Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

O TRATADO DE LISBOA – 5

 

 
Antropofagia
Também o Tratado de Lisboa se alimenta dos seus próprios membros
 
 
Os governantes deveriam ter perguntado aos portugueses:
- Quer a constituição de uma Federação Europeia?
OU
– Aceita que Portugal veja diminuída a sua Autodeterminação?
OU
– Aceita que Portugal perca a sua Soberania?
 
Os resultados de um SIM ou de um NÃO eram:
Se o resultado fosse o SIM, o país passaria, e vai passar, na prática, a Estado Federado pela adopção desta Constituição e de todos os seus efeitos e perde a sua Soberania plena, perde a sua autodeterminação;
Se o resultado fosse o NÃO, o país permanecia na União Europeia não adoptando e não sendo obrigado pelo presente projecto de Tratado, ficando, assim, obrigado apenas ao cumprimento dos actuais Tratados em vigor (Roma, Maastrich, Amesterdão e Nice).
 
Como sou Europeísta, mas não quero uma Federação, não quero que o meu País perca a sua Soberania, recomendo que: (a) Todo o cidadão se bata pela redução das matérias de Integração (Federalização) exigindo ao Governo Português que o preveja no actual projecto de Tratado; (b) Todo o cidadão alerte a restante População Portuguesa para um aprofundar das Posições Federais que retiram poderes aos Estados nacionais, ao órgão Intergovernamental, o Conselho Europeu.
 
Os Governantes e o Senhor Presidente da República deveriam esclarecer politicamente a linha da cooperação intergovernamental, contra a opção federal, explicando-a por todo o País, junto dos seus concidadãos.
 
Deveria desmascarar e denunciar as matérias em que o Tratado é claramente federal em matérias que fazem parte do “Coração da Soberania” do Estado Português.
 
Já que em Portugal nada destas matérias se discutiu até agora, sugiro que sejamos nós Cidadãos a exigir dos governantes e dos políticos federalistas, (de todos os Partidos), que ponham este tema à discussão da população portuguesa.
 
Como inter-governamentalista, só um debate sério sobre este assunto de extrema importância para o futuro da União Europeia e muito grave para o futuro de Portugal se exige.
 
E não é admissível que os Federalistas chamem de anti-europeístas aos Intergovernamentalistas que pedem o debate, pois se o fizerem estarão a agir de má-fé ou pior ainda, estarão a agir como ignorantes e a enganar o povo português e Portugal.
 
Fica a responsabilidade histórica ao Sr. Presidente da República, ao Sr. Primeiro Ministro e ao Sr. Presidente da Comissão Europeia de não terem esclarecido o povo Português.
 
O futuro dirá das consequências para esta atitude inqualificável.
 
FIM
 Miguel de Mattos Chaves
Mestre em Estudos Europeus – Universidade Católica Portuguesa

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D