Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

O FALSO DILEMA

 

 
Isto passou-se há mais de 50 anos em Nova York. Estava eu então impressionado (pessimamente) com a enormidade dos estragos, incómodos e até violência causados por uma greve nacional dos teamsters – motoristas de caminhão – quando, numa troca de impressões com um empresário (média empresa), lhe ouvi o seguinte comentário aos acontecimentos: “É o preço que temos que pagar pelo progresso. As greves  têm contribuído para elevar o nível de salários e este, por seu turno, alargou o mercado interno para as indústrias. Estragar para melhorar poderá parecer um processo absurdo, mas funciona”.
 
A verdade é que depois de ouvir a observação do meu interlocutor self-made man, alterei gradualmente a minha perspectiva sobre a questão social. Onde eu via um conflito irredutível passei a ver uma fonte de sinergias virtuosas. Adquiri uma certeza: embora o diagnóstico de Karl Marx estivesse correcto, o seu prognóstico era falacioso. A luta de classes existia mas não era preciso acabar com ela mediante eliminação de um dos antagonistas. Em 1989, em Berlim, tivemos a confirmação: suprimida uma classe e acabado o conflito, a sociedade comunista entrou em entropia e apagou-se. A ideologia “eterna” faleceu ali e então.
 
Já nos anos 90, quando estudei o fenómeno do desenvolvimento económico sul-coreano, constatei que os preconizadores do modelo tiveram o cuidado de provocar artificialmente uma  luta de classes. Foi criada uma classe capitalista, arrebanhando os especuladores que tinham conseguido fazer fortuna durante a Guerra de 1950. Exigiu-se-lhes  que criassem as indústrias constantes do programa oficial. Se o não fizessem, os seus bens ser-lhes-iam confiscados ao abrigo de uma lei do enriquecimento ilícito então promulgada. As greves e outros processos de luta pacíficos - ainda que por vezes violentos - foram consentidos; tais actividades não podiam contudo colidir ou reduzir o horário laboral (48 horas por semana). E assim, em 30 anos, a Coreia do Sul passou de um dos países mais pobres do mundo para um dos 10 países com mais elevado rendimento per capita.
 
Diria pois que até hoje, o dilema capital-trabalho foi um falso dilema. Os dois factores completaram-se e funcionaram como êmbolos alternados da mesma máquina: um empurrou, o outro puxou. Aliás já o Romanos da República tinham chegado a conclusão semelhante: duas vezes (471 e 419 a.C.,) a plebe encaminhou-se para as montanhas com o intuito de se eximir ao domínio opressor dos patrícios; duas vezes os patrícios lhe concederam regalias na condição de voltarem e duas vezes a plebe regressou a Roma. E a República durou mais 4 séculos.
 
+++
 
O ciclo virtuoso dá porém sinais de esgotamento. O grau de automatização e informatização atingido nos últimos anos dificulta, senão mesmo invalida, a conjugação dos opostos. A sede de lucro do burguês capitalista impõe hoje ao capital aplicações que já não servem para criar emprego e multiplicar as oportunidades de progressão oferecidas ao trabalhador. A economia pede cada vez menos mister e cada vez mais conhecimento. A empresa aproxima-se da universidade e afasta-se da escola industrial.
 
A isto tudo acresce o problema do ambiente. Poderemos continuar a produzir e consumir a este ritmo alucinante? Ao que dizem os entendidos, a resposta é negativa. Os frutos do sistema tornam-se pois menos acessíveis a crescente número de pessoas. Entramos assim no ciclo da exclusão.
 
+++
 
O “Clube de Roma” já tinha profetizado que, como resultado do desenvolvimento tecnológico acelerado, o mundo se tornaria caótico e assistiríamos a grandes perturbações de cunho político, económico e ambiental.
 
O que fazer em tais circunstâncias?   Desconfio que, de momento, ninguém tem respostas. Uma coisa contudo é certa: as soluções de ontem não servem. Vamos ter que tactear prudentemente em busca de novas saídas.
 
Estoril, 22 de Setembro de 2009
 
 Luís Soares de Oliveira
 

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D