Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

PORTUGAL, UM ÍCONE MUNDIAL - 4

 

UM PAÍS DE MISSÃO
 
 
CRIADORES E INTÉRPRETES DA ALMA LUSA
 
7. Às vezes as pessoas entram em crise de identidade. Querem desvendar mistérios. Querem saber mais, ir mais fundo. Captar o sentido da vida e do mundo.
Sou cidadão do mundo, com todas as suas complexidades, pluralidades e paradoxias.
Mas o que eu queria saber é por que tantos têm um carinho especial por “esse pedaço de terra”, na parte mais ocidental da Europa, de frente para o mar... aclamado como “Jardim da Europa”.
 
Repito que gostaria de não ter nascido neste país, para não o amar por obrigação, mas por devoção, por conhecimento e amplitude de visão e para poder dar um testemunho por vivência e convicção.
Por outro lado, acho isto uma sem-razão, pois não somos nós que escolhemos o nosso lugar para nascer.
Nascer em certos lugares é mais que uma eventualidade, é uma missão.
 
8. Por que este país merece tanto respeito, carinho e amor, de tanta gente de destaque e de visão, do mundo inteiro, há tantos séculos? Abra os ouvidos e escute; abra os olhos e leia, solte a língua e fale.
·        Por que Camões produziu essa prodigiosa obra: “Os Lusíadas”, cantando o País e sua Gente, seus Feitos e o seu Futuro? Só um grande país poderia despertar tão grande amor, num mortal genial:
Para tão grande amor tão curta a vida
 
            No final do Poema, Camões celebra a tarefa, preocupado, dando a missão por cumprida:
Não mais musa, não mais,
que a lira tenho destemperada
e a voz enrouquecida
 
·        Por que Vieira produziu alguns de seus Sermões monumentais, para exaltar o seu país, se no próprio país recebeu tantos revezes? Por que colou, à imagem de Portugal, o mito fantástico do V Império, como a missão matricial de seu país?
O português tem Portugal para nascer
E o mundo inteiro para viver
 
·        Por que Fernando Pessoa dedicou poemas e meditações tão profundas e monumentais ao seu País, elevando-o aos píncaros das estrelas?
 
 “A Europa (...)
Fita, com olhar esfíngico e fatal,
O Ocidente, futuro do passado.
O rosto com que fita é Portugal”
 
Pessoa dá-nos também o lado trágico do País, ao glorificá-lo:
“Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal ”
É o próprio Pessoa que nos revela as dimensões da “Pátria”, nos quatro cantos do mundo:
Nossa Pátria é a Língua Portuguesa
 
            Afirmo, com lealdade: não me consta que Camões, Vieira e Pessoa sejam pessoas sentimentais, de parco conhecimento e deficitária inteligência.    
            Mas porque não ouvir também as lições de Teixeira de Pacoaes, de Agostinho da Silva, e de tantos mais?
 
(continua)
 
Setembro de 2009
 
 José Jorge Peralta

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2004
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D