Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

OCIDENTAL PRAIA LUSITANA

 

 

 

 

 

A Apoteose de Homero - Ingres, 1827
Museu do Louvre
Imagem de: Ministère de la Culture (France)

 

 

«La Guerre de Troie n’aura pas lieu»

É uma peça de teatro de Jean Giraudoux de 1935 que põe em cena personagens da Ilíada, em sofisticada intriga que as vai definindo segundo as características que já apontavam, não só na epopeia como na tragédia clássica, acrescidas da visão satírica do escritor Giraudoux, em antevisão de uma guerra mundial que teria lugar poucos anos depois.

Assim, contra a opinião receosa de uma Andrómaca, grávida de Astianax, de que a guerra de Tróia não aconteceria, a bela Cassandra, sua cunhada, por todos encarada cepticamente como profetiza da desgraça, segundo os poderes que lhe dera Apolo, decide afirmar que iria ter lugar, mordaz nas suas observações constantes, de um cinismo esclarecido sobre os homens e o mundo.

Nem Heitor, sensato e futuro pai, amante da sua casta Andrómaca, nem o marialva do Páris, seu irmão, não mais apaixonado por Helena, que ele raptara a Menelau, rei de Esparta, eram a favor de uma guerra, decidindo pois, a conselho do irmão, enviá-la de retorno à Grécia, para evitar o conflito.
Mas Helena a todos seduzira com a sua beleza, os velhos adoravam-na, o próprio Príamo, o rei de Tróia, pai daqueles filhos e de muitos mais, fora seduzido, concordando com a necessidade de uma guerra para criar heróis, contra as súplicas das mulheres...
Assim, entre os belicistas, contar-se-ão Demokos, como agente de provocação, de um lirismo banal e de um idealismo mais perverso e lúbrico do que sincero, defendendo a guerra em nome de abstracções – beleza, coragem, heroísmo – despidas de consistência. Príamo, senil, desejoso de uma vida sem entraves, apaixonado por Helena, embora casado com a velha Hécuba. Tornar-se-á oponente à guerra por submissão. O Geómetra mascara os seus sentimentos pessoais de lubricidade sob a demonstração exaltada do alcance da imagem de Helena, por meio de imagens do domínio da geometria, provocando o cómico de linguagem. A multidão, como personagem colectiva, igual a todas as multidões.
Dentre os pacifistas, contam-se Heitor, prudente, sensato, realista, honesto, responsável, com experiência da guerra e dos seus horrores. Hécuba, ciumenta, patriota, sensata, psicóloga, desdenhosa. Cassandra, irónica, agressiva, sem ilusões. Páris, cedendo por fraqueza, por cobardia, por aborrecimento contra o espírito de família, por indiferença de boémio que por nada se interessa, em realidade. Andrómaca, fraca, receosa, amorosa, defendendo a sua felicidade, o seu direito à estabilidade.
Dentre todos, sobressaindo Helena: astuta, jamais se comprometendo, por indiferença egoísta, também. Feminina, felina, aceita facilmente as homenagens, sem emoção nem interesse por nada nem ninguém, mas com observações de uma profundidade que traduz uma filosofia de vida e uma argúcia cheia de ironia, contrastando com a sua aparente futilidade.
Contra ventos e marés, em ondas sucessivas de hipóteses que apontam para a esperança da paz ou o receio da guerra, outras personagens actuando como mediadores (Ulisses) ou provocadores (Demokos, morto por Heitor, confessando, ao morrer, confirmado por Abnéos, ter sido o grego Oiax que o assassinara). Estava dado o rastilho, feita a declaração da guerra.
Elle aura lieu” disse Hector, desprendendo-se das mãos de Andrómaca, enquanto “as portas da guerra se abrem lentamente”. “La parole est au poète grec”, concluirá Cassandra.
E, no último canto da Ilíada – XXIV - poderemos ler, na excelente tradução de Frederico Lourenço, a referência a Cassandra, que só ela se apercebera da morte de Heitor:
“... porém Cassandra, semelhante à dourada Afrodite, / subira a Pérgamo e de lá avistou o pai amado / em pé no carro e o arauto, mensageiro da cidade. / Viu Heitor jazente num esquife, puxado pelas mulas. / Emitiu um grito ululante e disse a toda a cidade:   //  “Vede, Troianos e Troianas! Vinde e vede Heitor, / se alguma vez vos regozijastes ao vê-lo regressar vivo da batalha: / à cidade era ele uma grande felicidade, assim como a todo o povo.”
Esperança na construção, receio da destruição. Estamos todos contidos, na nossa campanha eleitoral, como personagens da comédia de Giraudoux. Também a nossa guerra vai ter lugar, com a morte de Heitor, com a destruição de Tróia.
Não a da ilha fronteira à serra da Arrábida, mas toda a “ocidental praia lusitana”.

 

Berta Brás

 

 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D