Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

MEDIDAS DE POLÍTICA PARA 2010

 

   MEDIDAS PARA RESOLVER OS PROBLEMAS DO PAÍS
 
              Em primeiro lugar, estabelecer um “Estado de Emergência Cívica” que englobe e empenhe, com responsabilidade primária, o Governo e as principais forças políticas e, com responsabilidade coadjuvante, as confederações profissionais e as organizações sindicais. O “Estado de Emergência Cívica” supõe a observância das seguintes condições básicas enformadoras:
 
      1. A instituição de um clima de moralização nacional, públicae   privada, como caldo social indispensável ao prosseguimento 
  das reformas do Estado e ao início da redução sistemática da
  despesa pública;
 
2. A imagem de competência e conduta moral irrepreensível
por parte dos servidores do Estado, a todos os níveis de
responsabilidade, como primeira medida inspiradora da
consciencialização cívica do mundo empresarial,das
organizações sindicais, das corporações e associações
profissionais e dos cidadãos em geral;
 
3. A introdução na actividade parlamentar de princípios e normas de conduta pautados pela moderação e respeito mútuo, pela continência verbal e pela noção assumida de que a pugna partidária estéril e exacerbada termina onde passa a implicar com os objectivos nacionais prementes devidamente estabelecidos por uma maioria qualificada. Será indispensável para a recredibilização da instituição parlamentar perante os cidadãos..
 
              Medidas concretas para a recuperação económica e moral do país:
                  
1. Firmar um pacto de regime entre o Governo, a oposição, as confederações profissionais e as organizações sindicais, face aos objectivos da política nacional de curto e médio prazo estabelecidos em consenso nacional e sob o patrocínio do Presidente da República;
 
                   2. Congelar ou mesmo reduzir temporariamente os vencimentos dos  servidores do Estado e as pensões mais altas, para reduzir a despesa estrutural do Estado e libertar recursos para criar emprego. É um exemplo moralizador dos sacrifícios a pedir ao portugueses e um imperativo de solidariedade nacional numa  altura em que uns têm emprego assegurado e outros não;
 
3. Recuperar a imagem de prestígio e eficiência da Justiça adequando os  códigos penais à realidade sociológica do país
e dotando os tribunais e as polícias de investigação criminal
de todos meios e recursos necessários à realização dos fins
da justiça em tempo adequado à produção do seu efeito
dissuasor;
 
4. Agravar a moldura penal prevista para os crimes de
corrupção e fuga ao fisco e acelerar o seu julgamento, para
que o Estado ou o lesado sejam ressarcidos pecuniariamente
em tempo útil e os prevaricadores cumpram penas efectivas
de prisão;
 
                5. Prosseguir sem esmorecimento as reformas do aparelho do Estado, de forma a conseguir-se uma relação custo-eficácia nos serviços públicos compatível com os objectivos de redução do peso do Estado, sem aumentar a carga  fiscal, em simultâneo com ganhos de eficiência nos serviços através de uma renovada mentalidade do funcionário público e da utilização alargada de modernas tecnologias;
 
                6. Apoiar francamente as PME’s que tenham real viabilidade económica,  por forma a aumentar a produção e a exportação de bens transaccionáveis e a criar emprego, tendo como condição  actualização e melhoria da capacitação técnica dos empresários e na formação profissional dos trabalhadores;
                    
                7.  Promover o investimento do Estado em obras públicas que tenham impacto imediato ou  a curto prazo na retoma do emprego. Em paralelo, adiar o investimento em grandes obras públicas se comprovado o seu efeito negativo no endividamento externo;
 
                 8. Afectar ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior o máximo de recursos possível para a investigação tecnológica, visando a melhoria da capacidade competitiva das nossas indústrias, estimulando-se parcerias com o exterior como a que foi firmada com a MIT. Neste âmbito, continuar a apostar nas energias renováveis para a diminuição da nossa dependência externa em recursos energéticos;
 
                9.  Melhorar as condições internas (desburocratização, benchmarking, marketing, código laboral, etc) para o incentivo ao investimento estrangeiro em indústrias de ponta que garantam  riscos mínimos de deslocalização futura das empresas;
                     
               10. The last but not the least, dado já o primeiro passo para a pacificação do ambiente à volta do ensino, tomar medidas conducentes ao aumento dos níveis de rigor e exigência na aprendizagem escolar (sem preocupação com as estatísticas), a par de uma avaliação credível dos professores e da recuperação do seu prestígio. Além disso, incrementar a segurança nas escolas.        
               
      Nota:
          Tenho pouca esperança em que se consiga implementar um qualquer “Estado de Emergência Cívica”, mas sonhar não é pecado. No entanto, sem ele continuaremos a marcar passo no mesmo sítio. Quanto às medidas concretas enunciadas, elas parecem óbvias e do senso comum, e só não são postas em prática por escassa unidade em torno do interesse nacional.
 
Tomar, 14 de Janeiro de 2004
 
Adriano Miranda Lima

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D