Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

PELA ROTA DA ÍNDIA – III

 

 
 
Ao longo dos 47 anos que mediaram entre 1961[1] e 2008, os lusófonos goeses não se esqueceram de Portugal apesar de terem estado literalmente abandonados à sua sorte entre Dezembro de 1961 e Abril de 1974;estiveram efectivamente abandonados até à abertura do Consulado Geral de Portugal em Goa;deixaram a quase clandestinidade em que se sentiam quando o Consulado Geral foi inaugurado em Abril de 1994; viveram intensamente todas as vicissitudes por que o processo de normalização das relações bilaterais entre a Índia e Portugal foi passando e entenderam esse percurso enquanto parte integrante de uma catarse de aproximação, pacífica convivência e eficaz cooperação face aos desafios comuns que enfrentam as culturas portuguesa e indiana; continuam actualmente a sentir a pressão que os nacionalistas radicais indianos exercem contra eles mas já consideram possível viver livremente sem mais necessidade de se barricarem; têm os antigos territórios portugueses na Índia como partes inquestionáveis da União Indiana e recusam qualquer espécie de neo-colonialismo; apenas pretendem falar livremente a nossa língua, a de todos nós, universal e veículo de um pensamento próprio; pretendem ensiná-la livremente e alargar o seu âmbito àqueles que a reconhecem como língua obrigatória rumo ao futuro global, urbi et orbi; querem sentir-se em plena legalidade, o que confere à língua o seu próprio espaço e que dignifica também todas as outras posturas oficiais, maioritárias ou de expressão menos intensa; apesar de todas as contrariedades, não deixaram morrer a língua portuguesa porque a falavam quase às escondidas em casa e isso apesar de logo no início de 1962 a Igreja da sua devoção se ter passado para a língua inglesa.
 
Gate of Velha Goa
Porta dos Vice-reis - Velha Goa
 
E foi pelo ano de 1997 que, contra ventos e marés, a Sociedade da Amizade Indo-Portuguesa iniciou cursos de língua portuguesa para adultos. Mesmo antes de se saber qual o programa curricular, logo apareceram interessados em retomar contacto formal com a língua que assim abandonava as trincheiras em que se escondera durante tantos anos. Mas também aqueles membros de casamentos mistos que queriam passar a entender a língua da família do consorte, os Advogados que queriam passar a aceder directamente aos Códigos legais por que ainda hoje o Direito se rege em Goa abandonando as traduções nem sempre fiáveis, os que acalentavam a ideia de adquirirem a nacionalidade portuguesa e daí um passaporte que lhes desse acesso ao Espaço Schengen, enfim, os jovens em paz com a História do seu Estado que lhe queriam sentir a alma escondida pelos políticos.
 
Decorridos 10 cursos, a média de conclusões por curso elevou-se ao fantástico número de 92 e o 11º abriu em finais de 2008 com 120 inscrições.
 
Estes cursos compõem-se de quatro graus sendo o primeiro destinado a quem se inicia e o quarto aos alunos mais avançados. Decorrem em Panjim e Margão durante um ano lectivo (cerca de 9 meses a 3 horas semanais) em horário post-laboral e são ministrados por Professores recrutados em Portugal.
 
Também com Professores recrutados em Portugal, os cursos de conversação destinam-se aos alunos que concluíram o 4º grau dos cursos de língua portuguesa e foram imaginados para um máximo de 15 participantes. O primeiro curso deste género decorreu no segundo trimestre de 2007 e teve que ser desdobrado em dois grupos de 15 alunos (um dos grupos a funcionar em Panjim e o outro em Margão) para melhor corresponder à procura. Com a duração de três meses ao ritmo de três sessões semanais, mostrou ser um complemento da maior valia para a obtenção de vocabulário e fluência. O segundo curso de conversação decorreu no primeiro trimestre de 2009 com 30 alunos repartidos em duas turmas, à semelhança do curso anterior.
 
Daqui resulta que da perseverança destes «portugueses abandonados», verdadeiros heróis da lusofonia, em Goa já não são só os mais idosos que falam português e a nossa língua deixou de ser um tabu. A tal ponto que – após décadas de temor – na Universidade de Goa abriu recentemente a Delegação do Instituto Camões na função que lhe é peculiar de formação de formadores.
 
Chegou, portanto, a hora de servir todos os escalões etários e de alargar o ensino da língua portuguesa a outras localidades do Estado de Goa.
 
Eis porque vai brevemente ser inaugurada aEscola da Amizade Indo-Portuguesa destinada a crianças com 7 anos de idade que já frequentem o ensino indiano de língua inglesa.
 
Funcionando por anos lectivos de 9 meses ao ritmo de três aulas semanais de uma hora, terá quatro graus à semelhança dos cursos já ministrados aos adultos mas acrescerão à língua portuguesa as matérias relativas à História e Geografia.
 
Com sede em Panjim na Sociedade da Amizade Indo-Portuguesa, pretende-se que sucessivamente abra delegações em Margão, Mapusa, Vasco da Gama e Pondá. Os professores serão recrutados localmente mas haverá um coordenador pedagógico oriundo de Portugal.
 
Se houver crianças goesas a comunicar entre si em português, então será possível encarar o futuro da nossa língua naquele Estado indiano com verdadeira esperança.
 
Quinhentos anos de Cultura Portuguesa na Costa do Malabar justificam os nossos esforços e acalentam os nossos sonhos no sentido de que da tolerância frutifiquem claros benefícios sobretudo para os residentes locais. Esforços e sonhos maioritariamente privados que passam ao largo de especial empenhamento público.
 
“O sonho comanda a vida”[2] e nós sonhamos com que de tão forte interculturalidade histórica resulte um modelo específico de desenvolvimento único em toda a União Indiana e que a língua portuguesa se revele um instrumento eficaz de aproximação da Índia ao espaço lusófono.
 
Mas a Índia não se esgota em Goa e haverá que multiplicar as iniciativas em Damão e em Diu para não falar ainda de Bombaim, Chaúl e Cochim onde também permanecem traços humanos da secular presença portuguesa.
 
Também o Oriente não se esgota na Índia e por isso não nos podemos esquecer dos lusófonos de Larantuca (nas Molucas, hoje território indonésio), dos de Malaca e dos de Baticaloa (no actualmente belicoso Sri Lanka[3]). A todos eles devemos acorrer antes que morram no desespero de mais séculos de espera.
 
Hoje, felizmente, o vizinho não nos induz a presença da famigerada Inquisição que pela mão dominicana também a partir de Goa semeou o ódio inter-religioso[4]. Assim, estamos em boas condições para seguir o exemplo que Afonso de Albuquerque há quase quinhentos anos nos ensinou de que a convivência se cultiva e a Fé não se discute.
 
A bem da paz e da concórdia, as que faltam.
 
Eis o que me move em relação aos luso-descendentes na rota da Índia e para além da Taprobana; falta imaginar o que deveremos fazer pelos luso-ascendentes no azimute do Cabo Finisterra.
 
Sim, porque «o sonho comanda a vida»[5].
 
Lisboa, Novembro de 2008
 
 Henrique Salles da Fonseca
 
(in Boletim de 2009 da Academia Galega de Língua Portuguesa – pág. 123 e seg.)
 
 
 
BIBLIOGRAFIA:
 
·          Boxer, Charles R. – “O IMPÉRIO MARÍTIMO PORTUGUÊS 1415-1825”, Edições 70, Lisboa, Setembro de 2001
 
·          Vasconcellos e Menezes, José de (Médico, Capitão-de-mar-e-guerra) – “ARMADAS PORTUGUESAS – apoio sanitário na época dos Descobrimentos”, Academia de Marinha, Lisboa, 1987


[1]- A invasão de Goa, Damão e Diu pelas Forças Armadas Indianas ocorreu no dia 18 de Dezembro de 1961
[2] - Pedra filosofal, António Gedeão
[3] - Onde já identifiquei o porta-voz dos «portugueses» de Baticaloa, o Senhor Sonny Ockersz, com quem tenho mantido contactos preparatórios de algo que ainda não nasceu.
[4] - Francisco Xavier SJ, nascido no Castelo de Xavier, Navarra, missionário no Oriente, pediu ao rei D. João III que enviasse a Inquisição para Goa. O rei acedeu (como já acedera ao pedido dos reis espanhóis para a introduzir em Portugal). O missionário morreu na China, foi sucessivamente trasladado para Malaca e para Goa; cognominado o Apóstolo do Oriente, foi canonizado e ficou na História conhecido por São Francisco Xavier.
[5] - Pedra filosofal, António Gedeão

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D