Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

O FALSO DILEMA

 

 
Isto passou-se há mais de 50 anos em Nova York. Estava eu então impressionado (pessimamente) com a enormidade dos estragos, incómodos e até violência causados por uma greve nacional dos teamsters – motoristas de caminhão – quando, numa troca de impressões com um empresário (média empresa), lhe ouvi o seguinte comentário aos acontecimentos: “É o preço que temos que pagar pelo progresso. As greves  têm contribuído para elevar o nível de salários e este, por seu turno, alargou o mercado interno para as indústrias. Estragar para melhorar poderá parecer um processo absurdo, mas funciona”.
 
A verdade é que depois de ouvir a observação do meu interlocutor self-made man, alterei gradualmente a minha perspectiva sobre a questão social. Onde eu via um conflito irredutível passei a ver uma fonte de sinergias virtuosas. Adquiri uma certeza: embora o diagnóstico de Karl Marx estivesse correcto, o seu prognóstico era falacioso. A luta de classes existia mas não era preciso acabar com ela mediante eliminação de um dos antagonistas. Em 1989, em Berlim, tivemos a confirmação: suprimida uma classe e acabado o conflito, a sociedade comunista entrou em entropia e apagou-se. A ideologia “eterna” faleceu ali e então.
 
Já nos anos 90, quando estudei o fenómeno do desenvolvimento económico sul-coreano, constatei que os preconizadores do modelo tiveram o cuidado de provocar artificialmente uma  luta de classes. Foi criada uma classe capitalista, arrebanhando os especuladores que tinham conseguido fazer fortuna durante a Guerra de 1950. Exigiu-se-lhes  que criassem as indústrias constantes do programa oficial. Se o não fizessem, os seus bens ser-lhes-iam confiscados ao abrigo de uma lei do enriquecimento ilícito então promulgada. As greves e outros processos de luta pacíficos - ainda que por vezes violentos - foram consentidos; tais actividades não podiam contudo colidir ou reduzir o horário laboral (48 horas por semana). E assim, em 30 anos, a Coreia do Sul passou de um dos países mais pobres do mundo para um dos 10 países com mais elevado rendimento per capita.
 
Diria pois que até hoje, o dilema capital-trabalho foi um falso dilema. Os dois factores completaram-se e funcionaram como êmbolos alternados da mesma máquina: um empurrou, o outro puxou. Aliás já o Romanos da República tinham chegado a conclusão semelhante: duas vezes (471 e 419 a.C.,) a plebe encaminhou-se para as montanhas com o intuito de se eximir ao domínio opressor dos patrícios; duas vezes os patrícios lhe concederam regalias na condição de voltarem e duas vezes a plebe regressou a Roma. E a República durou mais 4 séculos.
 
+++
 
O ciclo virtuoso dá porém sinais de esgotamento. O grau de automatização e informatização atingido nos últimos anos dificulta, senão mesmo invalida, a conjugação dos opostos. A sede de lucro do burguês capitalista impõe hoje ao capital aplicações que já não servem para criar emprego e multiplicar as oportunidades de progressão oferecidas ao trabalhador. A economia pede cada vez menos mister e cada vez mais conhecimento. A empresa aproxima-se da universidade e afasta-se da escola industrial.
 
A isto tudo acresce o problema do ambiente. Poderemos continuar a produzir e consumir a este ritmo alucinante? Ao que dizem os entendidos, a resposta é negativa. Os frutos do sistema tornam-se pois menos acessíveis a crescente número de pessoas. Entramos assim no ciclo da exclusão.
 
+++
 
O “Clube de Roma” já tinha profetizado que, como resultado do desenvolvimento tecnológico acelerado, o mundo se tornaria caótico e assistiríamos a grandes perturbações de cunho político, económico e ambiental.
 
O que fazer em tais circunstâncias?   Desconfio que, de momento, ninguém tem respostas. Uma coisa contudo é certa: as soluções de ontem não servem. Vamos ter que tactear prudentemente em busca de novas saídas.
 
Estoril, 22 de Setembro de 2009
 
 Luís Soares de Oliveira
 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D