Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

O marketing brasileiro e a política populista de antigamente

 

 
Jan van Kessel  1626-1679
(Tropical birds in a landscape)
 
Palavra inglesa, especialidade americana, o marketing é termo moderno para identificar estratégia antiga. Manobra de que se utilizaram os nossos antepassados sempre que quiseram impingir alguma ideia, produto ou serviço, em resumo, quando quiseram “fazer a cabeça” de algum incauto, “cego” ou vaidoso.
 
Quando o homem precisou explicar para ele mesmo os fenómenos que caíam sobre a Terra e que o atingiam, inventou as lendas, idealizou os mitos, para responder à instintiva curiosidade e acalmar o espírito das dúvidas e incertezas. Com a evolução dos tempos e a sofisticação dos mitos e lendas, forjou lideres que mobilizaram e manipularam os povos, nasceu a política. Marketing e política se completaram, interagiram, para atender um objectivo, fosse ele particular ou colectivo.  
 
No Brasil, o emprego de atractivas palavras explicitando meias-verdades, para “se vender o peixe,” começou com a famosa carta de Pêro Vaz de Caminha quando, entusiasmado, escrevia a D. Manuel, o Venturoso:
(...) esta terra tem tantas e tão boas águas que em se plantando tudo dá..., . ignorando os outros aspectos, climáticos, geológicos, antropológicos, geográficos, por ele ainda não suficientemente conhecidos. Daí em diante todo o Português e seus descendentes acreditaram que esta é a terra do futuro, a terra da vez.... E quando ele deixou escapar, subtilmente, que as beldades indígenas tinham “as vergonhas saradinhas...”,  excitando o imaginário masculino, criou a ideia do paraíso terrestre, do embrionário sex-appeal das  brasileirinhas.
 
 Até mesmo o padre jesuíta, José de Anchieta, protector e redutor de índios, fazia propaganda duvidosa das “novas e maravilhosas terras”, dizendo que o homem no Brasil, chegando, nem precisava trabalhar porque “aqui os frutos estão prontos para a colheita”, os nativos, é claro. Os outros, os importados,  precisaram ser adaptados ao solo e cultivados muitos anos depois, após estudos e emprego de tecnologia.
 
Mas foram os aventureiros desbravadores e bandeirantes que deram o golpe marqueteiro final quando, astutamente, faziam chamariz dizendo que no Brasil “O ouro, a prata e os diamantes estão ali, ao alcance das mãos”! Mas não mencionavam onde estavam e a que preço iriam consegui-los...
 
Assim o país da riqueza, do Tosão de Ouro, foi ocupado, colonizado e construído,  apesar da distancia da metrópole portuguesa, do mar-oceano, das montanhas e rios caudalosos, dos animais ferozes e  peçonhentos dos capões e  florestas, dos ameríndios selvagens, do calor infernal, dos mosquitos, das doenças palustres tropicais, da falta de gente para qualquer obra e frente.  Só não faltou o marketing e a propaganda politiqueira que subsistem até hoje para promover, agora,  o governo brasileiro.
 
 Maria Eduarda Fagundes
 
Uberaba, 26 de Dezembro de 2009
 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D