Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

MEMÓRIAS DO PORTUGAL ATLÂNTICO

 

 
D. João V
(1689 - 1750)
 
Em meados do século XVIII, desejava D. Luís  da Cunha,   então Ministro de Portugal em Paris, que Alexandre de Gusmão, secretário privado de El-Rei D. João  V,   obtivesse a anuência real  para o seu projecto  de reunir em Lisboa a Conferência da Paz que poria fim à Guerra da Sucessão de Áustria   – na qual intervinham a  França e a Prússia, de um lado e, do outro, a Áustria e  a Inglaterra -  o que permitiria atribuir a D. João V o papel  de árbitro da paz – papel que, se assumido, dilataria a visibilidade europeia da coroa portuguesa e  consequentemente a sua ponderabilidade no concerto das nações.
D. Luís da Cunha
(1662 - 1749)
 
Gusmão cuidou  do assunto e deu conta das suas diligências  em carta a D. Luís reproduzida no livro "Inéditos de Gusmão", editado por Tipografia Guimarães, no Porto, em 1841, donde se transcreve.
 
Exmº Sr.
“Ainda que eu  já sabia, quando recebi a carta de V. Ex.ª, que  não havia de vencer o negócio em que V. Ex.ª se empenhou, com tudo por obedecer e servir V. Ex.ª, falei a S. Majestade, e aos ministros actuais do Governo.
Primeiramente o Cardeal da Mota ([1])  E me respondeu: - que a proposição de V.x.ª era inadmissível, em razão de poder resultar della ficar El-Rei obrigado ao cumprimento do tratado; o que não era conveniente. Em quanto fallamos na matéria se entreteve o Secretário de Estado, seu Irmão, na mesma casa em alporcar uns craveiros; que até isto fasem ali fora do lugar, e tempo  próprio.    
Procurei falar a S. Reverendíssima mais de três veses primeiro que me ouvisse; e o achei contando a aparição de Sancho a seu amo, que traz o padre Causino na sua Corte Santa; cuja historia ouvião com grande atenção o Duque de Lafões, o Marquez de Valença, Fernão  Martins Freire, e outros. Respondeu-me: Que Deus nos tinha conservado em paz, e que  V. Ex.ª queria metter-nos em arengas; o que era tentar a Deus.
Finalmente, falei a El-Rei  [seja por amor de Deus]. Estava perguntando ao Prior da Freguesia o quanto rendiam as esmolas das Almas, e pelas Missas que se disião por elas! Disse-me que a proposição de V. Ex.ª era muito própria das máximas Francesas com as quais V. Ex.ª se tinha connaturalisado; e que não prosseguisse mais.
Se V. Ex.ª caísse na materialidade [do que está muito livre] de querer instituir algumas Irmandades, e me mandasse falar nellas, haviamos de conseguir o empenho e ainda merecer-lhes alguns prémios”
A pessoa de V. Ex.ª ª guarde Deus como desejo, para defensa e crédito de Portugal.
Lisboa a 2 de Fevereiro de 1747.Alexandre de Gusmão, em óleo de Oswaldo Teixeira, acervo do Museu Paulista, em São Paulo
                                      Alexandre de Gusmão
                                             (1695 - 1753)
 
 
João da Mota e Silva
Cardeal da Mota
(1685 - 1747)
 
"O tempora, o mores", diria Cícero. Como as coisas mudam! Pouco mais de dois séculos e meio depois, reuniam-se em Lisboa os chefes de Governo europeus para ratificarem o instrumento diplomático que estabelece a nova Constituição Europeia e leva o nome de Tratado de Lisboa. Os sonhos e desejos de D. Luís da Cunha (discretamente partilhados por Gusmão)  realizaram-se mas para isso foi preciso primeiro acabar com "as arengas" europeias. E isso levou o seu tempo.
 
Estoril, 5 de Dezembro de 2009
 
 Luís Soares de Oliveira
 


[1] Primeiro Ministro

 

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D