Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

MEMÓRIAS DO PORTUGAL ATLÂNTICO

 

 
D. João V
(1689 - 1750)
 
Em meados do século XVIII, desejava D. Luís  da Cunha,   então Ministro de Portugal em Paris, que Alexandre de Gusmão, secretário privado de El-Rei D. João  V,   obtivesse a anuência real  para o seu projecto  de reunir em Lisboa a Conferência da Paz que poria fim à Guerra da Sucessão de Áustria   – na qual intervinham a  França e a Prússia, de um lado e, do outro, a Áustria e  a Inglaterra -  o que permitiria atribuir a D. João V o papel  de árbitro da paz – papel que, se assumido, dilataria a visibilidade europeia da coroa portuguesa e  consequentemente a sua ponderabilidade no concerto das nações.
D. Luís da Cunha
(1662 - 1749)
 
Gusmão cuidou  do assunto e deu conta das suas diligências  em carta a D. Luís reproduzida no livro "Inéditos de Gusmão", editado por Tipografia Guimarães, no Porto, em 1841, donde se transcreve.
 
Exmº Sr.
“Ainda que eu  já sabia, quando recebi a carta de V. Ex.ª, que  não havia de vencer o negócio em que V. Ex.ª se empenhou, com tudo por obedecer e servir V. Ex.ª, falei a S. Majestade, e aos ministros actuais do Governo.
Primeiramente o Cardeal da Mota ([1])  E me respondeu: - que a proposição de V.x.ª era inadmissível, em razão de poder resultar della ficar El-Rei obrigado ao cumprimento do tratado; o que não era conveniente. Em quanto fallamos na matéria se entreteve o Secretário de Estado, seu Irmão, na mesma casa em alporcar uns craveiros; que até isto fasem ali fora do lugar, e tempo  próprio.    
Procurei falar a S. Reverendíssima mais de três veses primeiro que me ouvisse; e o achei contando a aparição de Sancho a seu amo, que traz o padre Causino na sua Corte Santa; cuja historia ouvião com grande atenção o Duque de Lafões, o Marquez de Valença, Fernão  Martins Freire, e outros. Respondeu-me: Que Deus nos tinha conservado em paz, e que  V. Ex.ª queria metter-nos em arengas; o que era tentar a Deus.
Finalmente, falei a El-Rei  [seja por amor de Deus]. Estava perguntando ao Prior da Freguesia o quanto rendiam as esmolas das Almas, e pelas Missas que se disião por elas! Disse-me que a proposição de V. Ex.ª era muito própria das máximas Francesas com as quais V. Ex.ª se tinha connaturalisado; e que não prosseguisse mais.
Se V. Ex.ª caísse na materialidade [do que está muito livre] de querer instituir algumas Irmandades, e me mandasse falar nellas, haviamos de conseguir o empenho e ainda merecer-lhes alguns prémios”
A pessoa de V. Ex.ª ª guarde Deus como desejo, para defensa e crédito de Portugal.
Lisboa a 2 de Fevereiro de 1747.Alexandre de Gusmão, em óleo de Oswaldo Teixeira, acervo do Museu Paulista, em São Paulo
                                      Alexandre de Gusmão
                                             (1695 - 1753)
 
 
João da Mota e Silva
Cardeal da Mota
(1685 - 1747)
 
"O tempora, o mores", diria Cícero. Como as coisas mudam! Pouco mais de dois séculos e meio depois, reuniam-se em Lisboa os chefes de Governo europeus para ratificarem o instrumento diplomático que estabelece a nova Constituição Europeia e leva o nome de Tratado de Lisboa. Os sonhos e desejos de D. Luís da Cunha (discretamente partilhados por Gusmão)  realizaram-se mas para isso foi preciso primeiro acabar com "as arengas" europeias. E isso levou o seu tempo.
 
Estoril, 5 de Dezembro de 2009
 
 Luís Soares de Oliveira
 


[1] Primeiro Ministro

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D