Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

ACORDA GENTE, NÃO HÁ OUTRA SAÍDA

 

 Foto: Mário Rodrigues
Fonte: Revista Veja (10 de Fevereiro 2010, pág. 87)
 
 
Dificilmente nos dias de hoje alguém não tem qualquer veículo de informação à mão. Com a tecnologia avançada de comunicação, através de satélites, conseguimos saber o que acontece em qualquer parte do mundo em segundos e ao vivo. O problema é que são tantas as informações que nos chegam e tão rápido, que mal se tem tempo de digeri-las e de interpretá-las.
 
A sociedade contemporânea trocou o silêncio da observação pelo barulho estridente das notícias.  Através de torrentes de imagens e de palavreado convencional elas embotam nossos sentidos, confundem as nossas ideias, paralisam os nossos pensamentos, sugerem opiniões, “fazem” a nossa cabeça.
 
No Brasil, a grande maioria da população pouco ou nada lê. As notícias e a instrução chegam através da TV. Não temos cabedal educacional para avaliar com clareza. Como povão, falta-nos uma educação básica de qualidade que instrua, que esclareça, que ensine a valorizar os conhecimentos e a herança cultural que nos faz o que somos.  E a culpa, como insinuam os nossos intelectuais, não é exclusivamente do nosso passado colonial subserviente e ignorante,  ou do cabresto autoritário dos antigos coronéis da Republica. A culpa maior é das “elites” que governaram a nação brasileira que,  através dos tempos,  relegaram a segundo plano a educação, a ponto de torná-la cada vez mais fraca e insuficiente para uma população crescente em número e em ignorância. Faltaram investimentos e interesse político verdadeiro. Qualquer um sabe que é mais fácil conduzir um povo cego de conhecimentos e financeiramente dependente do Estado,  que um povo esclarecido e economicamente auto-suficiente. Só assim pode-se tentar entender a mentalidade acomodada e permissiva da maioria da população brasileira que ignora a corrupção e mazelas do governo.  Mas o povo não é tolo, sabe que a festa um dia acaba. Afinal, o dinheiro distribuído e levado nas cuecas não cai do céu, vem de quem trabalha e produz, vem dos impostos pagos por todos nós.  Se não houver produção e nem serviços não há pão,  muito menos benefícios. A diminuição da pobreza, fantasia do governo, não acaba com a distribuição de cestas ou esmolas. Acaba dando serviço e escola, ajudando o individuo a se qualificar para o trabalho.
 
A história da civilização ocidental mostrou ao longo dos séculos, através dos estudiosos e filósofos que mudaram a mentalidade do homem e a face das nações, que o ideal de prosperidade, igualdade de oportunidades e tolerância nas diferenças só se consegue através do aprendizado e do trabalho duro e honesto. Como dizem nossos sociólogos e historiadores, se somos uma nação jovem, porque não aprender com eles, aqueles que já sentiram na pele as dificuldades da sobrevivência!
 
Temos quase dois séculos de independência e a população brasileira ainda se deixa emprenhar pelos ouvidos, ignorando a razão e o bom senso. Não sabemos argumentar, discutir o que a inteligência nos mostra dos discursos que insinuam o que a gente já sabe ou intuí,  só para dar a ideia de conivência.    Somos um país multirracial, multicultural, onde se abre espaço para todos os credos, cores e culturas. Temos uma Constituição que garante os direitos fundamentais do indivíduo, desde que não firam a soberania nacional. Só falta respeitá-la. Socialmente ainda labutamos para termos oportunidades iguais de desenvolvimento, o que só chegará com educação básica de qualidade e obrigatória para toda a nação brasileira. Não há saída milagrosa que nos traga a paz e o progresso que a bandeira nacional nos deseja e nem líder que nos dê a liberdade económica, que a gente sonha, só o estudo e o trabalho.  É isto que a história da humanidade nos mostra.  
 
Uberaba, 16/02/10
 Maria Eduarda Fagundes

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D