Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

VIVER A VIDA

 

 
 
 
 
Dentro da visão cultural ocidental, a morte sempre foi vista como um mal a ser combatido. Morrer, perder um ente querido, um amor, um emprego, algo material ou uma posição social, são situações para as quais não somos treinados para  encara-las como coisas naturais da vida. Desde que abrimos os olhos e passamos a perceber o que nos rodeia somos programados para tê-las, não para perdê-las.
 
Mas, como diz a música de Vinicius de Morais e Toquinho, Sei lá... A vida tem sempre razão, quando nascemos, começamos a morrer. Não há perdas sem ganhos, não há ganhos sem perdas. E é assim no viver. Morremos e renascemos todos os dias, através das nossas células, num se repetir, “ad eternum”, como um xérox biológico que se apaga pouco a pouco com o tempo, trazendo outros contornos, até desaparecer. São as mudanças e transformações que aparecem no nosso corpo, no entanto,  na mente,  permanece a ideia inalterada do EU, da individualidade do Ser. Perdemos as formas de criança, ganhamos as de adolescente, de adulto e de velho, num perde e ganha, alternadamente, até que, como todos os seres viventes, desaparecemos e voltamos à terra para fazer parte dela novamente.
 
Ter medo de morrer, de como a morte virá nos recolher é natural, é o medo do desconhecido. Porém, devemos procurar entender que a morte faz parte da vida e que ela deve ser aceita, mesmo com tristeza, quando não há mais jeito de evitá-la. Mesmo os profissionais da Medicina têm dificuldade em administrar esse facto. Com remédios e procedimentos cada vez mais sofisticados, muitas vezes postergam a morte do indivíduo, mantendo as funções vitais por aparelhos, quando o cérebro já morreu. É a tecnologia querendo ser Deus.  Devemos reaprender com os antigos, a respeitar a natureza, quando não há mais condição digna de vida, a aceitar o direito humano à ortotanásia.
 
Prolongar a vida, não é adiar artificialmente a morte. É simplesmente criar a ilusão que podemos enganá-la, posterga-la, que somos “temporariamente” imortais. Bom mesmo é viver a vida, da melhor maneira possível, sendo felizes e fazendo os outros felizes, lembrando todo o dia, ao abrir os olhos, que a nossa companheira inseparável está ali, ao nosso lado, esperando, para nos tornar eternos.
 
 Maria Eduarda Fagundes
Uberaba, 22 de Novembro de 2009.
 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D