Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

O PONTO E A ALAVANCA

 

 

Foi Arquimedes de Siracusa que afirmou um dia – creio que já depois do lendário grito “Eureka” com que anunciou que descobrira a fórmula de obtenção do volume dos corpos, partindo da água da banheira onde se banhava – que, com um ponto de apoio e uma alavanca ele moveria o mundo.

 

Tratava-se de um sábio, talvez descrente dos mitos que explicavam a criação do mundo e a sua infinita variedade. Daí a arrogância do dito que serviria, no entanto, a outros sábios e a outras descobertas posteriores.

 

Entretanto, um povo com tendências místicas, achara que tal criação do mundo, que povos politeístas atribuíam a poéticos deuses responsáveis pela organização de guerras e a criação de heróis na Terra, fora, pelo contrário, ordenada por um só Deus e que esse Deus a ele confiara pessoalmente o seu papel nessa criação, ditando-lhe umas leis que ficaram inscritas na pedra e anunciando, progressivamente, depois de muito castigar os homens, a vinda dum Messias que com a sua morte os salvaria.

 

Politeísmo, monoteísmo, formas de justificar aquilo que o Homem procura em vão conhecer, o problema da Criação, o problema do Criador. Religiões responsáveis pela criação de obras humanas, com maior ou menor veracidade, mas cuja autoria se perde na noite dos tempos – caso das epopeias gregas, caso das narrativas da Bíblia. E todas elas de extraordinária profundidade e beleza, a par de uma criatividade que nos maravilha, mau grado a bruteza de tantas delas, aliadas ao sentido do milagre nas histórias bíblicas do Velho Testamento, e até do Novo, de que a morte de Cristo seria a mais cruel e inútil.

 

O monoteísmo, prevalecendo sobre outras formas de teísmo, na formação do judaísmo, islamismo, cristianismo, espíritos racionalistas tentariam pôr em causa, posteriormente, o problema dos dogmas, defendendo a liberdade de pensamento, combatendo a superstição, como o fizeram os filósofos da Revolução Francesa, como Voltaire, com o seu frio deísmo racionalista, ou Rousseau, com o seu poético deísmo sentimental, seguidores, de resto, da filosofia inglesa, defendendo a liberdade e a tolerância religiosas, responsabilizando a própria natureza humana pelos seus males e misérias. Muitos mais filósofos se lhes seguiram, os adeptos do agnosticismo teísta ou ateísta, que nega ao homem a possibilidade de definir cientificamente Deus, os primeiros baseando na fé a sua crença, os segundos negando Deus.

 

É esta última a posição de Saramago, que se proclama ateu e que escolhe uma personagem bíblica para condenar a Bíblia, como livro de “maus costumes”, a pretexto de que ficou marcado em criança já, pela injustiça de Jeová contra Caim.

 

Entre as várias parábolas tão poéticas ditas por Jesus aos seus apóstolos, também lembro a história do “Filho Pródigo” como uma história de injustiça, que poderia atrair igual vingança do irmão cumpridor, que nunca teve vitelo nem banquete a festejá-lo. Mas a doutrina de Cristo é de bondade e perdão, temos que a aceitar, enquanto que a de Jeová é de vingança e retaliação.

 

Não é caso para se condenar duma assentada uma obra tão extraordinária criada pelo homem, até porque, ressalvada a perícia de alguma obra sua, o ponto e a alavanca de Saramago não têm a dimensão para destruir que tiveram os de Arquimedes para construir, movendo.

 

Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contador


contador de visitas para site

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D