Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

burricadas 63

 

lá vamos, cantando e rindo
 
v        Não há discussão sobre o tema do casamento que não desagúe no argumento de que a Família é o único e definitivo esteio da Sociedade. Como poderia, então, a Sociedade sobreviver ao colapso da Família?
v        É claro que as Sociedades modernas devem mais à divisão do trabalho e à segurança jurídica do que à Família. Mas isto não invalida que a integração de novos membros numa comunidade pré-existente não seja uma questão deveras importante: nenhuma comunidade viverá para contar se não se renovar simultaneamente no plano demográfico e cultural.
v        Admitindo a bondade do argumento: de que “Família” estamos a falar? E que forma de a constituir, que tipo de matrimónio temos em mente?
v        Os Romanos, previdentes, não faziam a coisa por menos: três, talvez quatro tipos. Confarreatio (uma solenidade que veio inspirar o casamento cristão), usus (ou união livre), coemptio (baseado nas arras a pagar pelo marido) - e o raptus que, após o episódio das Sabinas, ficara mal visto, apesar de nunca ter perdido os seus adeptos. E Roma gerou um Império, sustentou-o durante vários séculos, preocupou-se com o Direito e conheceu diversas formas de divisão de trabalho.
v        Na Índia Védica, era a Sociedade que desenhava os tipos de matrimónio e não o contrário: para os sacerdotes, o ritualizado casamento brahma; para os guerreiros, os expeditos ragsava (rapto) e gandharva (união livre); para mercadores e produtores, o prático asura (compra da noiva). E dessa Índia distante veio-nos, entre outros tesouros culturais inestimáveis, o 0 (invenção genial quando há que descrever, com um módico de palavras, uns tantos à nossa volta).
v        Os nossos avós medievais pouco se afastaram do que se pode designar, com propriedade, por modelo indo-europeu de matrimónio: o casamento ritualizado, que servia às mil maravilhas para a alta nobreza, em complicadas manobras diplomáticas, reforçar o poder, preservar a riqueza e assegurar a linhagem; o rapto, onde a cumplicidade da noiva levava a melhor sobre a oposição da sua parentela; a união livre, ou barregania, ora diletantismo de poderosos, ora recurso de infanções e cavaleiros para se ligarem às grandes linhagens e, assim, ascenderem na escala social; e a compra da noiva, muito em voga entre mercadores e vilãos com cabedais. O povo, povo, esse vivia a sua vida sem se preocupar por aí além com modelos sociológicos.
v        Para uma Igreja que queria, à viva força, ser o referencial supremo dos comportamentos humanos, só um tipo de matrimónio interessava: justamente aquele onde intervinha, não tanto para selar a vontade dos noivos, mas, acima de tudo, para validar o pacto entre duas linhagens e condenar eficazmente quem o violasse.
v        A vontade que, no modelo indo-europeu (e, por consequência, romano-germânico), era a causa constituinte e a condição de validade do matrimónio, tornava-se até dispensável no modelo canónico. Para a Igreja, essencial era o seu ritual e a sua bênção.
v        Não foi fácil à Igreja impor aos povos da Europa a sua visão do casamento. Tudo começou, talvez, com o II Concílio de Latrão (1139), aquele mesmo que estabeleceu também o celibato dos religiosos (regulares e seculares). E, entre combates ideológicos e violências várias, esta era ainda uma questão longe de estar resolvida por todo o séc. XVI.
v        Como é bem de ver, não foi a Família que resulta do casamento canónico a servir de matriz às Sociedades humanas que vinham do fundo dos tempos – e das quais provimos. Como também não era esta a Família que estruturava as Nações europeias na época medieval (a Canção de Guillaume Le Maréchal (séc. XII) é disso um belo exemplo).
v        A Família que foi moldando paulatinamente Sociedades e mentalidades, à medida que ia integrando uma demografia em expansão, é a Família cognática, ou alargada – quase sempre com epicentro no lado materno. Um modelo que, forçoso é reconhecê-lo, conviveu ao longo da História com todos os tipos de casamento que referi mais acima.
v        Acontece que o dito argumento pressupõe um modelo de Família completamente diferente: a Família agnática, circunscrita ao casal e à sua prole. Esta, sim, a imagem decalcada do casamento canónico que a Lei, para facilitar a prática governativa, erigiu em modelo único.
v        É um fenómeno relativamente recente (alguns qualificam-no de “burguês”, por o considerarem coetâneo da 1ª Revolução Industrial e da criação do Estado Moderno) – e as Sociedades actuais pouco lhe devem em termos históricos.
v        Pressionada pela ideologia religiosa, esmagada por Estados que tudo queriam administrar e regulamentar, fragilizada por taxas de fertilidade que diminuíam a olhos vistos, a Família cognática estilhaçou-se - e dela já nada resta. Mas muitos de nós ainda lhe sentirmos o aconchego, num passado não tão distante assim (pelo menos à escala da História).
v        Resta saber quem a substituirá na nobre missão de integrar na civitas a geração seguinte (e os imigrantes que cheguem). A Família agnática não será certamente, por não ser suficientemente diversa nem estar suficientemente disponível – além de o fenómeno da imigração lhe escapar por completo.
v        Diversidade, disponibilidade, integração cultural e cívica, não dependência de vínculos biológicos – é a Escola que vem imediatamente à ideia. Eis uma das instituições que moldam as Sociedades estruturando-as em Estados politicamente organizados.
v        Por cá, legisladores e governantes, ao incómodo de criarem um quadro propício ao surgimento de Escolas que cultivem a diversidade, que se mostrem plenamente disponíveis, que se dediquem à integração cultural e cívica das novas gerações, que sejam as lídimas sucessoras das Famílias cognáticas, têm preferido o ingrato papel de “patrão dos professores”. Um patrão simpático, um tanto mãos-largas, que lhes garante emprego para a vida, remuneração upa, upa e reforma certinha.
v        Por isso, os sucessivos Governos/patrão, em vez de, como lhes competia, regularem e supervisionarem as escolas quanto ao modo como estas exercem o seu múnus: (1) vêem-se confrontados com conflitos sindicais em que os professores/empregados nada arriscam porque nada têm a perder; (2) à imagem dos outros patrões, têm por objectivo prioritário (a que subordinam tudo o mais) manter pacíficas as relações laborais; (3) e, para que cada professor tenha alunos que lhe justifiquem o estatuto, seja qual for a qualidade do ensino que ministre, proíbem a liberdade de escolha e não tiram partido da disciplina do mercado (mercado que deviam regular, o que não fazem).
v        Não surpreende, pois, que o ensino a todos os níveis esteja como está: num desgoverno. E que Portugal não se preocupe com a matriz do seu futuro.
 
Janeiro de 2010
 
 A. Palhinha Machado

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D