Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

UM PORTUGUÊS NA ANTÁRTICA - 1

 

 
IMPRESSÕES...  CONGELADAS!
 
Já diversas vezes escrevi sobre “Amigos”. Mas quando se atinge uma (provecta) idade e não só se mantém como se aumenta o número de amigos, e que todos eles são cada vez mais chegados, mesmo quando vivem longe, há que louvar a Deus e agradecer-Lhe esta bênção!
Dia5/Nov. – recebo um e-mail: “Como não o encontrei on line, p.f. ligue para o meu telefone...”
Assim que li a mensagem chamei. Só à noite consegui ligação, e lá surge a voz dum amigo, querido, que vive em Brasília, sempre atarefado. Após a troca nas normais saudações e saber das respectivas famílias, diz-me:
- Queria convidá-lo para ir a um lugar onde você nunca foi! Está preparado para isso?
A primeira coisa que me ocorreu, já que ele estava a chegar ao Rio, foi que me estaria a convidar para nos encontrarmos nalgum novo restaurante. De qualquer modo a resposta foi rápida:
- Sempre pronto! Mas que lugar é esse?
- Antárctica.
Eu sabia que este amigo, Comandante da Marinha, há já talvez dois anos, Sub Chefe do Programa Antárctico Brasileiro (PROANTAR) era o responsável pela Logística e Operações da Estação Antárctica Brasileira Comandante Ferraz. Assim que o soube neste cargo, lhe dissera que, “quando tivesse uma vaga... me levasse até lá”! Nunca mais havia pensado nisso e de repente a tal “vaga” surge!
- Quando vamos?
- Talvez dia 21; amanhã lhe telefono com mais detalhes. Agora tenho que desligar!
Fiquei parado a pensar na maravilha da possibilidade que se me deparava!
Dia 06 à tarde liga o amigo:
- É um pouco chato avisá-lo assim de repente mas para ir, é amanhã! O que acha?
- Eu vou até agora à noite! O que tenho que levar? Roupa, etc.?
- Roupa nós fornecemos, só tem que levar passaporte, carteira de identidade e xerox de ambos os documentos. E estar amanhã às 07H30 no Aeroporto do Galeão Velho, a Base Aérea, no Terminal de Passageiros do Correio Aéreo A viagem não é em avião comum. Vamos num Hércules C 130, militar, com uns assentos... meio incómodos.
- Maravilha!
Preparei uma pequena mala, alguma roupa menos carioca e no dia seguinte lá estava eu, à hora exacta prevista, com mais cinquenta, entre convidados e membros da PROANTAR. Um ministro do STM, um general, almirantes, brigadeiros, o reitor da Universidade Federal de Roraima, assessores parlamentares, comandantes da Marinha de todas as graduações, sargentos e marinheiros, técnicos para revisão dos equipamentos mecânicos e electrónicos da Estação Antárctica, além de outros convidados especiais. E, evidente, o meu amigo.
Abraços, algumas apresentações, um ligeira burocracia com os passaportes, que eu nem tive porque a organização tem um oficial que se encarrega disso – simpática e eficiente esta oficial – um pequeno briefing dando as coordenadas e etapas dos voos, e aí vamos nós para o Hércules. Lugares marcados para evitar confusões, directos a Pelotas, primeira escala.
A bordo a primeira surpresa: a comissária de bordo! A “tia” Alice, uma fantástica jovem de 82 anos, alegre, sempre preocupada com o bem-estar dos passageiros que fazia a sua 176ª viagem à Antárctica!
À chegada a Pelotas – temperatura de 5º mas com sensação térmica de 1º! - foram-nos entregues as roupas especiais, botas, capuz, etc. para o frio austral. A seguir almoço onde começa a descontracção entre os parceiros de viagem, sobretudo pela partilha de algumas garrafas de magnífico vinho, chileno, é claro!
Escala importante esta por várias razões: a primeira porque foi onde nasceu o meu avô! Talvez mais do que isso porque foi aqui que o pai deste, meu bisavô João Driesel Frick, reuniu em seu escritório, em 1869, a primeira Sociedade Abolicionista do Brasil, tendo nessa ocasião pago a libertação de quatro mulheres, e sobretudo pela visita ao Museu Oceanográfico Prof. Eliézer Rios, onde fomos recebidos pelo prof. Lauro Barcelo. Museu muito interessante pela recolha e exposição de espécimes, muito visitado por escolas e pesquisadores. O Museu dispõe ainda duma área de recuperação de animais marinhos, para cuidar deles e devolvê-los sãos ao seu ambiente. Todos os anos são centenas, às vezes milhares de pinguins que vêm visitar o Brasil... e aqui se juntam até que as condições permitam devolvê-los ao mar. Desta vez só lá restava um. Quando os visitantes se aproximaram do tanque onde nadava pacificamente, ficou animadíssimo e corria – nadava – rapidinho dum lado para o outro a olhar para cima e ver as caras dos amigos que acabam de chegar! Os amigos visitantes moviam-se e ele seguia-os! Simpático, como são todos os pinguins.
Ao lado outro tanque com um belo leão marinho que pesaria uns 300 quilos! Tranquilão, só saiu da água quando o professor o chamou. Arrastou-se, olhou à volta, sem se preocupar com os circunstantes e ali ficou a olhar “para a sua filosofia”!
Este bichinho tem uma história incrível. Chegou ali há 17 anos, recolhido, cheio de óleo, faminto. Foi tratado, alimentado e assim que estava em condições, devolvido ao mar. Não demorou a voltar. Mais uns dias e novamente levado ao mar. Mas o “leão” não estava disposto a ir embora e tentou várias vezes subir nas embarcações dos pescadores, virando algumas. Queria voltar para terra. Recolheram-no outra vez e ainda hoje lá está, “numa boa”, certamente feliz, alimentado, sem querer saber de mar para coisa alguma! Quando o professor terminou esta descrição do nosso hóspede, sai este comentário de um dos visitantes que estava a meu lado: “O Zelaya”!
Vejam bem a "cara" do Zelaya! Cansado de estar "numa boa"!
Tirando o gelo da Antárctica este foi um dos pontos altos de toda a viagem! E só podia ter saído duma mente clara e inteligente, o Ministro que nos acompanhou!
Ainda agora o “Zelaya” não me sai da ideia. Vejam bem o ar “zelayado” de quem está “na maior” a viver à custa do Brasil!
Antes de nos recolhermos ao hotel, para jantar, sempre honrando o vinho do país que nos ia receber, e passar a noite, fizemos uma rápida visita à Estação de Apoio Antárctico, onde entre outras coisas se guardam e cuidam das roupas que se emprestam aos visitantes, pesquisadores, etc. Um armazém imenso! Chama-lhe o C&A (para quem não sabe o que é: uma enorme loja de roupas que está em praticamente todos os shoppings do Brasil!)
Manhã seguinte, bem cedo, já semi-equipados para o frio que nos aguardava em Punta Arenas – 1ºC, mas sensação bem abaixo – de volta ao Hércules, vôo de 6 horas com céu quase sempre limpo, um miserável frio nos pés e uma bela vista sobre Montevideu, no Uruguai.
Continua...
Rio de Janeiro, 17 de Novembro de 2009
  Francisco Gomes de Amorim
 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D