Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

ENCOMIUM MORIAE – 2

  

Erasmo de Roterdão

(nascido Gerrit Gerritszoon ou Herasmus Gerritszoon; em latim: Desiderius Erasmus Roterodamus; Roterdão, 27 de Outubro de 1466 — Basileia, 12 de Julho de 1536) teólogo e humanista holandês.

 

 

Depois de em V a Loucura se ter descrito como um ser transparente e verdadeiro, o escritor acrescenta um parágrafo, que desenvolve em VI, que me parece oportuno de actualidade, no qual, exceptuadas as curiosas referências aos latinistas do seu tempo que por vezes se servem da língua grega para deslumbrar – curiosidade, aliás, cada vez mais démodée, desaparecidas as línguas clássicas dos programas do nosso ensino, com efeitos sobre reformas linguísticas para os atrasados que somos - usamos também muitas vezes as palavras novas do nosso “romanço” para igualmente seduzir, ofuscar quando não enganar, atropelando, nos discursos de sofisma com que adulteramos a verdade, confundindo, ocultando, obstruindo, troçando.

 

V, 2º & - Uma ingrata raça de homens, todavia muito da minha clientela, cora em público com o meu nome e ousa com ele injuriar os outros. São os mais loucos, os “moratatoi”, que querem passar por sábios, fazer de Thales; e não deveríamos nós chamá-los “morosophoi”, os sensatos-loucos?

 

VI – Assim, nós imitaríamos os retóricos dos nossos dias, que se julgam deuses por usarem uma língua dupla, como as sanguessugas, e consideram maravilha inserir no seu latim alguns pequenos vocábulos gregos, mosaico muitas vezes fora de propósito. Se as palavras estrangeiras lhes faltam, eles arrancam de pergaminhos apodrecidos quatro ou cinco velhas fórmulas que lançam poeira aos olhos dos leitores, de maneira que aqueles que os compreendem se empertigam, e que aqueles que os não compreendem os admiram tanto mais por isso. As pessoas, com efeito acham um supremo prazer naquilo que lhes é supremamente estranho. A sua vaidade está nisso interessada; riem, aplaudem, mexem a orelha como os burros, para mostrar que perceberam perfeitamente: “É isso, é exactamente isso!”. Mas retomo o meu tema.

 

E aqui vamos nós, neste nosso século XXI de lutas pelo poder – político, económico – de acusações de crimes e burlas e mentiras e sofismas, em que um Primeiro Ministro está implicado e ninguém consegue demonstrar que sim, porque, se está em todas, está delas fora, passando ao largo, como “os cães do Nilo” de que fala o nosso Sá de Miranda, “que correm e vão bebendo”. Um PM que manda os seus defensores para a liça, que informam, com uma seriedade escondendo troça, que “ocultar a verdade” não significa “mentir”.

 

E assim se vão entretendo, em lambedelas de beiços ávidos mas puros. Inocentes. Sem precisar de saber grego nem latim, que não estamos no tempo de Erasmo.

 

(Continua)

 

Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D