros.

 

 O que há de ilegal (sim, digo bem, ilegal) na golden share que o Estado detém no capital social da PT é o facto de ser o Governo que, caso a caso, sem balizas nem referências, vai criar e configurar os direitos que pretende exercer enquanto accionista – impedindo, assim, objectivamente, que os restantes accionistas (e todos aqueles que tenham interesse directo legítimo na PT - os stakeholders) possam fazer prova de alegados abusos e desvios.

 

 É, pois, o facto de os direitos que consubstanciam a golden share estarem enunciados com singular imprecisão que dá razão à Comissão Europeia. E é intolerável que nesta matéria, como em tantas outras, o Governo, através de decisões arbitrárias, possa surgir como fonte de direito sem ter de dar satisfações a ninguém.

 

 Mas este não é um vício insanável, como bem se vê. Basta que o Governo submeta à Assembleia-Geral da PT o enunciado claro e preciso, quer dos direitos reunidos na golden share, quer das matérias a que esses direitos se aplicam.

 

 Enfim, que promova a alteração dos estatutos da PT nos exactos termos que a lei e esses mesmos estatutos estabelecerem, para que todos os accionistas da PT, actuais e futuros, Governo incluído, saibam, sem a menor dúvida, com o que podem contar.

 

 Dito de outro modo, que sejam repostas a segurança jurídica e a legítima confiança no seio da Assembleia-Geral da PT.

 

 Ora isto leva-nos directamente para a tese do Governo: que a participação da PT no capital social da VIVO é matéria de interesse nacional.

 

(cont.)

 

 A.PALHINHA MACHADO

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contador


contador de visitas para site

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D