Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

PENSAMENTOS MATINAIS - 6

 

 
 
A arte de envelhecer
  Para De Gaulle, “a velhice é um naufrágio”. Para Anselm Grün “a velhice é a libertação” (da  pressão dos outros). Finalmente,  para Carl Gustav Jung, velhice deveria ser renovação mediante regresso à natureza: - “um idoso que não é capaz de escutar o murmúrio do riacho que corre da montanha até ao vale, o sussurro da brisa na folhagem do arvoredo, de cheirar o rasto da raposa que por ali passou, de se deleitar com o canto da toutinegra e o arrolar das rolas é um tolo, uma múmia espiritual congelada no passado. Repete tudo maquinalmente até à mais ínfima banalidade”.
Quem tem razão?
 
+++
 
Receitas de felicidade
 
 O frade beneditino disse: - “Feliz é aquele que acredita no que faz”. O sábio pós-modernista diria: - aquele que de si troça é o único que consegue libertar-se do peso avassalador do ego e assim tornar-se livre e feliz como uma gaivota.
Nesta matéria, eu sou pós-modernista.
 
+++
Remorsos imperiais
 Mais um livro – o de João José Brandão Ferreira, Portugal, o Ultramar e a Guerra Justa – em que autor e prefaciadores atribuem responsabilidades – colectivas e individuais - pela queda do Império lusitano. Mordem neste ou naquele, disparam para aqui e para acolá. É próprio da sua natureza.
E isto tudo para quê?  Não vale a pena chorar sobre o Ultramar “derramado”. O império não volta. Nunca mais! Mas ficou lá alguma coisa. Os africanos precisam de nós e mais agora do que dantes. Será talvez aí que valeria a pena assentar os caboucos de um projecto nobre.
 
+++
 
Franco, o invasor
 
  O historiador espanhol Manuel Ros Agudo escreveu um livro e pronunciou uma conferência revelando ao mundo a sua "descoberta" do plano militar que Franco teria encomendado para invadir Portugal, em finais de 1940. Segundo Ros, Franco queria apossar-se da Gibraltar e do Marrocos. A Espanha já detinha, sob Protectorado,  1/3 do Marrocos e ele ambicionava deitar mão aos restantes 2/3, então sob Protectorado da França. No caminho, ocuparia Portugal a fim de evitar que os ingleses usassem a nossa costa para atacar a Espanha. Para tal, segundo Ros, teria encarregado alguns generais de estudar o plano de invasão. Ora planos para conquistar Portugal  não constituía  novidade no tempo. Era habitual nos altos comandos do exército espanhol estudar planos de invasão de Portugal. O próprio Franco tinha defendido  um projecto desses  no seu exame para general, 15 anos antes. Sabe-se que Franco pediu a Hitler ajuda para invadir o Marrocos. Portugal ficaria por conta do Exército alemão. Levou resposta negativa em Hendaya (Junho 1940). Podia ter-se dado o caso de Franco se ter convencido posteriormente de que a Alemanha iria tentar a invasão da Inglaterra. Se isso acontecesse, ele ficaria com as mãos livres para deitar mão a Portugal, Marrocos e Gibraltar. Tirou-se pois dos seus cuidados e mandou preparar o plano. Talvez, mas a verdade é que nenhuma medida foi tomada para dar execução ao mesmo: - não houve mobilização, concentração de tropas na fronteira, aumento de produção na indústria de armamentos, e outras manifestações típicas em tais circunstâncias.  O investigador Ros precisará descobrir mais coisas para provar a sua teoria.
 
+++
 
Caim & Abel 
 
  O padre que foi à televisão corrigir um escritor que recentemente
tratou em livro este tema bíblico precisaria – ele também – ser corrigido. Caim e Abel não representam, como ele disse,  a luta entre o rural e o urbano – problema que não se punha no tempo – mas entre o nómada e o sedentário. O sedentário matou o nómada e assim aconteceu por toda a parte, excepto em Espanha, onde a transumância de alguns impediu o cultivo das terras para o bem de todos. Há cerca de 100 anos, Tomás da Fonseca, no alto do Caramulo, procedeu de modo original. Mostrou aos pastores locais – nómadas – que o pinheiro rendia mais do que a ovelha. Gradualmente, os pastores passaram a plantadores;   no processo,  deixou de haver fogos por aquelas serranias.
 
 Luís Soares de Oliveira
 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D