Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A BEM DA HUMANIDADE

 

 
 
Foto de Cesar Loureiro/Ag Globo
Local Praia de Copacabana, RJ
Fonte: Revista Veja ( 2 de Dezembro/2009)pg 136
 
 
 
O  facto é que, fora a polémica sobre o aquecimento global,  ignorando as altas pesquisas científicas,  sérias ou manipuladas,  o clima está mudando mais rápido do que se previa nestes últimos  50 anos. Qualquer um que more abaixo da linha do Equador, e que tenha mais de 60 anos, percebe na pele essa mudança.
 
No Brasil,  o Inverno (frio)  no centro-oeste não existe mais. Do rico e pouco estudado serrado não resta quase nada, só pequenas áreas de reserva  ambiental em  fazendas particulares e algumas faixas de mata marginais às estradas. A seca em certas zonas da Amazónia, antes nunca mencionada,  agora é noticia nos telejornais.  São enormes áreas derrubadas e queimadas para fazer pastos, explorar o subsolo, fazer pesquisas por nacionais e estrangeiros.
 
Avenidas e áreas residenciais de cidades litorâneas do nordeste  submergiram, em poucas décadas,  tomadas pelas águas do mar e areias.  No interior da região,  são as perenes secas levando ao êxodo a sua sofrida população, pela inoperância dos governos.  No sul e sudeste,  dunas desaparecem sob acção humana, as chuvas e os ventos, desregulados, destroem cidades com enchentes e tornados. Na Argentina, por inadequado gerenciamento ecológico, áreas pastoris viram deserto. Tudo isso são eventos geo-climáticos que, pouco apercebidosaté algum tempo atrás, agora passaram a fazer parte da nossa " rotina"  quotidiana.
 
 No mar contaminado, os corais e o micro plâncton, envenenados, se extinguem.A fauna com seu sistema de radar biológico, discinético, "aloprado", perde o rumo,  morre nas praias,  asfixiada.  Animais silvestres, em  extinção ou não,  sem espaço, invadem as urbes sujas e poluídas à procura de alimento, levando  viroses desconhecidas, contaminando mais ainda os humanos.  Nos campos, plantas, sementes  e frutos que não se desenvolvem se não forem tratados com agrotóxicos ou outros venenos, cada vez mais poderosos, para não se falar dos transgénicos. Nunca se teve tantas doenças alérgicas,  respiratórias,  dos aparelhos digestivo e imunológico,  como agora.Não há como ignorar,  seja pelo desmatamento desenfreado, ou  pela emissão dos gases,  emitidos pela digestão dos animais dos grandes rebanhos comerciais e pelas industrias;  seja pelos gases eliminados na queima dos combustíveis fósseis,  ou expelidos nas catástrofes naturais (queimadas,  vulcões), formando buracos na camada de ozónio;  seja pelacontaminação das minas e lençóis freáticos ou pela sujeira deixada pelos artefactos espaciais que circulam na órbita terrestre,   é notório perceber as mudanças físicas e climáticas que estão  ocorrendo de maneira acelerada na face  da Terra.  Está passando a hora de parar,  de reavaliar as consequências dos nossos actos, de assumir compromissos e tomar atitudes efectivas para preservar o meio ambiente para o bem da humanidade.
 
O homem actual, egoísta, com sua desmedida ambição e ilusória omnipotência,  está modificando o seu habitat, a sua casa.Talvez,  inviabilizando a vida neste lindo e azul planeta.  É preciso acordar, dar um basta. É preciso ter atitudes de respeito à vida, à natureza. É preciso garantir o futuro. 
 
 Maria Eduarda Fagundes
Uberaba, 13 de Dezembro de 2009

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D