Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

POSTAIS ILUSTRADOS XXXIX

QUEM TEM MEDO DA REGIONALIZAÇÃO?

 

 

“Como é que se vai convencer esta malta

que está nos partidos que têm de pensar

no grupo maior?” Domingos Massena,

Empresário - 22Fev2010

 

 

Sei que a Regionalização tem muitos cépticos. No caso português, permite conseguir das coisas mais importantes que nos fazem falta: aproveitar cada bocadinho do território nacional abandonado, regressando à economia agrícola.

 

A Regionalização, tal como a idealizo, permitiria olhar o país sob uma perspectiva desconcentracionária e de ocupação global harmoniosa e que nos daria um estilo de vida mais saudável. Aproveitar a riqueza do solo mais no interior do país ou viver na montanha, por exemplo, não implica necessariamente renunciar ao conforto da vida moderna e ao recurso à tecnologia.

 

Numa recente reportagem da SIC, tivemos a oportunidade de ver e ouvir um jovem, que pretende ser pastor, afirmar que recorre à consulta na internet para saber mais sobre a profissão e negócio que pretende abraçar. O Mundo hoje é uma aldeia global. O nosso País poderia ser um conjunto de aldeias modernas e apoiadas pela tecnologia. O conforto que os grandes centros citadinos nos oferecem é uma ilusão stressante do modo como vivemos, do ritmo trepidante do dia-a-dia, da poluição doentia e outros males do progresso das grandes cidades.

 

Acreditem! Já vivi no campo e sei a diferença! Hoje se tivesse oportunidade de voltar a viver numa aldeia, fá-lo-ia e sem medo de me faltar a informação para estar actualizado, sem medo de me faltarem os livros porque as distâncias nos dias de hoje não se medem tanto em kms, mas em tempo gasto; sem medo de me faltar a alimentação, o vestuário, o calçado e o que quer que seja para viver em contacto com o Mundo e a Natureza.

 

Somos territorialmente tão pequenos que chegar à modernidade e usufrui-la não constitui problema, a exemplo, do Luxemburgo, do Mónaco e da Suiça, entre outros países de exígua dimensão territorial, mas socialmente justos e economicamente desenvolvidos.

 

O problema está na consciência que obrigatoriamente teríamos de assumir de que é preciso trabalhar e trabalhar organizadamente, sem o uso de expedientes, vulgo, desenrascanços, tão à portuguesa, para que nos fizéssemos respeitar e usufruir, deste modo, dos apoios que indubitavelmente nos chegariam por causa desse respeito a ser incutido nas entidades financeiras internacionais de crédito.

 

Os passos que já anteriormente propus, vou recuperá-los dos meus textos, que podem ser consultados neste blog, e melhorá-los. Depois podemos discutir as desvantagens da filosofia de vida futura e desenvolvimento que proponho. Tenho presente que, com esta actual opção de vida e de política que vivemos, as despesas de funcionamento do Estado não baixam e constituem um obstáculo económico-financeiro à redução de défice e da burocracia. O programa-pacto de estabilidade e crescimento e o Orçamento de Estado para o ano económico de 2010 constituíram, para mim, uma desilusão.

 

Este Governo, com as medidas que trouxe a público aumentou o fosso entre a classe pobre e a alta burguesia e, pela primeira vez, chicoteou a média e pequena burguesia (se é que esta ainda existe em Portugal), com medidas fora do contexto real de vida destas duas últimas classes sociais, com justificações da treta sobre a justiça social que emana destas medidas.

 

Resta-nos saber se o pacto é com o Diabo e o programa é para inglês ver, com o devido respeito pelo povo inglês.

 

Quanto ao Orçamento do Estado, não tenho dúvidas que se destina, apenas, a acautelar a sobrevivência dos partidos e do status quo de personas gradas e gratas do actual regime político e que contribuíram, como todos nós, para que a situação chegasse a este nível.

 

Para dar início à Regionalização era necessário assumir uma primeira medida conjuntural de fundo: O apoio financeiro e a situação financeira dos partidos do espectro político nacional dependeria apenas da contribuição dos militantes e da sua actividade lobista [*].

 

Mas, passemos a dar início à exposição de ideias para concretizar a Regionalização:

1º – Aproveitando o conceito económico de região-plano, dividir o País administrativa e politicamente em Região Norte; Região Centro e Região Sul. As regiões-plano seriam cinco, três no Continente e as duas autónomas da Madeira e dos Açores;[1]

2º – Nomear em regime provisório 3 governadores regionais no Continente, eliminando de imediato os cargos de todos os governadores civis. Não considero necessário proceder, de momento, a qualquer alteração nas Regiões Autónomas;

3º – Estes governadores teriam como tarefa imediata, pôr em marcha o estudo do processo eleitoral do lugar de Governador Regional, ficando sob a sua égide todos os serviços regionais do Estado e os serviços dependentes dos Governos Civis;

4º - O território regional e as suas fronteiras seriam definidos por Lei da Assembleia da República reunida com carácter constituinte;

5º - A equipa do governo regional seria formada por secretarias regionais, que, uma vez escolhidos os seus titulares, teria como consequência a eliminação e redefinição de todos os cargos dirigentes ao serviço da Administração Central nas Regiões, deixando de haver secretarias de estado no governo central;

6º - O governo regional submeter-se-ia a sufrágio regional, de acordo com a apresentação de um programa regional de governo;[2]

7º - As receitas próprias das regiões seriam aquelas que resultariam dos impostos provenientes da actividade económica regional, das transferências do orçamento nacional, traduzidas em empréstimos e consequente subscrição de dívida pública;

8º - Cada Região elegeria um nº de deputados regionais, tendo em conta a população residente, dos quais seriam eleitos metade para a Assembleia da República, ficando a outra metade no parlamento regional;[3]

9º - Cada Governo Regional estabeleceria incentivos próprios para consolidar a permanência da população activa na região;

10º - Cada região criaria as suas próprias soluções nas várias áreas da governação, como por exemplo na da Educação, deixando de haver necessidade de uma política nacional nesta área e do consequente Ministério e Secretarias de Estado;[4]

 

(Continua...)

 

 Luís Santiago

 

 

[*] Deveria elaborar-se uma Lei que enquadrasse e regulasse a actividade dos Lobies. Os apoios financeiros do Estado, através da Assembleia da República aos partidos com assento parlamentar é uma vergonha nacional. O contribuinte português não devia ser obrigado a sustentar actividades político-partidárias que não apoia, não subscreve e não vota. Os partidos deveriam sustentar-se financeiramente com as quotas dos seus militantes e com a promoção de actividades e festas de angariação de fundos, ou seja, adquirirem receitas como qualquer empresa;

[1] Quanto mais regiões mais cargos, mais despesas, mais edifícios públicos e mais pessoal e tudo o que isso envolve. Depois temos a questão da subsidiariedade... que tratarei mais tarde;

[2] Os candidatos deviam ser cidadãos com residência na região há mais de dez anos e deveriam ser propostos por um número (a estudar) de cidadãos da região;

[3] O nº de deputados na Assembleia da República não poderia exceder os 150. Nas Assembleias Regionais a totalidade destas não poderia exceder o nº de 250 parlamentares regionais, ou seja 50 deputados por cada uma das cinco regiões. Em consequência desta realidade, o nº de Câmaras teria de ser reduzido, bem como o nº de presidentes de câmaras, parlamentares municipais, freguesias e vogais de freguesias, em função de uma nova realidade e a necessidade de nova redefinição territorial. Esta questão trazer-nos-ia problemas de desigualdades na influência política e desenvolvimento enquanto as regiões não atingissem um nível social equilibrado. Nesta situação criar-se-iam regras de subsidiariedade, a prazo, que obstassem ao desequilíbrio político-social. Estas regras seriam revogadas logo que a região atingisse um nível de desenvolvimento capaz de assegurar a concorrência com as outras regiões;

[4] Esta opção levantaria uma questão saudável de concorrência entre as regiões que oferecessem melhores políticas de Educação. Seria necessário levantar outras questões em que a política regional, mormente, também na Saúde, deveria ser equacionada. As medidas de política geral que fossem regionalizadas teriam como consequência acabar com os lugares dos respectivos gabinetes ministeriais e secretarias de Estado do Governo Central

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contador


contador de visitas para site

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D