Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

EDUCAÇÃO

 

 

Ao ouvir uma vez mais o já um pouco arrastado Plano Inclinado da SIC-N, abordando neste fim-de-semana as supostas causas da degradação do ensino, percebi duas coisas: que não podemos simplificar demasiado o que não é simples, nem devemos exagerar o alarido. Ambas as atitudes comportam uma redução do pensamento e da compreensão dos fenómenos, e por conseguinte, insistir num tal estilo de retórica acaba por estiolar a motivação primeira, porventura generosa, do aviso à navegação.

 

A massificação do ensino caminha desde a década de 1970 ao lado do que poderíamos chamar, para facilitar, um ensino de qualidade, diversificado, cada vez mais especializado e sujeito a critérios exigentes de avaliação, tanto do lado de quem aprende, como do lado de quem ensina. Há por conseguinte um ensino de massas orientado sobretudo para as estatísticas e para a ocupação de exércitos crescentes de indivíduos sem lugar no mercado de trabalho, nem sequer nas actividades de diversa índole, burocrática, educativa, médica, social, ambiental, etc., que os governos têm vindo a promover no rescaldo das crises estudantis ocorridas nos Estados Unidos e na Europa na década que vai sensivelmente de meados de 1960 até meados de 1970.

 

Mas também houve, há e haverá sempre um ensino reservado à formação das elites dirigentes e à produção efectiva do saber, onde a exigência e a competição são cada vez maiores. Curiosamente, cresceram ambos a ritmos verdadeiramente exponenciais! Para entender com alguma consistência a complexidade deste fenómeno recomendo sempre a leitura do muito elucidativo The End of Work, escrito por Jeremy Rifkin.

 

Portugal apenas chegou tarde à educação de massas, cuja competição estatística externa estimula precisamente a substituição do ensino baseado no funil do numerus clausus, nos TPC (Trabalhos Para Casa), nos exames e nos chumbos por faltas ou mau comportamento, por um ensino tolerante, sobretudo destinado a ocupar os tempos livres da juventude enquanto cresce, proporcionando-lhe ambientes cognitivos e criativos tendencialmente imersivos.

 

Tudo o que as mais recentes e escandalosas reformas educativas têm vindo a introduzir no nosso sistema de ensino tem que ver com esta adaptação a uma tendência pedagógica geral no Ocidente pós-industrial. A rápida expansão desta tendência no âmbito do que poderíamos chamar a reprodução pós-moderna da força de trabalho conduziu a uma degradação dos níveis de aptidão pedagógica dos milhões de professores que foi preciso preparar ao longo deste processo de massificação educativa — cujo perímetro, por sua vez, foi sendo sucessivamente alargado, desde o infantário até às universidades da terceira idade, passando pela criação de níveis sucessivos (e de acesso alargado) de pós-graduação: mestrado, doutoramento, pós-doutoramento.

 

De um ponto de vista estatístico, a base de recrutamento profissional, nomeadamente para as áreas avançadas de conhecimento, aumentou exponencialmente. Mas o resultado paradoxal desta massificação é o desemprego estrutural crescente entre licenciados, mestres, doutores e pós-doutores!

 

Outro resultado, ainda mais nefasto para as economias, é a insustentabilidade orçamental desta fuga em frente perante os desafios da destruição tecnológica do trabalho humano. O que hoje se esconde na demagogia dos discursos políticos, corporativos e sindicais sobre a educação, é a motivação original do projecto da sua massificação.

 

Enquanto não formos capazes de pensar numa sociedade pós-capitalista, onde a actividade humana substitua a exploração do trabalho, ou pelo menos possa caminhar a seu lado como horizonte possível de libertação, sem se ver castigada por regimes irracionais e improdutivos de sujeição disciplinar ao Estado fiscal, a discussão sobre a crise educativa será sempre um tumulto de vozes sem sentido.

 

Olhai para os artistas livres, apreciai o perfume de um botão de rosa prestes a desabrochar, e só depois falai de educação! Não é trabalho, aquilo de que precisamos no futuro. Mas sim de arte, de partilha de bens e serviços, de festas e de um novo horizonte amoroso. É muito mais difícil do que disputar as migalhas minguantes dos orçamentos. Mas é sem dúvida muito mais estimulante para a nossa sensibilidade e para a nossa inteligência.

 

Maio de 2010

 

[autoRbw.jpg] António Cerveira Pinto

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contador


contador de visitas para site

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D